Padre Jorge Pierozan parabeniza homenageados com a Medalha São Paulo Apóstolo

Por
05 de setembro de 2018

O Padre Jorge Pierozan (Padre Rocha), Vigário Episcopal da Região Lapa, parabenizou Rosa dos Santos Ramicelli e o Diácono Luiz Carlos de Laet, que atuam na Região, pelo recebimento da Medalha São Paulo Apóstolo, em 29 de agosto.

À Pastoral da Comunicação, Padre Rocha destacou o trabalho dos homenageados na Região Lapa. O Diácono Laet, contemplado por seu trabalho na inovação na Metodologia Pastoral, também conversou com a Pastoral da Comunicação e relatou sua alegria e contentamento pelo reconhecimento do trabalho missionário que desenvolve com os carregadores e outros funcionários da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), e ainda como vice-presidente de uma escola e de uma creche que têm convênio com a Prefeitura de São Paulo.

Rosa dos Santos Ramicelli, da Paróquia Nossa Senhora da Lapa, homenageada pelo Testemunho Laical, falou da sua emoção e contentamento, dizendo que o trabalho missionário que realiza não é só dela, mas de toda comunidade.

 

 

Comente

Rádio 9 de Julho recebe 5º microfone de prata

Por
07 de agosto de 2018

O programa “Acorda, Brasil”, apresentado por Adriano Barbiero na rádio 9 de Julho, ganhou o prêmio Microfone de Prata, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), na categoria de programa de rádio de entretenimento. Esta é a quinta vez que a emissora da Arquidiocese de São Paulo recebe essa premiação.

A divulgação dos ganhadores e a entrega dos prêmios, realizada em Aparecida (SP) durante o Encontro Nacional da Pastoral da Comunicação, foi ao ar pelas emissoras de TV católicas no dia 25 de julho. Além do Microfone de Prata, o “Acorda, Brasil” foi premiado com a menção honrosa, categoria eleita pela votação do púbico por meio das redes sociais. 

Em entrevista à emissora da Arquidiocese, Adriano Barbiero manifestou sua felicidade pela premiação. “Eu dedico essa premiação aos ouvintes, que sempre me deram forças, sempre me apoiaram e prestigiaram o meu trabalho nestes cinco anos na rádio 9 de Julho, e aos que me acompanham há mais tempo”, afirmou. 

“O programa surgiu no dia 8 de julho de 2013 com o objetivo de fazer companhia às pessoas que estavam acordando, levando informação, mensagens, oração e música”, explicou. 

 

BIOGRAFIA         

Com 37 anos, Adriano Barbiero nasceu na cidade de São Paulo no dia 22 de abril de 1981. Além de radialista, é apresentador, cantor e compositor. Filho do também radialista Altieris Barbiero, que apresenta na rádio 9 de Julho o programa “A volta do sucesso”, Adriano dedicou o prêmio a seu pai, o qual considera professor e incentivador.

Ao lado do pai, sempre frequentou estúdios de rádio e TV, onde foi conhecendo e se apaixonando pela arte da profissão. Além de trabalhar na emissora da Arquidiocese, Adriano esteve na rádio América - SP, rádio Trianon - SP, rádio ABC - Santo André (SP), rádio Clube B2 - Curitiba (PR), rádio Eldorado - São José dos Pinhais (PR) e rádio Capital -SP.

“Estou grato pelo reconhecimento desse trabalho feito há anos com muito amor e dedicação. Não pelo fato do troféu em si, mas pelo carinho dos ouvintes que sinto diariamente. Não há recompensa maior, e espero continuar comunicando até quando Deus permitir”, completou Adriano.

 

NOVA PROGRAMAÇÃO

O prêmio vem em um momento em que a rádio 9 de Julho passa por uma significativa reformulação da programação com o objetivo de aumentar a interação com o público e atrair novos ouvintes. Na nova grade, o “Acorda, Brasil” vai ao ar de segunda-feira a sábado, das 6h às 6h55. O apresentador também passa a ocupar a programação com o Programa “Boa Tarde, Brasil”, das 15h às 16h, de segunda a sexta-feira. 

“Esse reconhecimento, além de ser uma valorização do profissional Adriano, é também uma valorização do trabalho de evangelização da rádio 9 de Julho, que procura evangelizar com uma programação variada. O reconhecimento incentiva ainda mais, não só o Adriano, como toda a rádio 9 de Julho, a continuar investindo na programação e na evangelização”, disse em entrevista ao O SÃO PAULO, Dom Devair Araújo da Fonseca, Bispo Auxiliar da Arquidiocese e Vigário Episcopal para a Pastoral da Comunicação, que assumiu a direção geral da Rádio no início de abril.

 

O PRÊMIO DA CNBB

A rádio 9 de Julho já recebeu o Microfone de Prata em 2011, com o programa “A caminho do Reino”, apresentado pelo Cônego José Renato Ferreira, na categoria de programa de rádio religioso; em 2012, na categoria entretenimento, com o programa “Nossas Igrejas, uma expressão de fé, arte e cultura”, apresentado pelo Cônego José Renato Ferreira e Jucelene Rocha; em 2014, na categoria religioso, com “Sala Franciscana”, apresentado por Frei Gustavo Medella e Frei Xandão; e em 2016, na categoria entretenimento, com o programa “Certas Canções”, apresentado pelo Cônego Antonio Manzatto. 

(Com informações da CNBB e rádio 9 de Julho)
 

Comente

Cerimônia de entrega dos Prêmios de Comunicação da CNBB foi realizada em Aparecida (SP)

Por
26 de julho de 2018

A produção foi confiada à TV Aparecida que montou um belo espetáculo. A produção de programas importantes da emissora se ocupou do roteiro, do cenário, dos apresentadores e da direção do programa. A assessoria da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB acompanhou com as informações que recebeu dos inscritos e dos jurados. No fim, aconteceu uma festa cheia de brilho e alegria. Excetuando as redes Canção Nova, Nazaré e Rede Vida de Televisão, as emissoras de inspiração católica do Brasil transmitiram a cerimônia.

Programa e ganhadores

Dom Darci Jose Nicioli, arcebispo de Diamantina (MG), Administrador Apostólico de Guanhães (MG) e presidente da Comissão de Comunicação da CNBB fez a abertura oficial em nome da presidência da Conferência. Em seguida, os apresentadores Marcelo Zanini e Yvy Leão apresentaram os finalistas e ganhadores das categorias reportagem e documentário do prêmio de TV, “Clara de Assis”. Uma reportagem a respeito conflitos agrários feita por Fabiano Vilella dos Santos da TV Liberal, de Belém (PA) recebeu a primeira estatueta e o documentário “Marcados pelo Sol”, da TV Brasil, feito por Manuela de Castro Oliveira, de Brasília (DF) ganhou o segundo prêmio da noite.

No segundo bloco, foram entregues as estatuetas em forma de báculo episcopal do prêmio de Imprensa, “Dom Hélder Câmara” e uma primeira categoria do prêmio de Cinema, “Margarida de Prata”. Por ter enfrentado problemas com o tráfego aéreo, a jornalista Ângela Bastos, do jornal Diário Catarinense, de Florianópolis (SC) enviou um vídeo emocionante falando de sua reportagem multimídia sobre a violência contra a mulher que vive no campo do seu estado. Subiu ao palco para receber como vencedor na categoria revista, o jornalista Paulo Pimenta, da revista GPS, de Brasília, pela matéria que trata da vida contemplativa das carmelitas, “Porta do céu”. Depois de uma representação no palco de uma cena do filme “Cantando na chuva”, de 1952, foi entregue o prêmio “Margarida de Prata” na categoria de curta-metragem ao P. Cireneu Kuhn da Verbo Filmes pelo filme “Kiwxi. Memória, Martírio e Missão de Vicente Cañas”.

O terceiro bloco do programa que transmitiu a cerimônia de entrega dos Prêmios de Comunicação da CNBB foi ocupado com uma apresentação da cantora Ziza Fernandes e a entrega da última categoria do prêmio de cinema e das três categorias do prêmio de internet, “Dom Luciano Mendes de Almeida”. O primeiro vencedor que subiu ao palco montado nos estúdios da TV Aparecida foi o cineasta Vicente Duque Estradapara receber o prêmio “Margarida de Prata”, na categoria longa-metragem pelo filme “Marcos Medeiros – Codinome Vampiro”. Na categoria Portal, sites e portais, do prêmio de internet, o vencedor foi Alexandre Francisco Batista, de Recife (PE), pelo site da “webradio Coração de Mãe”. Raphael luís freire silva, da arquidiocese de são sebastião do rio de janeiro, ganhou na categoria iniciativas em redes sociais com o seu “agito cultural” na webtv Redentor.

No último bloco, Dr. Nelson Arns, da Pastoral da Criança, recebeu o prêmio de internet na categoria de aplicativos pelo trabalho feito com o aplicativo “Visita domiciliar”. Para encerrar, o programa apresentou os vencedores do prêmio de Rádio “Microfone de Prata”. Como programa jornalístico, ganhou João Djane Assunção da Silva com o audiodocumentário “Um pé de Coaçu. Meu lugar é minha história”. Na categoria de programa religioso, a vencedora foi Ariane Caroline de Campos, da Rádio Aparecida, com o seu “Conto de Natal”. E o último ganhador a se apresentar foi Adriano Barbiero, da Rádio 9 de julho, de São Paulo, com o seu programa “Acorda Brasil”.

Menções Honrosas

Em todos os blocos, os telespectadores foram incentivados a conhecer os 12 ganhadores das Menções Honrosas, escolhidas em votação pela Internet em galerias de vídeos no Facebook e Instagram: “Margarida de Prata”: Cireneu Kuhn, por “Kiwxi. Memória, Martírio e Missão de Vicente Cañas” e Geizom Sokacheski e TV Evangelizar por “Em busca do sagrado”. As Menções de “Microfone de Prata”: João Djane Assunção da Silva por “Um pé de Coaçu. Meu lugar é minha história”; Frei Mário Sergio, por “Conhecendo os Salmos, da Rádio Excelsior, de Salvador (BA) e “Acorda Brasil”, da Rádio 9 de julho. “Clara de Assis”: Marcus Gouveia, da TV PUCGoiás, pela série de reportagens”Caminhos da fé” e Leandro Miranda de Sena, da TV Aparecida, pelo documentário “Negro no Brasil”. “Dom Helder Câmara”: Ângela Bastos, do jornal Diário Catarinense, por “Sozinhas” e Cacilda Medeiros, da Arquidiocese de Natal (RN) pela revista “A Ordem”. E, por fim, as Menções Honrosas do Prêmio “Dom Luciano Mendes de Almeida”: Alexandre Batista, pelo site da “webradio Coração de Mãe”; Geizom Sokacheski, da TV Evangelizar, pelo canal Youtube “P. Reginaldo Manzoti” e Elaine Mara Goes Franco, pelo aplicativo “OSID”, das Obras de Irmã Dulce, na Bahia.

Produção

A parte musical contou com a Banda Palace, que tem como uma das vocalistas a cantora Cecília Militão. Durante a cerimônia de premiação, dom Darci José Nicioli falou sobre a iniciativa do evento ao Portal a12.com: “O que vamos ver neste programa é uma demonstração concreta de respeito e de afeto da Igreja no Brasil para com todos os comunicadores deste País“. A direção geral do programa que mostrou a cerimônia de entrega dos prêmios da CNBB foi de Felipe Pontes.

Comente

Inscrições para a Medalha São Paulo Apóstolo seguem até o dia 31

Por
10 de julho de 2018

A edição 2018 da Medalha São Paulo Apóstolo está com inscrições abertas até 31 de julho, e premiará indicados em dez categorias, sendo sete individuais - testemunho laical; serviço sacerdotal; ação caritativa e de promoção humana; ação missionária; inovação na metodologia pastoral; educação cristã; e defesa e promoção da vida e da dignidade humanas – e três para entidades e instituições - cultura; comunicação; e serviço social.

Neste Ano Nacional do Laicato, definido pela CNBB, no primeiro ano do Sínodo Arquidiocesano de São Paulo, a Arquidiocese deseja homenagear pessoas que se destacam com sua participação na ação evangelizadora em diferentes ambientes da sociedade paulistana; e entidades e instituições que se destacaram pelo testemunho cristão.

 

LEIA O EDITAL DA MEDALHA 2018

INSCREVA PESSOAS E INSTITUIÇÕES PARA A MEDALHA 2018

REGULAMENTO DA MEDALHA SÃO PAULO APÓSTOLO

 

Sobre as inscrições

Na inscrição deverão ser fornecidos os dados pessoais do candidato, conforme formulário

de inscrição, com destaque para os motivos (verificáveis) que recomendariam a concessão da Medalha. No ato da inscrição, também devem ser fornecidos os dados de identificação do próprio proponente.

Os formulários preenchidos, para a inscrição de candidatos à Medalha, deverão ser enviados para a Cúria Metropolitana de São Paulo, para o seguinte endereço: Medalha São Paulo Apóstolo Cúria Metropolitana de São Paulo Avenida Higienópolis, 890, CEP 01238-000, São Paulo (SP).

A inscrição também pode ser feita por meio eletrônico, enviando a ficha devidamente preenchida para o seguinte e-mail: medalhasaopaulo@arquisp.org.br, junto com os demais formulários preenchidos.

O anúncio dos dez contemplados com a Medalha em 2018 será feito no dia 4 de agosto, às 18h, no portal da Arquidiocese de São Paulo (www.arquisp.org.br.). Os contemplados com a Medalha receberão previamente uma comunicação pessoal da Comissão Organizadora.

A cerimônia de entrega da Medalha será realizada no dia 29 de agosto de 2018, às 20h, no auditório São Paulo Apóstolo, (Paulinas) Rua Dona Inácia Uchoa, 62 – junto à Estação Vila Mariana ou Ana Rosa – Linha Azul do Metrô.

 

A Medalha

A Medalha São Paulo Apóstolo foi instituída em 2015 dentro das comemorações dos 270 anos de criação da Diocese de São Paulo. A Medalha traz, numa face, a efígie do apóstolo São Paulo, Patrono da Arquidiocese; na outra face, traz a vista frontal da catedral metropolitana de São Paulo. Sua entrega será acompanhada de um diploma correspondente.

No Decreto de instituição da medalha, o arcebispo de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, ressaltou que “todos os Batizados foram constituídos como povo de Deus e são participantes do múnus sacerdotal, profético e régio do próprio Cristo” e acrescentou que a homenagem também é um “incentivo para que floresça mais abundantemente a vida eclesial e pastoral nesta Cidade imensa”.

 

Comente

Dom Paulo Evaristo é homenageado no 39º Prêmio Vladimir Herzog

Por
09 de novembro de 2017

A 39ª edição do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos foi entregue, em 31 de outubro, no teatro Tucarena, em São Paulo.
O propósito da premiação é reconhecer e homenagear, anualmente, jornalistas que, com seu trabalho, contribuem para a promoção dos direitos humanos e da democracia e se destacam na defesa desses valores fundamentais.
Além dos jornalistas premiados, a partir da seleção dos melhores trabalhos entre os 634 inscritos, houve homenagens especiais aos também jornalistas Rose Nogueira, Tim Lopes (in memoriam) e Dom Paulo Evaristo Arns (in memoriam), Arcebispo de São Paulo entre 1970 e 1998, morto em dezembro de 2016. A premiação foi entregue por Clarice Herzog, Presidente do Instituto Vladimir Herzog, aos sobrinhos do Cardeal da Esperança: Nelson Arns Neumann e Flávio Arns.
Nascido em Forquilhinha (SC), Dom Paulo ingressou na ordem franciscana em 1939, foi ordenado padre em 1945 e sagrado bispo em 1966, sendo posteriormente nomeado Arcebispo de São Paulo em 1970. O site do Prêmio Vladimir Herzog (hwww.premiovladimirherzog.org.br) aponta que a atuação pastoral de Dom Paulo “sempre foi voltada aos habitantes da periferia, aos trabalhadores, à formação de comunidades eclesiais de base nos bairros e à defesa e promoção dos
direitos da pessoa humana” e que durante a ditadura militar “sob o sufoco imposto pelos militares, Dom Paulo se agigantou. Sua atuação contra a repressão ganhou destaque já em 1969, quando passou a defender seminaristas dominicanos presos por ajudarem mi- litantes opositores. Em 31 de outubro de 1975, uma semana depois do assassinato do jornalista Vladimir Herzog nas dependências do Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI), Dom Paulo realizou um culto ecumênico [ato inter-religioso] em memória de Vlado na Praça da Sé. O ato reuniu 8 mil pessoas e se transformou na maior manifestação pública de repúdio à ditadura militar. Ao lado do Arcebispo estavam o Rabino Henry Sobel e o Reverendo evangélico Jaime Wright”.

Fonte: Instituto Vladimir Herzog

Comente

Arquidiocese anuncia os contemplados com a Medalha São Paulo Apóstolo

Por
07 de agosto de 2017

A Comissão Julgadora da Medalha São Paulo Apóstolo anunciou na manhã desta sexta-feira, 4 de agosto, o nome das pessoas e instituições contempladas com a medalha.

São eles: Laudinice Pedreira Rocha (Testemunho Laical), Padre Helmo Cesar Faccioli (Serviço Sacerdotal), Maria Gabriela Franceschini Vaz de Almeida (Ação Caritativa), Ana Flora Anderson (Ação Missionária), Padre Boris Agustin Nef Ulloa (Inovação Pastoral), Irmã Luci Rocha de Freitas (Educação Cristã), Fábio Konder Comparato (Defesa e Promoção da Vida), Grêmio Recreativo Escola de Samba Unidos de Vila Maria (Cultura), rádio Capital (Comunicação) e Associação Assindes Sermig (Serviço Social). A medalha também será conferida à senhora Alzira Altenfelder Silva Mesquita, em honra ao mérito.

LEIA A ATA DA COMISSÃO JULGADORA

A Medalha São Paulo Apóstolo foi instituída em 2015 dentro das comemorações dos 270 anos de criação da Diocese de São Paulo. A Medalha traz, numa face, a efígie de São Paulo Apóstolo, Patrono da Arquidiocese; na outra face, a vista frontal da Catedral Metropolitana de São Paulo.

No decreto de instituição da medalha, o Arcebispo de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, ressalta que “todos os batizados foram constituídos como povo de Deus e são participantes do múnus sacerdotal, profético e régio do próprio Cristo” e acrescentou que a homenagem também é um “incentivo para que floresça mais abundantemente a vida eclesial e pastoral nesta Cidade imensa”.

A entrega da Medalha acontecerá em 30 de agosto, e cada premiado receberá também um diploma.

CONHEÇA OS VENCEDORES

PESSOAS

Testemunho Laical

Laudinice Pedreira Rocha

Leiga atuante na Paróquia Nossa Senhora do Carmo, na Região Episcopal Brasilândia, ela é mais conhecida como Nice. Há mais de dez anos, está na Pastoral Carcerária da Arquidiocese de São Paulo, cumprindo fielmente o mandato de Jesus: “Estive preso e fostes me visitar” (Mt 25,36). Tem especial atuação misericordiosa com as pessoas encarceradas nas unidades prisionais de Franco da Rocha (SP), onde faz visitas regularmente, com o objetivo de que tenham sua dignidade humana respeitada. Também é participante ativa das Comunidades Eclesiais de Base (CEB’s).

Serviço Sacerdotal

Pe. Helmo Cesar Faccioli

Nascido em Franca (SP), ele foi ordenado sacerdote, em Curitiba (PR), em 1976, pela Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria (Claretianos). Atualmente com 68 anos, Padre Helmo é auxiliar do Cura da Catedral Metropolitana de São Paulo (Catedral da Sé) e tem outras atribuições na Arquidiocese, entre as quais a de assessor da Comissão de Liturgia e assistente eclesiástico da Pastoral da Pessoa Idosa. Também é membro da Comissão para o Órgão da Catedral Metropolitana de São Paulo.

Ação Caritativa

Maria Gabriela Franceschini Vaz de Almeida

Por mais de 30 anos, ela foi professora de Biologia e sempre conciliou a rotina profissional com a atenção ao próximo. Desde 2000, Maria Gabriela, hoje com 94 anos, preside a Fundação Nossa Senhora Auxiliadora do Ipiranga, estando em seu sétimo mandato. Também é diretora-geral da Associação Beneficente Nossa Senhora de Nazaré. Paroquiana da Paróquia Santa Cândida, na Região Episcopal Ipiranga, ela também testemunha a fé como participante da Assembleia Geral da Liga Solidária (antiga Liga das Senhoras Católicas), onde já atuou como diretora da Casa da Infância do Menino Jesus.

Ação Missionária

Ana Flora Anderson

Nascida nos Estados Unidos, ela se graduou no País natal em Sociologia e também fez pós-graduação em Teologia. Em 1959, veio ao Brasil para estudar na Universidade de São Paulo (USP), passando a morar em um pensionato católico do Movimento do Graal, voltado à promoção da mulher na Igreja e na sociedade. Ana Flora passou a fazer parte da Juventude Universitária Católica. Em 1965, foi estudar na Escola Bíblica e Arqueológica Francesa, em Jerusalém. Ao voltar a São Paulo, lecionou, por décadas, em faculdades de Teologia, ajudando na formação de muitos dos atuais padres, quando ainda eram seminaristas, bem como de leigos em cursos pastorais de formação bíblica.

Inovação Pastoral

Pe. Boris Agustin Nef Ulloa

Por ocasião das comemorações do jubileu de ouro da Paróquia Imaculada Conceição, na Região Episcopal Ipiranga, Padre Boris, Pároco, mobilizou os paroquianos para que este momento não fosse apenas festivo, mas também que permitisse revigorar a atuação pastoral da Paróquia. Por conta disso, desenvolveu o “Projeto Pastoral do Jubileu de Ouro – 2016/2017”, estruturado em 55 iniciativas com propósitos diversos, desde o recrutamento de novos agentes pastorais até a realização de campanhas sociais e eventos esportivos. Cada paroquiano foi convidado a participar como líder de uma dessas iniciativas ou como um dos voluntários do projeto. Em junho deste ano, 73% das ações pensadas para o projeto haviam sido colocadas em prática de algum modo.

Educação Cristã

Ir. Luci Rocha de Freitas

Formada em Pedagogia, pós-graduada em Gestão de Negócios e mestre em Educação, ela encontrou na União Beneficente das Irmãs de São Vicente de Paulo de Gysegem, uma instituição com o carisma vicentino que lhe permitiu dar atenção aos mais vulneráveis da sociedade a partir da Educação. Atualmente, Ir. Luci é diretora-geral dos Colégios Vicentinos, de quatro escolas sociais que atendem crianças de 4 meses a 5 anos de idade, da Editora dos Vicentinos e membro do Conselho Paroquial, e desenvolve todas essas atividades, sempre pautada no amor ao próximo, na caridade e na valorização da vida.

Defesa e Promoção da Vida

Fábio Konder Comparato

Doutor em Direito pela Universidade de Paris e professor emérito da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), ele é autor de livros que são referência entre os estudiosos e operadores do Direito e tem destacado compromisso com a defesa dos direitos fundamentais da pessoa humana. Opositor da ditadura militar, desde a redemocratização, tornou-se um dos principais baluartes da revisão da Lei da Anistia, a fim de que os agentes do Estado que cometeram crimes de lesa-humanidade respondessem judicialmente pelo que fizeram. Ainda hoje, aos 80 anos de idade, é uma voz ativa contra as violações de direitos que afetam os mais marginalizados da sociedade, e coloca toda a sua cultura jurídica a serviço da defesa da vida.

 

INSTITUIÇÕES

Cultura

Grêmio Recreativo Escola de Samba Unidos de Vila Maria Nascimento

Fundada em 1954 na zona Norte da cidade de São Paulo, a escola de samba levou à avenida no carnaval paulistano de 2017, com seus 3.500 componentes, um enredo em homenagem aos 300 anos da aparição da imagem de Nossa Senhora Aparecida no rio Paraíba do Sul, em 1717. O desfile, que foi previamente supervisionado pela Arquidiocese de São Paulo e pelo Santuário Nacional de Aparecida, foi uma demonstração digna e respeitosa da devoção dos brasileiros à Padroeira do Brasil.

Comunicação

Rádio Capital

Criada em 25 de janeiro de 1978, a rádio Capital tem uma programação eclética, com programas de jornalismo, esporte, musicais e entretenimento. Nesse sentido, a emissora também abre espaço para momentos de grande mobilização de fé, como na Sexta-feira Santa, quando transmite as celebrações em cadeia com a rádio 9 de Julho, da Arquidiocese. Padres também são convidados para programas especiais na rádio, conforme o calendário litúrgico.

Serviço Social

Associação Assindes Sermig

Fundada em 1990, por Ernesto Olivero, após contato com Dom Luciano Mendes de Almeida, já falecido, a associação é responsável, entre outras iniciativas, pelo Arsenal da Esperança, que, mantido por um convênio com a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social da Prefeitura de São Paulo, acolhe diária e ininterruptamente 1.150 homens em situação de vulnerabilidade social, promovendo os valores da fraternidade, esperança, universalidade, paz, justiça e solidariedade, a partir de uma gestão ética, competente e profissional.

 

HONRA AO MÉRITO

Alzira Altenfelder Silva Mesquita

Ela e o esposo, o também professor Alberto Mesquita Camargo, já falecido, fundaram o Colégio São Judas, em 1953, na zona Leste da cidade, e, anos depois, em 1971, as faculdades São Judas, hoje uma universidade com mais de 28 mil alunos. O casal imprimiu ao complexo educacional uma forte identidade católica, favorecendo a formação religiosa dos estudantes e a presença da Igreja Católica na universidade, onde há inclusive uma capela e são oferecidas disciplinas de caráter humanístico e ético nos cursos. Ainda hoje, com mais de 100 anos de idade, a Professora Alzira, que tem livros publicados nas áreas pedagógica e didática, visita o Colégio São Judas sempre que lhe possível.

Comente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.