Em Roraima, Cardeal Scherer ressalta ‘situação de emergência’ dos imigrantes venezuelanos

Por
21 de janeiro de 2020

Entre os dias 7 e 13 de janeiro, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, realiza uma visita missionária à Diocese de Roraima (RR).

Acolhido pelo Bispo Diocesano, Dom Mário Antonio da Silva, o Cardeal Scherer está conhecendo o trabalho de acolhida dos milhares de imigrantes venezuelanos que cruzam a fronteira após o agravamento da crise política e humanitária no país vizinho.

Nesta terça-feira, 7, Dom Odilo se reuniu com os membros das organizações eclesiais e civis que atuam na acolhida a apoio aos imigrantes.

“São iniciativas muito bonitas de solidariedade. Cada organização ajuda de alguma maneira e, assim, é um trabalho em rede, um trabalho de 'formiguinha'. Cada um faz alguma coisa e, no fim, muitas coisas para socorrer as situações de necessidade de tantos venezuelanos que aqui estão”, relatou o Cardeal, no programa “Encontro com o Pastor”, da rádio 9 de Julho.

MUITAS NECESSIDADES

O Arcebispo destacou, ainda, que a situação na fronteira é muito mais séria. “A situação é de grande emergência. Há carência de tudo. As pessoas estão com fome, desnutridas, cansadas, procuram trabalho, alguma forma de viver com dignidade, sustentar a família”, disse.

“A multidão é grande e as necessidades são muitas. Por isso, o Brasil todo precisa se envolver na ajuda a essas pessoas”, manifestou o Cardeal, ressaltando que Roraima é um estado pequeno e não consegue absorver a multidão que procura trabalho. “De toda forma, a primeira coisa que se faz é acolher, ver onde podem se abrigar, alimentar”, completou.

Pela manhã, Dom Odilo presidiu uma missa na casa dos Missionários da Consolata, onde, diariamente, é servido café da manhã aos imigrantes. Nós próximos dias, o Cardeal visitará a cidade Caracaraí, na fronteira com com a Venezuela. 

CAMINHOS DA SOLIDARIEDADE

Com o apoio do Fundo Nacional de Solidariedade – gesto concreto da Campanha da Fraternidade da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) – o projeto Caminhos da Solidariedade reúne diversas organizações que atuam em três eixos: articulação conjunta com a Igreja na Venezuela, integração e meios de vida.

Entre as entidades estão a Cáritas Brasileira, o Serviço Pastoral do Migrante (SPM), Instituto de Migrações e Direitos Humanos (IMDH), Serviço Jesuíta para Migrantes e Refugiados (SJMR).

Leia a reportagem completa na próxima edição do jornal O SÃO PAULO.

Comente

Roraima diz ter garantias de que Venezuela não cortará energia

Por
13 de setembro de 2018

A governadora de Roraima, Suely Campos, assegurou não haver riscos da estatal energética venezuelana Corpolec suspender o fornecimento de energia elétrica para o estado de Roraima. Ela participou de reunião fechada, em Brasília, nesta terça-feira, 11, com o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco.

A possibilidade de a Corpolec interromper o serviço de abastecimento decorre de uma dívida de cerca de US$ 30 milhões que a Eletronorte admite ter com a estatal venezuelana. Segundo a própria estatal, a dívida não resulta de falta de dinheiro em caixa para pagar a Corpoelec, mas de “dificuldades operacionais” que a empresa vem enfrentando para transferir os US$ 4 milhões pagos mensalmente pelo fornecimento de energia – serviço prestado regularmente desde 2001.

Ainda de acordo com a Eletronorte, as dificuldades de transferência de dólares para o país vizinho por meio do banco em que a Corpoelec tem conta começou após o governo dos Estados Unidos impor uma série de medidas restritivas contra a Venezuela, contra seu presidente, Nicolás Maduro, e altos funcionários do governo venezuelano.

No mês passado, o Ministério de Minas e Energia já tinha informado à Agência Brasil que o governo federal vem se empenhando para encontrar uma solução institucional para o problema. Na ocasião, o ministério minimizou o potencial de prejuízo para a população de Roraima, garantindo que, caso a Corpolec interrompa o fornecimento de energia elétrica para Roraima, a demanda do estado será suprida por usinas termelétricas.

Roraima é a única unidade da federação que não está interligada ao sistema elétrico nacional, sendo totalmente dependente do país vizinho. De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), se necessário, as usinas termelétricas de Roraima, de fato, estão preparadas para suprir a demanda do estado, mas isso encarecerá os custos de produção energética, podendo ocasionar uma alta no preço da conta de luz de todos os brasileiros. Isso porque o custo de operação das termelétricas é mais caro e o custo adicional é compartilhado por todo o sistema nacional.

 

Ajuda técnica

Durante o encontro com o ministro Moreira Franco, a governadora de Roraima, Suely Campos, propôs que o Brasil ofereça suporte técnico e operacional à Venezuela, por meio da Eletrobras. A ajuda seria para a manutenção do Linhão de Guri, instalada em território venezuelano. Segundo o governo estadual, a falta de manutenção da rede elétrica do país vizinho tem ocasionado apagões diários em Roraima.

A governadora ainda cobrou uma resolução que permita a construção do chamado Linhão de Tucuruí, linha de transmissão planejada para distribuir a energia elétrica produzida pela Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, para a Região Norte. Licitada em 2011, com previsão de ser inaugurada em 2015, o projeto não saiu do papel porque os órgãos de governo não conseguiram obter o consentimento do povo indígena Waimiri Atroari, cujo território será cortado pelo empreendimento.

Comente

Roraima volta a pedir ao STF limite de entrada de venezuelanos

Por
20 de agosto de 2018

O governo de Roraima voltou a pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) a suspensão temporária de entrada de imigrantes em território brasileiro para tentar conter o perigo de conflitos e o “eventual derramamento de sangue entre brasileiros e venezuelanos”.

A ação foi protocolada na manhã de hoje, 20, pela Procuradoria-Geral estadual, um dia após os conflitos entre brasileiros e venezuelanos registrados em Pacaraima (RR) motivarem cerca de 1,2 mil estrangeiros a deixar o Brasil às pressas, segundo o Exército.

Na ação cautelar, o governo estadual sugere o estabelecimento de uma “cota para refugiados”. A medida condicionaria o ingresso em território brasileiro à execução de um plano de interiorização dos imigrantes, a ser coordenado pelo governo federal.

Além da cota, o governo estadual também cobra que as autoridades federais estabeleçam barreiras sanitárias na fronteira. A proposta é exigir dos imigrantes a apresentação dos atestados de vacinas obrigatórias a fim de impedir a propagação de doenças sob controle ou já erradicadas no Brasil, como o sarampo.

O pedido reforça a Ação Civil Originária (ACO) 3121, que já pedia o fechamento da fronteira entre Roraima e a Venezuela. No último dia 6, a ministra Rosa Weber, relatora da ação no STF, indeferiu o pedido. Em sua sentença, a ministra apontou que, além de ausência dos pressupostos legais para emissão de liminar, o pedido do governo de Roraima contraria “os fundamentos da Constituição Federal, às leis brasileiras e aos tratados ratificados pelo Brasil”.

Após o conflito do último fim de semana, o governo federal decidiu enviar para Roraima mais 120 agentes da Força Nacional de Segurança Pública para reforçar a vigilância. Segundo o Ministério da Segurança Pública, 60 agentes já embarcaram em Brasília, esta manhã, com destino à Boa Vista, de onde partirão para Pacaraima, na fronteira com a Venezuela. Desde o ano passado, 31 agentes da Força Nacional atuam na cidade em apoio à Polícia Federal.

Além dos agentes da Força Nacional, o governo federal promete enviar, no próximo domingo, 26, 36 voluntários da área da saúde para atendimento aos imigrantes venezuelanos, em parceria com hospitais universitários. Em nota, a Presidência da República disse que governo federal “está comprometido com a proteção da integridade de brasileiros e venezuelanos”, e que o Itamaraty está em contato com as autoridades venezuelanas.

O estopim da mais recente crise ocorreu no sábado, 18, quando moradores da cidade atacaram barracas dos imigrantes venezuelanos, ateando fogo aos pertences dos imigrantes. De acordo com as autoridades locais, não há registro de feridos entre os venezuelanos Os ataques aconteceram depois que um comerciante local foi assaltado e espancado. Há suspeita de que o assalto tenha sido praticado por um grupo de venezuelanos.

Comente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.