12 mil pessoas participam do Festival Halleluya em São Paulo

Por
28 de junho de 2019

Filha, mãe e avó: três gerações da mesma família participaram do Festival Halleluya, que aconteceu no domingo, 23, no Largo da Batata, em São Paulo. Aos 75 anos, Dora Almeida estava na cadeira de rodas e foi levada pela filha, Rita Leite, 54, e pela neta, Maria Gabriela Leite, 13, ao evento que reuniu cerca de 12 mil pessoas.  
Promovido pela Comunidade Católica Shalom, o Festival foi considerado o primeiro desta dimensão na Capital Paulista.
Às 10h30, houve missa presidida pelo Cardeal Scherer e concelebrada por Dom Carlos Lema Garcia, Vigário Episcopal para a Educação e a Universidade e Referencial para a juventude da Arquidiocese. 
O Cardeal saudou a todos os presentes no Largo da Batata, bem como os que acompanhavam a missa pela Rede Vida de Televisão e pelas redes sociais da Arquidiocese de São Paulo, os representantes da Prefeitura de São Paulo, apoiadora do evento, e os membros da Comunidade Shalom, que trabalharam muito na organização.

Estar com jesus
“Jesus levou os apóstolos para um lugar retirado e perguntou a eles: ‘Quem dizem que eu sou?’ Jesus queria saber se as pessoas estavam ou não compreendendo sua mensagem. E Ele pergunta novamente: ‘E vocês, quem dizem que eu sou?’”, recordou Dom Odilo, na homilia, citando o Evangelho da liturgia do dia. “Quem é Jesus para cada um?”, perguntou a todos.
Dom Odilo disse, ainda, que “Jesus não é aquele triunfalista, que resolve todos os nossos problemas”, mas passou pelo sofrimento e pela cruz. “A grande aposta de vida é estar com Jesus, mesmo que se passe pelo caminho da cruz. Estando com Ele, estaremos com aquele que é o caminho, a verdade e a vida, aquele que nos leva à salvação. Mas, estando com Ele, enfrentamos também o sofrimento, pois o caminho que ‘leva à vida é estreito e apertado’. Jesus nos convida a caminhar com Ele, mesmo nas dificuldades”, afirmou.
O evento, que começou pela manhã, seguiu com programação até às 21h30, com shows musicais e tendas com atividades para todas as idades. 
Thiago Hummel, consagrado da Comunidade Shalom e membro da organização do evento, recordou que o objetivo do Halleluya em São Paulo é justamente promover um grande evento, que agrega pessoas em torno de Jesus Cristo. “A partir do Festival, muitas pessoas passam a participar mais efetivamente de grupos e pastorais em suas paróquias ou mesmo se decidem pela consagração religiosa ou pelo sacerdócio”, disse à reportagem do O SÃO PAULO.
Esse foi o caso de Monique Andrade, que foi ao evento a convite de um amigo. “Sou católica, mas estou me reaproximando da Igreja agora, e o Halleluya é um momento muito oportuno para isso”, disse a jovem.
Junto a outros 50 jovens, Nicoly Carvalho, 16, Ester Garcia, 15, e Gustavo de Oliveira, 17, vieram da Baixada Santista para participar do Halleluya. “Saímos de casa de madrugada e estamos muito felizes pela oportunidade de participar deste grande evento da Igreja”, disse Gustavo, que integra o movimento católico “Jovens Sarados”. 
Divaneide Santos, 69, é membro da Comunidade Shalom e faz parte da Missão em Perdizes. “Sempre sonhei em ir a Fortaleza (CE) para participar do Festival lá, mas nunca consegui, e vi como uma grande bênção o fato de ele ter vindo até nós”, afirmou a Missionária.
“Minha participação no Festival Halleluya foi um momento único. Fiquei muito feliz em ter sido convidado para este grande evento da música católica. Eu amo o que sou e gosto do que faço e fui lá para cantar e rezar com o povo. Foi também um marco importante dentro do sínodo que estamos vivendo na Arquidiocese. Espero que aconteçam muitos outros”, afirmou o Padre Marcos Roberto Pires, que apresenta, diariamente, na rádio 9 de Julho, o programa “Orando em Família”, das 11h às 12h. 

No coração da metrópole 
Além do palco principal, o evento contou com atividades como o Espaço Kids e a Tenda da Misericórdia – local para oração, aconselhamento e adoração ao Santíssimo Sacramento. Além disso, houve a presença de livrarias, como a Livraria Shalom e a Livraria Ave-Maria. Outra tenda ficou disponível para recolher doações que foram destinadas às obras sociais da Arquidiocese de São Paulo.
Já o “Beco do Rolê” foi um espaço pensado em alusão à tradicional travessa da cidade, localizada no bairro da Vila Madalena. Os participantes puderam acompanhar campeonatos de dança e skate, batalhas de rap e o trabalho de grafiteiros, que fizeram obras ao vivo durante o Festival. 
Douglas de Oliveira, 32, um dos organizadores do espaço, explicou à reportagem que o evento começou bem antes do dia 23: “Há semanas, os missionários da Comunidade vêm ao Largo para conversar com os jovens que frequentam o local e, assim, convidamos skatistas e dançarinos que se propuseram a participar, voluntariamente”.
Seis grafiteiros também pintaram voluntariamente. Foi o caso do @NegoABC e do @MKdogStreet, que realizaram suas obras em painéis disponibilizados exclusivamente para o evento. “Soube do Festival durante uma festa junina que participei na paróquia perto da minha casa. Então, convidei outros amigos grafiteiros”, explicou @MKdogStreet, que foi ao evento com a esposa e a filha. Ele trabalha com grafite há mais de 30 anos. 

História
O Halleluya é considerado o maior festival de música católica da América. Reconhecido por promover a paz nos locais por onde passa, além de oferecer diversas atrações e opções de lazer para todos os que participam, foi declarado, no ano passado, como patrimônio cultural de Fortaleza e bateu recorde de público e doações, consolidando-se também como um dos eventos mais solidários. Depois de passar por cidades como Fortaleza (CE), São Luís (MA), Natal (RN), Rio de Janeiro (RJ), o Halleluya voltou a acontecer também São Paulo. 

(Colaborou: Amanda Pereira/Comunidade Shalom)

Comente

São Paulo recebe o maior festival católico da América Latina

Por
19 de junho de 2019

Imagine um festival estilo Rock in Rio ou Lollapalooza só que com bandas católicas. E sendo realizado em diversas cidades brasileiras. Sim, existe, e este é o maior festival de artes integradas da América: é o Halleluya! O evento, organizado pela Comunidade Católica Shalom, tem entrada gratuita e, em São Paulo, será realizado no dia 23 de junho, no Largo da Batata (Pinheiros).

A primeira banda confirmada pela organização foi Missionário Shalom, que se destaca no cenário nacional pela música católica de pop rock.  Alguns dias depois, a cantora Ana Gabriela, com seu estilo pop e som contagiante, também foi confirmada e agradou os fãs. Outras grandes atrações serão confirmadas ao longo desta semana.

Durante toda a programação do festival, centenas de missionários e sacerdotes estarão acolhendo os participantes. Jovens e famílias têm abraçado e vivenciado da melhor forma o Halleluya. Em Fortaleza, há 23 anos, o festival reúne mais de um milhão e trezentas mil pessoas.

De acordo com o responsável pela edição em São Paulo, o missionário Breno André Dias, a alegria experimentada no Halleluya não termina quando acaba o festival. “A experiência com o amor de Deus não é folia nem euforia. Antes, acompanha-nos pela vida inteira e nos fala sobre vida eterna”, diz.

Com apoio da Arquidiocese de São Paulo, o festival é realizado a pedido do Cardeal Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer, que ficou impactado com a força dos milhares de jovens que se reuniram para o Congresso de Jovens Shalom, realizado em 2018, na capital paulista. 

Espaço da Misericórdia

Tradicionalmente, um dos lugares mais visitados é o Espaço da Misericórdia, considerado “o coração do Halleluya”, onde os interessados recebem oração e aconselhamento. Neste espaço encontra-se Jesus no Santíssimo Sacramento, o dono da festa.

Beco do Rolê

Como nas outras cidades, por aqui é esperada uma grande movimentação no espaço “Adventure”, que em São Paulo recebe o nome de “Beco do Rolê”, fazendo referência à tradicional travessa do bairro da Vila Madalena.  Neste espaço, haverá campeonatos de dança e skate, batalhas de rap e será possível acompanhar grafiteiros estampando ao vivo a sua arte durante o festival. O movimento Hip Hop é muito forte em São Paulo e a banda Aliança VMS promete marcar presença.

Evento solidário

O Halleluya tem entrada franca e é aberto para todos os públicos, inclusive as crianças, que podem aproveitar o festival com muita diversão e segurança. Visando a solidariedade, a organização motiva a doação de alimentos não perecíveis, para ajuda às famílias carentes.

Para acompanhar todas as novidades do Festival Halleluya São Paulo, siga o perfil @halleluyasaopaulo no Instagram.

Comente

Entregar a vida ainda mais

Por
07 de mai de 2019

A Comunidade Católica Shalom foi fundada em 1982, no Brasil. Seus membros são jovens, famílias, casais e sacerdotes, que vivem nas chamadas “vida de comunidade” e se dedicam ao trabalho de evangelização e instrução cristã, principalmente entre os jovens. A parte central da vida da comunidade, com seus 3 mil membros, espalhados por 20 países, é a celebração diária da Santa Missa, junto com a oração pessoal, a meditação das Sagradas Escrituras e a opção radical de seguir Jesus Cristo.

Na Comunidade Shalom, eles não aceitam desculpas quando o assunto é a evangelização dos jovens. Em entrevista à ACN, o fundador, Moysés Azevedo, disse que “às vezes, temos uma tentação de ficar esperando que os jovens venham até nós, de ficar nas nossas paróquias dizendo que os jovens de hoje não querem nada. Nós devemos ir ao encontro deles onde eles estão, com uma proposta audaciosa e criativa. Um testemunho de vida é fundamental. A vida de oração é o segredo, mas, sobretudo, o que evangeliza o jovem é um coração apaixonado pelos jovens”. Ele completa ainda dizendo que “se você pede pouco para um jovem, ele não dá nada; se pede muito, ele dá pouco; mas, se pede tudo, ele dá tudo!”

Um dos jovens que se tornou membro da Comunidade Shalom e entregou tudo há 25 anos é o hoje Padre Jairo Barbosa Leite, 46. Ele é um dos 19 sacerdotes da Comunidade que atualmente recebem ajuda da ACN para continuar sua missão de levar o Evangelho.

Padre Jairo precisou entregar ainda mais sua vida em outubro de 2015. Enquanto inspecionava o trabalho de restauração em sua paróquia, ele caiu de uma altura de cinco metros e ficou paralítico desde então. No entanto, ele se recusa a falar de sua situação como um “desastre” ou “coisa do destino”

Quando perguntado sobre o acidente, ele diz: “Naturalmente, foi um choque quando eu me dei conta que ficaria paralisado dali em diante. Mas, então, entendi que não era um fardo, mas sim uma graça. Muitas pessoas pensam que você só pode ser feliz se tudo está bem. Mas eu sou feliz, e sinto que recebi uma graça especial, justamente porque eu agora me encontro totalmente dependente dos outros. E posso mesmo alcançar as pessoas que estão longe da fé, pois elas inevitavelmente se perguntam como é que eu ainda posso ser feliz.”

Padre Jairo vê tudo como providência de Deus. “Mesmo paralisado, sentado numa cadeira de rodas, eu posso reconhecer o valor que meu serviço ainda tem, por meio da minha vida de oração, das vigílias noturnas, da celebração da Eucaristia, escutando confissões e dando os cursos educacionais que ainda posso oferecer. Eu sou feliz por saber que Deus pode usar meu sacerdócio dessa forma. Como é bom, apesar de minha fraqueza, poder confiar meus pecados a Deus e testemunhar sua intervenção!”, concluiu.

 

LEIA TAMBÉM: Filipinas: História de sucesso

Comente

Comunidade Shalom completa 15 anos de atividades na Arquidiocese

Por
22 de março de 2019

Para celebrar os 15 anos da Comunidade Católica Shalom na Arquidiocese de São Paulo, membros da Comunidade de Vida, Comunidade de Aliança e participantes dos grupos de oração se reuniram, na quarta-feira, 20, na Paróquia Sant´Ana, onde participaram da missa presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano.

“Procurem os jovens. Vão ao encontro dos jovens. Sejam igreja em saída, que vai ao encontro dos jovens”, pediu o Cardeal ao final da missa. “Ajudando os jovens a encontrar Jesus Cristo, que vocês colham muitos frutos, e, por serem Igreja, colham muitos frutos para a Igreja”.

Histórico e ação

A fundação da Comunidade Shalom aconteceu em 19 de março de 2004, mas a missa solene foi celebrada no dia seguinte porque a presença de Dom Odilo é representativa: quando os trabalhos de evangelização começaram, a atual Arcebispo era Bispo Auxiliar da Região Santana. Foi nessa região onde tudo começou, e por isso a escolha para que a celebração acontecesse na Região.

Hoje, os trabalhos da Comunidade Shalom estão centralizados em dois pontos da Capital Paulista: o Centro de Evangelização em Perdizes e ações de evangelização em Taipas (iniciadas em 2018, a pedido de Dom Devair Araújo da Fonseca, Bispo Auxiliar da Arquidiocese da Região Brasilândia).

Em 2018, a realização do Congresso de Jovens Shalom em São Paulo se tornou um marco importante para a missão. Mais de 3000 jovens se reuniram na Catedral da Sé para a abertura do evento, com missa celebrada pelo Cardeal Scherer.

LEIA TAMBÉM

Comunidade Shalom comemora 15 anos de missão na Arquidiocese de São Paulo

(Com informações de Amanda Pereira)

 

 

Comente

Comunidade Shalom comemora 15 anos de missão na Arquidiocese de São Paulo

Por
20 de março de 2019

Foi em uma casa alugada na rua Frei Vicente Salvador, em Santana, na zona Norte de São Paulo, que, em 19 de março de 2004, um grupo de cinco missionários da Comunidade Católica Shalom assumiu um novo desafio: iniciar uma missão na Arquidiocese de São Paulo. Eles acolhiam um pedido do então Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Episcopal Santana, Dom Odilo Pedro Scherer, hoje Arcebispo Metropolitano.

Em 2019, a Shalom comemora 15 anos na Arquidiocese, com mais de 200 membros consagrados, cerca de 350 pessoas envolvidas e duas casas de missão. “É mais uma força de evangelização em nossa Arquidiocese. Nós precisamos muito que todas as organizações, movimentos, novas comunidades e associações de fiéis, cada uma com seu carisma, façam parte desse grande esforço de evangelização e de testemunho da fé em nossa grande cidade de São Paulo”, afirmou o Cardeal Scherer ao O SÃO PAULO.

Para marcar o aniversário, Dom Odilo preside missa, na quarta-feira, 20, às 20h, na Paróquia Sant’Ana, o mesmo lugar onde há 15 anos houve a missa de abertura da Missão.

 

PRIMEIROS PASSOS

Fundada em Fortaleza (CE), em 1980, a Comunidade Shalom começou a realizar atividades evangelizadoras na Capital Paulista já em 1999, por meio dos cursos de formação básica em paróquias da Região Santana, ministrados por membros das missões das Dioceses de Santo Amaro e de Guarulhos. No entanto, o sonho de fixar uma sede na Arquidiocese ainda não era realidade.

Por volta de 2002, Dom Odilo ouviu falar sobre a Shalom por meio de uma das participantes desse curso e se interessou em conhecer a Comunidade. Uma das primeiras pessoas que apresentou a Shalom a ele foi Marta Lúcia Camelo de Lima, 58. “Eu me encontrei com Dom Odilo algumas vezes para explicar sobre o curso e, depois de muitas conversas, ele me perguntou o que era preciso fazer para trazer a Comunidade para Santana”, contou.

 

FUNDAÇÃO

Em 2003, Dom Odilo escreveu uma carta para a sede geral da comunidade, solicitando a fundação de uma missão na Arquidiocese. No entanto, ainda era preciso encontrar uma casa para acolher os missionários. O imóvel foi providenciado pela Paróquia Sant’Ana.

“Tudo era muito intenso. Fazíamos de tudo um pouco, contávamos com muitas pessoas que faziam os cursos e, aos poucos, a Missão foi tomando uma cara”, relatou Marta, que foi a primeira pessoa da Arquidiocese a se consagrar definitivamente na Comunidade.

Anos depois, a Comunidade alugou um imóvel vizinho à sede regional da Cúria, também em Santana, onde implantou o seu primeiro centro de evangelização.

 

NOVO ENDEREÇO

Em 2006, a Comunidade recebeu como doação de um empresário que participava dos cursos de formação um contrato de comodato de um imóvel no bairro de Perdizes, na zona Oeste. Em 22 de maio de 2007, o novo centro de evangelização foi inaugurado.

“O prédio em Perdizes se tornou um belo centro de irradiação do carisma da Comunidade. A obra continuou também em Santana com grupos de oração e formação”, afirmou Joyce Martins, primeira responsável local da Comunidade na Arquidiocese.

Atualmente morando na Missão da Shalom em Roma, Joyce comemora os frutos colhidos em São Paulo. “Nosso agradecimento especial a Dom Odilo por ter acreditado no nosso carisma e por sempre ter apoiado nossa Comunidade como pai e pastor”, acrescentou.

 

‘Aqui encontrei o meu lugar’

Com o desenvolvimento da Missão, começaram a surgir vocações para o carisma da Shalom na Arquidiocese. O grupo vocacional deste ano, por exemplo, possui cerca de 70 pessoas que se sentem atraídas pela espiritualidade da Comunidade.

Cada vocacionado é acompanhado por um orientador que o ajuda e identifica os sinais do chamado de Deus para a Shalom ou para outra vocação na Igreja.

Bacharel em Direito, Caio Rodrigues Araújo, 25, conheceu a Shalom há quatro anos, durante um retiro de carnaval. Desde então, não se afastou mais da Comunidade, identificou-se com o carisma e iniciou o discernimento vocacional. Em seguida, pediu o ingresso no postulantado, depois de dois anos, ingressou no discipulado e, daqui a dois anos, espera fazer sua primeira promessa na Shalom.

 

TESTEMUNHO

Segundo ele, dentre os aspectos que mais o atraíram para a Comunidade, estão o desejo de viver a radicalidade do Evangelho e o testemunho alegre dos seus membros.

Como discípulo, Caio já participa mais ativamente das atividades da Comunidade. Sua rotina consiste na participação da missa e de momentos de oração diários, dedicação ao apostolado e, sobretudo, o testemunho de vida, sendo “sal da terra e luz do mundo”.

Quando perguntado sobre a razão de ingressar na Comunidade, ele rapidamente respondeu: “Porque aqui encontrei o meu lugar na Igreja. É onde eu me sinto parte do corpo de Cristo”.

 

‘O coração humano anseia pela paz que vem do Senhor’

Atualmente, a Comunidade possui casas nos bairros de Perdizes, na zona Oeste, e no Parque Taipas, na zona Noroeste.

O atual responsável local pela missão na Arquidiocese, Breno André Alves Dias, destacou que o maior desafio para a evangelização em São Paulo é o ritmo da cidade. No entanto, ele enfatizou que mesmo em meio à correria diária, há espaço no coração dos paulistanos para a mensagem de Deus. “É um povo que tem muita sede de Deus. O maior desafio é alcançar o coração dessas pessoas, fazer com que elas parem para escutar a voz do Senhor em seu interior.”

 

ATIVIDADES

A Comunidade realiza atividades de evangelização nas casas, grupos de oração para jovens, famílias e crianças, atendimento de oração e aconselhamento, cursos de formação doutrinal e espiritualidade cristãs, formação humana e de autoconhecimento.

Há, ainda, o Projeto Mundo Novo, grupo de oração voltado para profissionais de várias áreas que desejam desempenhar o seu trabalho como meio de transformação da sociedade a partir dos valores cristãos. “O coração humano anseia pela paz que vem do Senhor. E nós entendemos que essa paz é para todas as camadas da sociedade. Por isso, nosso trabalho é diversificado”, destacou o responsável local.

A Shalom também desenvolve trabalhos de promoção humana por meio de visita a hospitais, asilos, dependentes químicos, pessoas em situação de rua. Também realiza um trabalho de evangelização com a Pastoral do Menor na Fundação Casa. “É fato que toda evangelização é, de certa forma, uma promoção humana, pois resgata a dignidade do homem. Porém existem aqueles que necessitam de uma atenção maior, sobretudo os mais pobres”, enfatizou Breno.

 

COM A IGREJA

Dom Odilo definiu a Shalom como “um grupo muito eclesial e aberto às necessidades e desafios da Arquidiocese de São Paulo”. Essa eclesialidade é um dos aspectos que marcam a atuação da Comunidade onde ela está.

“Nós somos Igreja, não somos algo à parte. Por isso, em todos os lugares onde estamos, nós buscamos nos inserir na vida ordinária da Igreja local. Temos nossas atividades específicas, mas também participamos dos trabalhos e eventos realizados em unidade com a Arquidiocese”, destacou Breno.

NA ARQUIDIOCESE

Hoje a Shalom está na Arquidiocese com 27 membros da Comunidade de Vida, 193 da Comunidade de Aliança e mais de 350 pessoas participantes da obra. A Comunidade ainda conta com um sacerdote consagrado.

“Faço votos de que a Comunidade Shalom continue pelos próximos anos a contribuir muito para a evangelização de jovens e famílias, segundo um carisma próprio, plenamente inserida na vida da Igreja”, completou o Cardeal Scherer.

 

FORMAS DE VÍNCULO

Comunidade de Vida – Aqueles que deixam tudo para viver em uma das casas da Comunidade, seja como celibatários, seja como casados.

Comunidade de Aliança – Aqueles consagrados que moram em suas próprias casas com suas famílias, possuem trabalhos profissionais e vivem o carisma no meio do mundo, participando do processo formativo e de atividades apostólicas da Comunidade.

Obra Shalom – Aqueles que bebem do carisma e espiritualidade sem um vínculo formal com a Comunidade.

Carisma nascido no coração de um jovem

A Comunidade Católica Shalom, reconhecida pela Igreja Católica como Associação Internacional Privada de Fiéis, nasceu em Fortaleza, em 9 de julho de 1980, por meio do jovem de 20 anos, Moysés Azevedo Filho, que quis dar, como presente a Deus, sua vida e sua juventude a serviço da Igreja para a evangelização de outros jovens. Ele teve essa inspiração durante a visita de São João Paulo II ao Brasil naquele ano.

Dois anos depois, foi inaugurado o primeiro centro de evangelização do movimento, que surgiu como uma lanchonete para evangelizar os jovens. Para a organização da Comunidade, Moysés contou com o auxílio da cofundadora, Maria Emmir Oquendo Nogueira.

Em 1998, o então Arcebispo de Fortaleza, Cardeal Cláudio Hummes, hoje Arcebispo Emérito de São Paulo, assinou o decreto de reconhecimento da Comunidade em nível diocesano. Em 2007, a Shalom recebeu o reconhecimento pontifício em caráter experimental, tendo os estatutos definitivos aprovados pela Santa Sé em 22 de fevereiro de 2012.

 

MEMBROS

A Comunidade acolhe pessoas em diferentes estados de vida, entre leigos consagrados, celibatários, casados e sacerdotes. “Somos homens e mulheres que, na diversidade das formas de vida, se engajam em uma vida comunitária e missionária, com a finalidade de levar o Evangelho de Jesus Cristo a todas as pessoas, especialmente às que estão mais distantes da Igreja”, explicou Breno.

Os membros da Comunidade são identificados com uma cruz de tradição franciscana, com a forma da letra grega Tau, com a inscrição “shalom” em hebraico. “O Tau é um sinal dos eleitos que Deus chama a exercer uma missão. A exemplo de Francisco, somos conscientes disso e queremos dizer sim a esse chamado, a essa eleição que Deus nos faz”, explicou o Fundador, em 1990.
 

SHALOM NO MUNDO

3.023 missionários da Comunidade de Vida

8.153 membros da Comunidade de Aliança

162 terras alcançadas pelo carisma Shalom no mundo

90 casas de missão

52 missões no Brasil

38 missões internacionais

 

LEIA TAMBÉM: Cardeal Scherer: ‘São José continua sendo cuidador dessa família, a Igreja, nosso intercessor’

 

Comente

3 mil pessoas participam do Congresso de Jovens Shalom em São Paulo

Por
05 de junho de 2018

Com mãos erguidas e olhares atentos, cerca de 3 mil jovens lotaram a Catedral da Sé para a missa de abertura do Congresso de Jovens Shalom (CJS), que aconteceu entre os dias 1º e 3 na Expo Barra Funda, em São Paulo. 

A missa na Catedral da Sé foi presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, na sexta-feira, dia 1º, às 20h. 

Na homilia, ao refletir sobre a liturgia do dia, o Cardeal lembrou que, a partir do Batismo recebido, os cristãos devem produzir boas obras, pois “toda boa obra vem do Espírito”. 

O Arcebispo recordou aos jovens que é preciso atenção para dar à vida uma reta orientação. “O Espírito Santo habita em vocês. Vocês são templo de Deus.” Ele continuou exortando os jovens a viverem com inteligência e sabedoria, para “não se deixar enganar”. 

“Vigiar significa ficar acordado, ou seja, manter clara a direção que damos à nossa vida. Vigiar para não cair em tentação, cultivar o amor, viver os dons que Deus oferece e colocá-los à disposição do outro e, principalmente, ser perseverantes na fé”, afirmou o Cardeal.
 

SANTIDADE

Sobre a santidade de vida, Dom Odilo recordou aos jovens que esta deve acontecer no dia a dia e não necessariamente em fatos extraordinários. “Ser santo é viver santamente o cotidiano. Fazer milagre é apenas a ‘cereja do bolo’. Ser santo é a perseverança na fé. Somos chamados a dar bons frutos, a viver retamente o testemunho da nossa fé e não esquecer que Deus chama todos à santidade. E santidade é viver a comunhão com Deus e corresponder ao amor de Deus. Que Deus acompanhe vocês com a sua graça”, concluiu o Cardeal.

 

SURPRESA

Amanda Aparecida Pereira, jornalista, que participou do Congresso pela primeira vez, no serviço à comunicação do evento, disse que ficou surpresa com a resposta tão positiva dos jovens, mesmo com as dificuldades de transporte causadas pela falta de combustível. “Cerca de 3 mil jovens estiveram lá! A Catedral ficou completamente lotada, com gente sentada no chão... Eu fiquei nos bastidores, mas tudo que vivi na correria, no dinamismo, me ensinou muito. Ver o empenho de jovens de vários lugares, de diversas realidades, com diferentes expectativas, foi contagiante”, disse à reportagem do O SÃO PAULO.

Temas como “ação e inspirações do Espírito Santo”, “protagonismo jovem” e “a amizade com Jesus” foram apresentados aos jovens durante as palestras nos dias do Congresso, que contou, também, com muitos momentos de oração, teatro, música e animação. O evento acontece desde 1989, e, em cada edição, uma cidade diferente é escolhida para sediá-lo.

 

EXPERIÊNCIAS

Aline Malta, 29, é membro da Comunidade Católica Shalom e já participou quatro vezes do Congresso. “Chama minha atenção ver a espiritualidade sendo trabalhada para a juventude com muita profundidade, a riqueza com que se fala de questões importantes da fé católica e a docilidade dos jovens em viver isso”, disse. 

Alexsander Oliveira, 21, é de Guarulhos (SP) e participou do Congresso pela primeira vez. “Desse Congresso, levo para minha vida o desejo de ser ainda mais de Deus, de dar minha vida totalmente a Ele sem medo algum, e também o desejo de evangelizar a cada dia mais”, disse.

Já Raylson Raylson Araújo Gomes, 26, destacou as palestras, sobretudo as do fundador da Comunidade, Moysés Azevedo. “Sempre fico impressionado com a intensidade de tudo que é feito pela Comunidade Shalom. Tudo tem muita vida, muito profissionalismo, muita dedicação. Seja no show, na dança ou no Teatro, tudo é feito com muita entrega e não tem como ficar indiferente a tudo isso”, destacou. 

“Levo comigo a alegria de ser jovem, de ser de Deus e de me ofertar”, afirmou Thalita Gomes, 15, que pela primeira vez participou do evento e citou uma frase do fundador, Moysés, dita durante o Congresso: “Quando Deus deseja fazer uma reviravolta, Ele chama um jovem”.

 

FUNDADORES

Em uma de suas palestras, Moysés Azevedo falou aos jovens, sugerindo algumas atitudes que devem ter aqueles que querem dizer sim a Deus: vida de oração; desejo de santidade; oferta de vida e a parresia . Moysés explicou que parresia significa ardor apostólico, ou seja, a capacidade de olhar para a humanidade com compaixão. 

 

SHALOM NA JMJ

Vários stands foram montados durante o Congresso para que os jovens pudessem, mais facilmente, obter informações e inscrever-se em outras atividades promovidas pela Comunidade Shalom. Um dos stands mais procurados foi o “Shalom na JMJ”. 

Outro stand que também chamou a atenção dos jovens no evento foi o do projeto “Jovem em Missão”, voltado para os jovens que têm interesse em viver uma experiência com os missionários da Comunidade de Vida. 

Um stand sobre a Promoção Humana foi montado pela primeira vez no Congresso. O objetivo foi promover o programa de voluntariado na Expedição para Bogotá, na Colômbia, que acontecerá logo após a JMJ 2019.

 
(Com informações da Comunidade Shalom)
(Colaborou: Amanda Pereira)
 

Comente

Comunidade Católica Shalom promove Congresso de Jovens

Por
30 de mai de 2018

A Capital Paulista receberá o Congresso de Jovens Shalom, de 1º a 3 de junho, no Expo Barra Funda, na zona Oeste. O Congresso já foi sediado no Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Brasília (DF), Itália e França.

Com o propósito de aprofundar a fé da juventude católica e proporcionar uma experiência autêntica com Jesus Cristo por meio da oração, formação e convivência entre os participantes de todas as partes do mundo, o evento, realizado pela primeira vez em 1989, é uma oportunidade de reflexão acerca da postura do jovem e sua atuação na sociedade.

Baseado no tema bíblico “Não temas, Maria, porque encontraste graça diante do Senhor”, o Congresso de Jovens Shalom é também ocasião apropriada de preparação para a Jornada Mundial da Juventude, que ocorrerá no Panamá, em janeiro de 2019.

Para informações a respeito da programação, inscrições e hospedagem, visite o site ou procure a Comunidade Shalom: Rua Diana, 353, em Perdizes – telefone (11) 3853-1782 (das 14h às 22h) – ou entre em contato com Rodolfo, membro da Comunidade, pelo telefone (11) 9 8117-0847.

Comente

Shalom fará ações com jovens na Cracolândia

Por
09 de junho de 2017

A Comunidade Católica Shalom realiza neste mês de junho, em São Paulo, a Campanha “Vida Quero Mais”, iniciativa que busca combater as drogas, por meio das artes, do entretenimento, de palestras, evangelização e formações diversas. As ações se estendem até o dia 26 de junho, Dia Internacional de Combate às Drogas.

A programação inclui ações de evangelização e noites de vigílias para os jovens usuários da Cracolândia. O objetivo é fazer o encaminhamento desses jovens a iniciativas de tratamento terapêutico de combate às drogas. Para isso, a Comunidade apresenta também o “Projeto Volta Israel”, que é promovido pelo ministério de Promoção Humana e direcionado aos usurários de drogas.

Outra proposta é encaminhar alguns desses jovens ao “Acamp’s”, o “Acampamento de Jovens Shalom”, que reúne jovens de todo o Estado para vários dias de oração, pregações, esportes radicais, shows e celebrações eucarísticas, com o intuito de oferecer uma experiência nova e apresentar a eles um tipo de diversão duradoura.

A Campanha apresenta, ainda, iniciativas preventivas, com visitas a escolas e universidades, por meio de apresentações artísticas e teatrais, bem como realização de palestras.

“Vida Quero Mais” é um sinal concreto de acolhimento para esses jovens, que podem encontrar na Igreja a esperança para uma reintegração na Sociedade.

Quem tiver interesse em ajudar os jovens a participarem do acampamento de inverno que possui caráter primordial de evangelização, pode contribuir com o valor da inscrição, que inclui alimentação e hospedagem para todos os dias. Mais informações pelo telefone (11) 94941-3053.

Outros detalhes da Campanha ‘Vida Quero Mais’ podem ser obtidos em http://www.comshalom.org/saopaulo

Comente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.