O desafio da educação segundo Papa Francisco

Por
31 de agosto de 2018

“O desafio da educação sempre ocupou um lugar central no pensamento do atual Pontífice”. Assim inicia uma longa matéria do padre Antonio Spadaro na última edição da revista dos jesuítas Civiltà Cattolica intitulada: “Sete pilares da educação segundo Jorge Mario Bergoglio”. Padre Spadaro escreve sobre o pensamento e a ação educadora do Pontífice na época que morava na Argentina como pastor e bispo em Buenos Aires. Os sete elementos fundamentais identificados pelo jesuíta são: 1) educar é integrar 2) acolher e respeitar as diversidades 3) enfrentar a mudança antropológica 4) a importância da inquietação como motor educativo 5) a pedagogia da pergunta 6) conhecer os próprios limites 7) viver uma fecundidade generativa e familiar.

A ação educacional amplia os horizontes

Ao lado destes sete pontos, o diretor da Civiltà Cattolica encontra também “palavras chave” que caracterizam a educação: “escolha, exigência e paixão”. Porém para o jesuíta há “uma expressão extremamente sintética que Bergoglio escreveu aos educadores para relançar a ação educacional: “Educar é uma das artes mais apaixonantes da existência e requer incessantemente que se ampliem os horizontes”. Na matéria, também é recordado que “a educação não é um fato exclusivamente individual, mas popular” e que “Bergoglio sempre considerou a escola como um importante meio de integração social”.

Educadores audaciosos e criativos

Para o Papa Francisco é também importante “o acolhimento da diversidade” e que as diferenças devem ser consideradas como “desafios, mas desafios positivos, não problemas”. O desafio educativo, segundo Bergoglio, está ligado “ao desafio antroplógico”. Por isso, escreve Spadaro, “não se pode fingir que não se vê”. Outro tema presente nos pilares educativos de Bergoglio é “a inquietação entendida como motor de educação”. Por isso “o apelo aos educadores para que sejam audaciosos e criativos” e para que nunca se tornem “funcionários fundamentalistas ligados à rigidez de planificações”. Enfim, anota Antonio Spadaro, para Francisco “a educação não é uma técnica, mas uma fecundidade generativa”, “a educação é um fato familiar que implica a relação entre as gerações e a narração de uma experiência”.

 

Comente

Incêndio em asilo no Chile deixa pelo menos 10 mortos

Por
14 de agosto de 2018

Pelo menos dez idosas morreram em um incêndio que afetou na madrugada desta terça-feira um asilo na cidade de Chiguayante, no sul do Chile, segundo informaram fontes de bombeiros e as autoridades da região.

O fogo, cujo origem é investigada, começou às 3h30 local em um dos quartos da "Casa de Repouso Santa Marta", da citada cidade, a cerca de 530 quilômetros de Santiago, na região de Biobío e várias vítimas tinham problemas para se deslocar, precisaram as fontes.

"Temos dez pessoas mortas", disse aos jornalistas o intendente (governador) da região, Jorge Ulloa, que é voluntário do Corpo de Bombeiros e colaborou previamente na extinção das chamas do estabelecimento, no qual havia 42 idosos, dos quais 13 estavam no quarto acidentado, todas mulheres.

Destas últimas, apenas três conseguiram escapar das chamas pelos seus próprios meios, sendo que uma sofreu queimaduras em uma perna e foi internada no hospital da cidade.

José Garrido, guarda do recinto, que acionou os alarmes, disse à rádio "Cooperativa" que escutou "um forte estrondo" antes do incêndio.

Comente

O Amor está no ar

Por
26 de janeiro de 2018

Um casamento foi celebrado pelo Papa Francisco em pleno voo de Santiago do Chile para Iquique, no Peru. O casal de comissários de bordo Paula Podest e Carlos Ciuffardi pediram uma bênção a Francisco. Eles estavam unidos civilmente desde 2010, quando pensavam também casar-se na Igreja, mas a cerimônia fora cancelada por causa de um terremoto. Paula e Carlos seguiram a vida e tiveram duas filhas, Rafaela e Isabela, mas nunca chegaram realizar o sacramento do Matrimônio. 

“Querem que eu os case agora?”, perguntou o Pontífice, segundo relatos dos jornalistas que estavam no avião papal da Latam. Os dois comissários ficaram de boca aberta, mas aceitaram. Francisco perguntou se havia amor verdadeiro na união e se a relação ia bem. “Vocês têm mesmo certeza?”, verificou. E o casal respondeu que sim. Eles já haviam feito o curso de noivos e sabiam estar em situação irregular. Mas queriam repará-la. O Presidente da Latam, Ignacio Cueto, que estava no voo, e o Monsenhor Rueda Belz, Oficial do Vaticano, serviram de testemunhas. Uma ata simples do casamento foi redigida à mão e todos a assinaram, inclusive Francisco. 

“Digam aos párocos que o Papa os interrogou bem. Julguei que estavam preparados”, revelou, na coletiva de imprensa durante o voo com jornalistas. Segundo Carlos, a proposta foi irrecusável. “Apaixonamonos em voo e agora nos tornamos marido e mulher diante da Igreja em voo”, contou à imprensa. 

 

Comente

No Chile resistente à religião, visita de Francisco supera as expectativas

Por
26 de janeiro de 2018

A viagem do Papa Francisco ao Chile, entre os dias 15 e 18, foi uma das mais difíceis que ele já fez do ponto de vista da receptividade. A população chilena é tradicionalmente católica, mas o País é talvez um dos mais secularizados da América Latina. A religião tem um papel público limitado e cresce a indiferença. O Chile tem um dos povos mais plurais da região, mas é um dos mais parecidos com a Europa, único continente onde a Igreja diminui. Ainda assim, cerca de 900 mil pessoas foram às ruas, alegres, para ver o Papa. Segundo o governo chileno, 1,5 milhão de pessoas participaram dos eventos públicos, 300 mil a mais do que o esperado. 

Sua mensagem de esperança e reconciliação chegou a um público maior do que o previsto. De acordo com o Presidente da Conferência Episcopal do Chile, Dom Santiago Silva, foram três os pontos mais importantes da visita do Papa: a preocupação com os mais vulneráveis, a forma como manifestou ser pastor dessas pessoas e a perspectiva de futuro que sua mensagem deixou.

“Creio que as pessoas perceberam como o Papa está absolutamente preocupado com os mundos vulneráveis, aquelas pessoas descartadas”, declarou o Bispo castrense, em coletiva de imprensa. “Houve durante a visita uma pluralidade de expressões na relação com esses mundos, um contato pessoal com esses grupos pequenos, sempre como um ato simbólico”, disse. 

Um desses gestos simbólicos foi a breve visita a uma prisão feminina, em San Joaquín. Em quase todas as suas viagens, Francisco procura encontrar pessoas que vivem no cárcere. “Para mim é importante compartilhar esse tempo com vocês e poder ser mais próximos a nossos irmãos e irmãs que hoje estão privados de sua liberdade”, afirmou às presas. E, citando o testemunho de uma delas, completou: “Peçamos perdão a todos aqueles a quem ferimos com nossos crimes. Todos nós temos que pedir perdão, eu primeiro. Todos. Isso nos humaniza.”

 

PROTESTOS, QUESTÃO INDÍGENA E MIGRAÇÕES

Nove igrejas foram atacadas com bombas caseiras e fogo, em maior ou menor intensidade, enquanto o Papa estava no País ou alguns dias antes de sua chegada. Embora não se conheçam os autores dos ataques, parte do problema está relacionada com a causa dos indígenas Mapuche, que enfrentam o governo para defender suas terras. Empresas estrangeiras têm conseguido permissão do governo para usar terras de reservas. Alguns grupos protestam de forma violenta, e queimar igrejas se tornou uma estratégia para chamar a atenção.

Dar projeção à causa indígena foi um dos principais objetivos da viagem do Papa Francisco ao Chile e ao Peru. Porém, em meio a essas manifestações, o Papa disse aos indígenas do Chile, na homilia da missa em Temuco, que é preciso interromper a onda de violência se quiserem obter algum sucesso, pois isso “transforma até a causa mais justa em uma mentira”. Para ele, “a violência chama violência, a destruição aumenta a fratura e separação”. Outra forma de violência são acordos que têm “belas palavras”, mas que nunca chegam a ser colocados em prática. “Isso é violência, porque frustra a esperança”, declarou.

Enquanto o Papa estava no Chile, alguns protestos anticatólicos foram realizados, e parte deles foram críticas ao clero por abusos sexuais cometidos no passado, um problema que impactou fortemente a igreja chilena nas últimas décadas. Durante a viagem, Francisco fez questão de encontrar algumas vítimas, sem mais ninguém na sala, para ouvi-las e lhes pedir perdão. Segundo o Porta-voz do Vaticano, Greg Burke, o Papa as “ouviu, rezou e chorou com elas”. Em um de seus primeiros discursos, no Palácio de La Moneda, o Pontífice disse sentir “dor e vergonha pelo dano irreparável causado a crianças por parte de ministros da Igreja”. 

Outro tema importante mencionado pelo Pontífice foi o das migrações, considerando que o Chile é um dos principais destinos de estrangeiros na América Latina. Em sua última missa no País, Francisco destacou que muitos imigrantes são explorados, por não conhecerem a cultura local e não conhecerem a língua, por exemplo. “Não tenhamos medo a dar uma mão [a quem mais precisa], e que nossa solidariedade e nosso compromisso com a justiça sejam parte do baile ou a canção que podemos entoar a nosso Senhor”, disse. “Não nos privemos de tudo de bom que os migrantes podem trazer.”

 

AVALIAÇÃO POSITIVA

Nesse contexto, na avaliação geral, autoridades do Chile consideraram a passagem do Papa muito positiva. “Vivamos esta visita em clima de respeito, de solidariedade e de alegria entre nós”, afirmou à imprensa a Presidente Michelle Bachelet, quando perguntada sobre os protestos. O presidente eleito, Sebastián Piñera, que assumirá o comando do Chile em março, comentou: “O ódio e a intolerância não podem prevalecer sobre o respeito e o Estado de Direito. Recebamos Francisco com alegria e em paz.”

No discurso de acolhida ao Papa, a Presidente Bachelet disse que o Pontífice era bem-vindo ao País onde viveu por alguns anos, quando mais jovem, e que sua visita faria bem ao povo chileno. “Sua vinda nos faz parar um pouco, em nossa marcha acelerada, para olhar o outro, olhar para a frente, escutar, conversar, refletir sobre o que somos e sobre o que queremos”, observou. “Sua ação é tranquila e humilde, mas, ao mesmo tempo, sem temor de enfrentar as injustiças, a desigualdade, a ignorância e o egoísmo.” 

Ao recordar que 30 anos atrás São João Paulo II visitou o Chile, a Presidente avaliou que o Chile de hoje é um país de “mais tolerância, mais liberdades e mais transparência”. Durante o discurso, ela conseguiu tirar uma gargalhada do Papa Francisco, ao descrever os chilenos como um povo um tanto “desconfiado”. Com bom humor, ela afirmou: “Passamos da dor à esperança, da divisão ao encontro, do temor à confiança, ainda que, para dizer a verdade, tenho que confessar que os chilenos são muito desconfiados… mas, sim, passamos do temor à confiança.”

Na coletiva de imprensa do voo papal, o próprio Pontífice brincou: “Estou contente com o Chile. Não esperava tanta gente nas ruas e os que vieram não foram pagos para vir!”
 

Comente

‘Queres paz? Trabalha pela paz’, diz Papa no Chile

Por
18 de janeiro de 2018

O Papa Francisco chegou ao Chile, na segunda-feira, 15, para sua 22ª viagem apostólica internacional, que também terá como destino o Peru, onde ele permanecerá até o domingo, 21. O primeiro grande evento do Santo Padre em terras chilenas foi a missa celebrada no Parque O’Higgins, em Santiago, capital do País, na terça-feira, 16. 

Na homilia, o Pontífice falou das bem- aventuranças, sublinhando as atitudes de “construir a paz” e acreditar nas possibilidades de mudança. “Felizes aqueles que são capazes de sujar as mãos e trabalhar para que outros vivam em paz. Felizes aqueles que se esforçam por não semear divisão. Dessa forma, a bem-aventurança nos faz artífices de paz; convida a empenhar-nos para que o espírito da reconciliação ganhe espaço entre nós. Queres ser ditoso? Queres felicidade? Felizes aqueles que trabalham para que outros possam ter uma vida ditosa. Queres paz? Trabalha pela paz”, completou.

 

PEDIDO DE PERDÃO 

No Palácio Presidencial La Moneda, em Santiago, Francisco fez seu primeiro discurso no Chile, diante da Presidente chilena, Michelle Bachelet, e representantes da sociedade civil. O Santo Padre enalteceu a pluralidade étnica, cultural e histórica da nação, que exige ser protegida de qualquer tentativa de parcialidade ou supremacia. 

Na ocasião, o Pontífice também manifestou “o pesar e a vergonha” diante do “dano irreparável causado às crianças por ministros da Igreja”, referindo-se aos casos de abusos sexuais cometidos por sacerdotes no País, divulgados na semana passada. “Desejo unir-me aos meus irmãos no episcopado, porque é justo pedir perdão e apoiar, com todas as forças, as vítimas, ao mesmo tempo em que devemos empenhar-nos para que isso não volte a se repetir”, afirmou.

 

PROGRAMAÇÃO

Em Santiago, o Papa também esteve em um centro penitenciário feminino e se reuniu com autoridades civis, bispos, sacerdotes e consagrados. Também visitará as cidades de Temuco, na quinta-feira, 18, e Iquique, na sexta-feira, 19. Em seguida, partirá para o Peru, onde irá a Puerto Maldonado, Trujillo e Lima.

A cobertura da viagem do Papa ao Chile e ao Peru pode ser vista na editoria 'Vaticano' do site.

 

INDÍGENAS

O Papa reservará dois principais momentos da viagem à comunidade indígena. No Chile, terá encontros com membros do povo Mapuche, na cidade de Temuco, localizada na região de La Araucanía; enquanto no Peru irá à Amazônia, em Puerto Maldonado, na sexta-feira, 19, onde almoçará com representantes dos povos amazônicos. Esse último encontro contará com a presença de um grupo de cem indígenas brasileiros, enviados pela Diocese de Rio Branco (AC) e pela Arquidiocese de Porto Velho (RO). 

Durante a tradicional saudação aos jornalistas a bordo do voo para Santiago, o Papa Francisco manifestou seu temor de uma guerra nuclear. Ele pediu que fossem distribuídas aos profissionais da imprensa cópias de uma fotografia que retrata uma criança que, após o bombardeio atômico em Nagasaki, no Japão, em 1945, leva seu irmãozinho morto nas costas para ser cremado. No verso da foto estava escrito “... o fruto da guerra”. 

“Eu me comovi quando vi esta [foto], e ousei escrever somente ‘o fruto da guerra’. E pensei em imprimi-la novamente e distribuí-la, porque uma imagem do gênero comove mais do que mil palavras. Por isso, quis compartilhá-la com vocês. E obrigado pelo trabalho de vocês!”, disse o Pontífice. 
 

BISPO DOS POBRES

No início do percurso entre o aeroporto de Santiago e a Nunciatura Apostólica do Chile, o Papa fez uma parada na Paróquia San Luis Beltran, onde se deteve em oração diante do túmulo Enrique Alvear Urrutia, Bispo Auxiliar de Santiago, que morreu em 1982. Entre 1962 e 1965, participou do Concílio Vaticano II. Conhecido como “Bispo dos pobres”, Dom Urrutia foi um incansável defensor dos direitos humanos, que foram violados sistematicamente no País a partir de 1973, quando o ditador Augusto Pinochet assumiu o poder. 

Comente

Francisco visita Temuco e encontra povo Mapuche

Por
17 de janeiro de 2018

No segundo dia de seu intenso calendário de atividades no Chile, o Papa Francisco se transfere nesta quarta-feira da capital Santiago para Temuco, no sul do país, onde encontra os povos indígenas Mapuche, -  que há tempo  - reivindicam um maior reconhecimento de sua cultura e de seus direitos.

O Papa vai celebrar a Santa Missa no aeroporto de Maquehue, com a presença de uma ampla representação de grupos étnicos indígenas. Às 12.45, hora local, na casa “Mãe da Santa Cruz”, almoçará com 11 habitantes da região da Araucanía, entre os quais oito membros do povo mapuche.

Às 15h30 locais, Francisco retornará de avião para Santiago, onde chegará uma hora e meia depois, e onde às 17h30 está previsto o encontro com os jovens no Santuário de Maipu. Enfim, o Papa fará uma visita à Pontifícia Universidade Católica do Chile, prevista para as 19:00 horas locais.

 

Vatican News

Comente

Programação intensa marca primeiro dia do Papa no Chile

Por
16 de janeiro de 2018

O Papa Francisco já está no Chile. Depois de 15 horas de voo, o avião com a bordo o Pontífice aterrissou por volta das 1915 (hora local) no aeroporto de Santiago.

Ao descer da aeronave, Francisco recebeu um pequeno maço de flores de duas crianças e foi acolhido pela presidente chilena, Michelle Bachelet. Da pista do aeroporto, em carro fechado, o Papa seguiu em direção ao túmulo de Dom Enrique Alvear Urrutia, conhecido como o “bispo dos pobres”.

Foi o primeiro “ato” do Pontífice e a primeira modificação do programa pré-estabelecido.

 

Bispo dos pobres

Na paróquia San Luis Beltran, di Pudahuel, o Papa se deteve em oração diante do túmulo do bispo salesiano que morreu em 1982. Dom Alvear foi Arcebispo de Santiago. O Papa João XXIII o criou cardeal em 1962. Entre 1962 e 1965 participou do Concílio Vaticano II. Durante o seu episcopado, foi incansável defensor dos direitos humanos violados sistematicamente no seu país depois de 1973.

Sob a sua inspiração e direção, nasceu em 1976 a “Vicaria de la Solidaridad”, um refúgio para as vítimas das violações dos direitos humanos, aos quais era oferecido proteção jurídica e assistência médica.

Ao deixar a paróquia, o Santo Padre seguiu de carro fechado até o cruzamento da rua Brasil com a Avenida Libertador Bernardo O’Higgins, onde subiu a bordo do papamóvel até chegar à Nunciatura. No trajeto, foi saudado por milhares de chilenos, no primeiro contato com a multidão.

 

Transmissões ao vivo

A programação nesta terça-feira será intensa para o Papa. O dia começa com o encontro com as autoridades, a sociedade civil e o Corpo Diplomático no Palácio “La Moneda”. Depois, será a vez de celebrar a primeira missa no Parque O’Higgins. Na parte da tarde, Francisco visita o Centro Penitenciário Feminino de Santiago e, na Catedral, se encontra com sacerdotes, religiosos e religiosas, consagrados e seminaristas. O último evento previsto é o encontro com os bispos na sacristia da Catedral. Todos estes eventos serão transmitidos ao vivo pelo Vatican News com comentários em português.

 

Brasil

No trajeto de Roma que o levou ao Chile, o avião papal sobrevoou o território brasileiro.

E como prevê o protocolo, o Papa envia um telegrama ao presidente do país.

A Michel Temer, Francisco faz seus melhores votos, assim como a todos os cidadãos brasileiros, garantindo suas orações pela paz e a prosperidade do Brasil.

 

Vatican News

Comente

Chile: peça de contexto

Por
15 de janeiro de 2018

O Papa Francisco vai visitar o Chile a partir desta segunda-feira dia 15 de janeiro. Encontrará grande entusiasmo e satisfação pela sua visita.

O Chile é uma República situado na ponta da América do Sul entre a cordilheira dos Andes e o Oceano Pacífico. Faz fronteira a norte com o Peru, a nordeste com a Bolívia, e a leste com a Argentina. O Chile possui um território com 4 300 quilómetros de comprimento e, 175 quilómetros de largura, o que dá ao país um clima muito variado, indo do deserto mais seco do mundo — o Atacama — no norte do país, a um clima mediterrânico no centro, até um clima alpino propenso à neve no sul. A capital é a cidade de Santiago do Chile.

Foi a partir do centro que se constituiu o país integrando no séc. XIX as regiões norte e sul. É aí no centro que está o maior número de população e de recursos agrícolas. Também as principais estruturas políticas, financeiras e culturais.

Antes da chegada dos europeus no século XVI, o norte do Chile estava sob o domínio inca, enquanto os índios Mapuches habitavam o centro e o sul do território. O Chile declarou a sua independência da Espanha em 1817, e venceu a Bolívia e o Peru na Guerra do Pacífico acontecida entre 1879 e 1883. No século XX o Chile viveu um período sangrento da sua história entre 1973 e 1990 durante a ditadura militar de Augusto Pinochet. Nesses anos morreram mais de 3 mil pessoas.

Atualmente, o Chile, dentro do contexto da América Latina, é um dos melhores países em termos de desenvolvimento humano. Em maio de 2010, o Chile tornou-se no primeiro país sul-americano a aderir à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, a OCDE. O Chile é governado por um regime presidencialista.

No próximo dia 11 de março tomará posse o novo presidente Sebastian Piñera que sucede a Michelle Bachelet, primeira presidente mulher da história do Chile. O país vive atualmente alguma instabilidade política.

A primeira missa em solo chileno teve lugar em 1520, ano em que por ali passou o navegador português Fernão de Magalhães. Ali chegaram os padres mercedários, dominicanos, franciscanos e jesuítas no século XVI. Nesta época a Igreja coloca-se na defesa das populações indígenas contra os colonos espanhóis. Um período marcado pelo martírio de vários missionários.

No século XIX a diocese de Santiago transforma-se em Arquidiocese Metropolita. Em 1888 foi fundada a Universidade Católica do Chile. 1925 foi o ano em que uma nova constituição promove a separação entre o Estado e a Igreja. O primeiro cardeal do Chile foi o Mons. José María Caro Rodríguez, arcebispo de Santiago em 1947. Durante a ditadura a Igreja escolheu a via do diálogo que teve um forte apoio em 1987 com a visita de S. João Paulo II que exortou o episcopado a dar todo o apoio à reconciliação do país. Em 1990 o Chile passou a ser um regime democrático.

De salientar que em 2008 a conferência episcopal chilena lançou um programa pastoral centrado sobre a atuação do Documento da Aparecida de 2007 aprovado na 5ª conferência do Celam o conselho episcopal latino-americano. Isto recordará Bento XVI aos bispos chilenos em dezembro de 2008 pedindo-lhes um renovado empenho missionário na formação dos jovens e na ajuda aos mais débeis.

Recorde-se que a 9 de outubro de 2012 D. Marco Antonio Órdenes Fernández, bispo de Iquique, foi obrigado a apresentar a sua demissão depois de denúncias que o ligavam a abusos contra adolescentes. Em julho de 2015 foram aprovadas pela Santa Sé as novas linhas da Conferência Episcopal do Chile contra a pedofilia.

Em 2017 foi legalizado o aborto no país. Em novembro passado os bispos chilenos publicaram uma carta pastoral com o título: “Chile, uma casa para todos”. Nesse texto os bispos exortam os chilenos a contribuírem para a superação do clima de desconfiança devido a escândalos e à situação atual de crise política. Nessa carta os bispos não esquecem um apelo para melhorar as condições nas prisões e assinalam com preocupação o clima de conflito com os indígenas Mapuche. Referem também a defesa do ambiente.

Esta é a Igreja e o país que o Papa Francisco visitará a partir desta segunda-feira dia 15 de janeiro. Uma visita com o lema: “Dou-vos a minha paz”.

 

Rui Saraiva (Lisboa) - Vatican News

Comente

Antes de viajar, Papa envia mensagem aos povos do Chile e Peru

Por
09 de janeiro de 2018

Faltando poucos dias para sua próxima viagem apostólica ao Chile e Peru, a partir do dia 15 de janeiro, o Papa Francisco gravou uma mensagem em vídeo aos irmãos e irmãs destes povos.

“ Vou até vocês como peregrino da alegria do Evangelho, para compartilhar com todos a paz do Senhor e confirmá-los numa única esperança ”

“Desejo encontrar-me com vocês, olhá-los nos olhos, ver seus rostos e, em meio a todos, sentir a proximidade de Deus, sua ternura e misericórdia que nos abraça e consola”, prossegue.

 

Fé e amor pelos descartados

Conhecedor da história dos dois países, “construída  com afinco e entrega”, o Papa quer, a seu lado, agradecer a Deus pela fé e o amor aos irmãos mais necessitados, especialmente aos descartados da sociedade.

 

O desejo de ser partícipe

“Quero ser partícipe de suas alegrias, tristezas, dificuldades e esperanças, e dizer-lhes que não estão sós, que o Papa está com vocês, que a Igreja inteira os acolhe e os guarda”.

“Com vocês desejo experimentar a paz que vem de Deus... É o dom que Cristo nos fez a todos, fundamento de nossa convivência e da sociedade; a paz que se baseia na justiça... que traz alegria e nos impulsa a ser missionários, reavivando o dom da fé que nos conduz ao encontro, à comunhão compartilhada de uma mesma fé, celebrada e entregada”, prossegue a mensagem.

 

O encontro com Cristo ressuscitado nos confirma na esperança

“ Não queremos ficar ancorados nas coisas deste mundo, nosso olhar vai muito mais além, nossos olhos estão voltados à Sua misericórdia, que cura nossas misérias ”

 Somente Ele nos dá a força para nos erguermos e prosseguir. Sentir esta proximidade de Deus nos faz comunidade viva, capaz de nos comovermos com quem está ao nosso lado e dar passos firmes de amizade e fraternidade. Somos irmãos que vamos ao encontro dos demais para nos confirmarmos na mesma fé e esperança”.

O Papa encerra o vídeo colocando “nas mãos de Maria, Mãe da América, esta viagem apostólica e todas as intenções que temos em nossos corações, para que seja ela, como boa Mãe, nos acolha e nos ensine o caminho rumo a seu Filho”. 

 

Por Vatican News

Comente

Crianças fazem arte em preparação para receber a visita do Papa ao Chile

Por
08 de dezembro de 2017

Em uma atmosfera de grande emoção, a exposição “EmPAPArte” foi inaugurada na sala de exposições do arcebispo de Concepción, segunda região mais populosa do Chile, com pinturas projetadas e criadas por crianças e adolescentes de diferentes programas desenvolvidos pela Fundação Ciudad del Niño.

A exposição é uma iniciativa promovida pelo arcebispo de Concepción,  dom Fernando Chomali, e faz parte das atividades de preparação para a visita apostólica do Papa Francisco ao Chile, em janeiro de 2018.

O presidente do conselho da Fundação, padre José Cartes, disse que, para realizar a iniciativa, formou-se uma equipe e a colaboração especial do casal missionário francês, Gustav de Pennart e sua esposa Claire, que coordenaram as oficinas de catequese e, mais tarde, pintura. “A catequese com crianças e jovens era muito importante, para que conhecessem o Papa Francisco. Estamos muito felizes e até surpreendidos pelo modo como assumiram esse desafio “, afirmou o padre José.

Dom Chomali reconheceu que, nas crianças, “há muito talento artístico e foi uma bela oportunidade, considerando a visita do Santo Padre, para divulgar esses talentos. Portanto, conseguimos os tecidos e ficamos impressionados com o excelente trabalho que as crianças fizeram, o que nos mostra que a arte não é proibida para ninguém, mas como adultos nos oferecem oportunidades e oportunidades. Espero que este seja um começo para continuar desenvolvendo muitas outras atividades com eles “.

A exposição com 52 obras, muitas delas consideradas excelentes, foram até premiadas, serão exibidas até 15 de dezembro na Sala de Exposições da Arquidiocese e em vários lugares. Dom Chomali não excluiu a preparação de uma forma de consolidar este trabalho e enviá-lo ao Papa Francisco: “Isso nos lembrará que as crianças não são o futuro do Chile, mas que são o presente do Chile. Aqui há artistas muito bons. Estou muito feliz e nunca esperei nada disso com esses jovens que tiveram uma vida difícil, mas, apesar disso, eles podem criar e isso nos dá muita esperança para todos “.

 

Matéria publicada no site da Conferência Episcopal do Chile.

Comente

Páginas

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.