Supremo confirma pena a ativista que interrompeu missa

Por
05 de janeiro de 2019

O Supremo Tribunal espanhol confirmou a condenação a seis meses de prisão do ativista que, em 2014, invadiu uma igreja e interrompeu uma missa com gritos a favor do aborto.

No dia 9 de fevereiro de 2014, o homem, junto com outras pessoas, interrompeu a celebração de uma missa na cidade de Gerona, com gritos a favor do aborto. Eles também lançaram panfletos e exibiram um cartaz no altar com o slogan “tirem osTerços de nossos ovários”.

O ativista foi condenado por delito contra o sentimento religioso. Seu recurso já havia sido rejeitado em 2017, mas ele recorreu novamente ao Supremo Tribunal. No dia 4 deste mês, a sentença foi definitivamente confirmada. Segundo os juízes, o acusado agiu “sabendo que com a sua ação poderia chegar a ofender os sentimentos religiosos”. O Tribunal também ressaltou que a liberdade de expressão não é absoluta e pode ser confrontada com outros direitos, como a liberdade religiosa. Além disso, a ação ocorreu dentro de uma igreja, “um lugar reservado especialmente para a reunião das pessoas que professam a religião católica, diante do altar, durante a celebração de uma missa dominical e em um momento em que os paroquianos estavam reunidos em oração”.

Fonte: ACI
 

LEIA TAMBÉM: Atentado no maior mercado de Natal do mundo 
 

Comente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.