Taça das Favelas mobiliza periferias em São Paulo

Por
10 de abril de 2019

Depois de passar por 12 estados brasileiros, a maior competição de futebol entre favelas do mundo chega a São Paulo e pretende mobilizar 20 mil crianças e adolescentes de 96 comunidades. A Taça das Favelas é organizada pela Central Única das Favelas (Cufa), produzida pela InFavela e tem o apoio da Prefeitura de São Paulo.

O principal objetivo do torneio é promover a integração entre as comunidades por meio do esporte e, obviamente, descobrir talentos para o futebol. Afinal, grandes “gênios da bola” vieram da periferia das grandes cidades.

 

INSERÇÃO SOCIAL

O projeto para a realização do torneio surgiu em 2012. A Taça vem conquistando espaço não apenas no cenário do desenvolvimento do futebol de base, mas, também, como lugar para se exercitar a cidadania. Entre outros fatores, o sucesso se deve à proposta de utilizar o esporte como instrumento de transformação social e preservação da identidade local.

A Taça das Favelas também é uma oportunidade de integração entre os moradores de diferentes comunidades que enfrentam diariamente os mesmos desafios. As ações também promovem experiências socioculturais. Além das partidas de futebol, as comunidades participam de encontros, workshops e palestras, com o objetivo de ampliar a integração.

 

MAIOR DO MUNDO

Cerca de 40 mil jovens se mobilizaram para participar da maior “peneira” do mundo, realizada entre 16 e 17 de março em toda a cidade. Foram aproximadamente 400 candidatos por comunidade, a disputar as vagas nas seleções que irão competir na primeira edição do campeonato, em São Paulo.

Ao todo, foram 96 favelas participantes (64 delas no masculino e 32, no feminino), e cada uma precisou montar uma equipe para participar do torneio com 30 atletas. A faixa etária para os meninos é de 14 a 17 anos, sendo permitido cinco jogadores com idade de 18 anos. Na categoria feminina, não há restrição de idade.

Saulo Medeiros Duarte, vice-presidente do Projeto Pereirinha e um dos organizadores da “peneira” no bairro Parque Bristol, na zona Sul destacou em entrevista ao O SÃO PAULO a união das favelas, bairros e comunidades participantes “Foi muito gratificante. A Taça das Favelas já conseguiu fazer essa união. O empenho e a dedicação de todos foi uma coisa que nunca tinha acontecido no nosso bairro”, disse.

 

PALAVRAS E AÇÕES

Na “peneira” promovida pelo Projeto Pereirinha no Clube da Comunidade (CDC) Parque Bristol, cerca de 220 crianças participaram da seleção no primeiro dia. A escolha foi feita por uma comissão de representantes das comunidades, composta por jogadores, ex-jogadores e boleiros. No segundo dia, foram escolhidos os 30 jogadores que formaram a seleção do Complexo Bristol/Maristela/ Pereirinha, que representará a comunidade na Taça das Favelas.

Além da peneira, os organizadores do evento promoveram uma roda de samba solidária, em que foram arrecadados mais de 200kg de alimentos e roupas, destinados posteriormente às famílias carentes assistidas pela Paróquia Santa Cristina, no Setor Pastoral Cursino, da Região Episcopal Ipiranga.

“A nossa expectativa é a melhor possível, por meio do que a gente já fez, vem fazendo e vai fazer em prol dessas crianças de todos os projetos sociais que acontecem nas nossas favelas, bairros e comunidades. A Taça das Favelas veio para somar e já é uma realidade junto com toda a união do pessoal e do Projeto Pereirinha”, concluiu Saulo.

 

BOLA ROLANDO

O início da primeira edição da Taça das Favelas de São Paulo será no sábado, 6. O sorteio que definiu os duelos aconteceu em 23 de março, no Museu do Futebol, no Estádio do Pacaembu.

As partidas da fase inicial serão realizadas nos campos do CE Vila Manchester (zona Leste), CE Edson Arantes do Nascimento (zona Oeste), CE Jardim São Paulo (zona Norte), Estádio Municipal Jack Marin (Centro) e CE Vila Guarani (zona Sul).

Os campeões, tanto do feminino quanto do masculino, serão conhecidos em 1º de junho, em finais que serão disputadas no Estádio do Pacaembu.

A tabela completa com os jogos está disponível no site.

 

LEIA TAMBÉM: Instituto Barrichello utiliza o kart como elemento de transformação social

Comente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.