Tem início a primeira orquestra de câmara do Brasil especializada em acompanhamento de música coral

Por
03 de julho de 2019

                                                                                                                                                    

Um concerto musical realizado no Coro da Catedral da Sé, em 27 de junho, marcou o lançamento do projeto Camerata Sé, a primeira orquestra de câmara do Brasil especializada em acompanhamento de música coral. Na ocasião, foram executadas a “Missa em Dó Maior”, Op. 86, e a “Sinfonia em Dó Maior” Op. 210, do compositor alemão Ludwig van Beethoven, com direção artística do Maestro Martinho Lutero Galati, idealizador do projeto.


O lançamento marcou os dez anos de fundação do Instituto Vladimir Herzog e aconteceu no âmbito das comemorações de 50 anos de atividades ininterruptas da Rede Cultural Coro Luther King, que recebeu, em 2012, o Prêmio APCA de melhor coro da cidade de São Paulo.


Patrocinado pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e com o apoio da Catedral da Sé, o projeto tem por finalidade promover a cultura e a fé no coração da cidade de São Paulo.


Estiveram presentes o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo; o Padre Luiz Eduardo Baronto, Cura da Catedral da Sé; e o Padre Helmo Cesar Faccioli, Auxiliar do Cura da Catedral, além de autoridades civis.  

FÉ E CULTURA 
A Camerata Sé e o Coro Luther King realizaram apresentações gratuitas e abertas ao público no Centro Cultural São Paulo, na sexta-feira, 28 de junho, e na Catedral da Sé, no domingo, 30 de junho, ambas com a participação da soprano Indhyra Gonfio, da mezzosoprano Cecília Massa, do tenor Jean William e do barítono Jonas Mendes.


Até 2020, acontecerá uma média de duas apresentações por mês, sendo uma na própria Catedral da Sé e outra em locais próximos e onde exista a possibilidade de agregação de pessoas e de difusão da música. Serão concertos com músicas de diferentes autores e estilos e, principalmente, do grande repertório sacro e do repertório de música coral sinfônica, bem como de músicas somente instrumentais.  


Em entrevista ao O SÃO PAULO, publicada em 26 de junho, o Maestro falou sobre o projeto e a relevância do canto coral para a sociedade brasileira: “A música coral, sacra e cristã é importantíssima para a história da nossa música ocidental, porque não é somente a música litúrgica que tem grande importância na História. A música sacra em si, aquela que não é litúrgica, que não é especificamente para ser tocada na missa, também é de uma riqueza muito grande. Não existe atividade coral em qualquer lugar do mundo que não passe pela música sacra ocidental”.


É possível acompanhar a programação da Camerata Sé em facebook.com/cameratase ou instagram/cameratase

Comente

Núcleo Fé e Cultura da PUC promove encontro sobre dignidade da mulher e maternidade

Por
29 de abril de 2019

Acontece no próximo sábado, 04 de maio, um encontro com o tema “Dignidade da mulher, maternidade e escolhas”, no campus Marquês do Paranaguá, da PUC-SP. Uma das dirigentes do encontro será Maria de las Mercedes Figueroa Moyano, especialista em Educação Integral da Sexualidade pela Universidade Católica de Buenos Aires, Argentina, que trabalhará o tema sobre acolhida para a gestante em crise.

Em entrevista ao O SÃO PAULO, publicada na edição de quarta-feira, 24, Figueroa caracteriza as gestantes em crise por meio da reação de desespero demostrada por elas ao descobrirem a gravidez, desta forma, a especialista reafirma a necessidade de promoção de eventos como este: “A primeira coisa, e mais importante, é ouvir – deixar que a mulher explique o que está acontecendo, como ela enxerga a situação, quais são seus maiores medos e angústias”.

Além disso, outro assunto tratado durante o evento é sobre a abordagem da mulher, na perspectiva de Edith Stein: da fragmentação à inteireza. O aprofundamento será feito por Magna Celi Mendes da Rocha, que é Doutora em Educação, Psicologia da Educação pela PUC-SP e assessora da Pastoral Universitária da PUC-SP.

O evento acontece das 09h às 12h, a PUC Marquês está localizada Rua Marquês de Paranaguá, 111, Consolação – Próximo à estação Higienópolis do Metrô.

 

Comente

Palestrantes debatem sobre políticas públicas à luz da Doutrina Social da Igreja

Por
15 de março de 2019

Qual a concepção sobre o Estado e as políticas públicas a partir da Doutrina Social da Igreja? O que pensam sobre essa concepção um estudioso socialista e um liberal?

Essas perguntas foram respondidas no primeiro ciclo de estudos “Políticas Públicas à Luz da Doutrina Social da Igreja”, realizado pelo Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP em parceria com a Oficina Municipal, no dia 13, no campus Monte Alegre da PUC-SP.

A mesa de abertura do ciclo consistiu em um diálogo entre o professor Dr. André Singer (cientista social e jornalista, professor da USP), o Professor Dr. Christian Lohbauer (doutor em Ciência Política, candidato à vice-presidência pelo Partido Novo) e pelo Prof. Dr. Francisco Borba, coordenador do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP, que debateu sobre o tema “Modelos de Estado e Políticas Públicas”, em diálogo mediado por Eder Brito, coordenador de projetos da Oficina Municipal.

O Estado e a Doutrina Social da Igreja

O primeiro expositor sobre o tema foi o professor Borba. Ele ressaltou que a Doutrina Social da Igreja (DSI) não é um programa político ou um projeto ideológico. “Ela deve ser entendida com um conjunto de critérios e discernimento nascidos da reflexão e da experiência da comunidade cristã ao longo dos séculos”, de modo que não procura traçar um modelo ideal de Estado, mas que se esforça em ajudar na construção de uma postura humana mais adequada para enfrentar os problemas da vida.

Como lembrou Borba, a postura humana esperada brota daquela pessoa que se descobre amada de forma gratuita e desproporcional e por isso se sente chamada a amar gratuitamente a todos, a se comprometer com o outro, que ainda que não o conheça.

O professor ressaltou que conforme da DSI, o protagonista de toda a ação política deve ser a pessoa, não no sentido de individuo isolado, mas da pessoa como um sujeito autônomo, mas que precisa do outro para se realizar.

Esse Estado, personalista, é democrático, equitativo (todos devem receber aquilo que é necessário para a sua plena realização como pessoa), não ideológico (pois a ideologia é uma visão redutiva do ser humano ou da realidade) e republicano (um estado que o tempo todo é construído pelos cidadãos).

A Doutrina Social da Igreja também indica para um modelo de Estado subsidiário, aquele em que em vez de centralizar ações para a construção do bem comum, o Estado se coloca a serviço das organizações sociais para que a própria sociedade construa o bem comum.

Fazendo menção a uma fala do Papa Emérito Bento XVI a respeito da ordem social, o coordenador do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP disse há uma estrutura tripartite: estado, mercado e sociedade civil organizada, sendo que esta última deveria ter a prerrogativa sobre os outros dois. “O que falta hoje no Brasil é uma sociedade civil organizada, participativa, capaz de conter os desmandos tanto do poder político do Estado quanto do poder econômico do mercado”, opinou Borba.

Singer: ‘O mercado desregulamentado é uma selva econômica’

Definindo-se como adepto do socialismo democrático, André Singer disse que há compatibilidade entre a DSI e este socialismo, na medida em que por esta concepção a vida em sociedade pressupõe cooperação entre as pessoas.

No entanto, diferentemente da DSI, o socialismo democrático acredita que há uma divisão social que precisa ser superada.  “Se cada classe for defender seus interesses e apenas seus interesses, sem aceitar nenhuma possibilidade de mediação, nós caminharemos para algum tipo de guerra civil, inviabilizando a existência da sociedade”, disse.

Singer considerou que ao menos nos últimos 30 anos tem havido uma ofensiva do mercado para desregulamentar a vida econômica e social em favor das forças produtivas: “Está se produzindo a exacerbação do espaço em que cada individuo e as classes podem defender os próprios interesses, em detrimento dos interesses coletivos. O mercado desregulamentado é uma selva econômica, em que se dá bem quem tem mais força”.

Ainda de acordo com o cientista político, tal desregulamentação tem exacerbado a desigualdade social e destruído qualquer laço de solidariedade social.

Singer também criticou uma postura de subsidiariedade que enalteça o empreendedorismo, pois isso tem levado as pessoas, em especial nas áreas periféricas a trabalha mais sem garantias trabalhistas, por exemplo. “Por mais que falemos em amor ao próximo, o que vai haver é ódio ao próximo”, concluiu.

Lohbauer: ‘A regulamentação excessiva inviabilizou o desenvolvimento e o acesso a renda’

De orientação política liberal, Christian Lohbauer enfatizou que toda a ação política ideal é aquela que proporcione o bem para todos. “Toda ação da política pública deve se voltar à pessoa e ao individuo para o bem estar coletivo”, afirmou.

Lohbauer destacou que alguém só pode ser generoso e solidário com o próximo se estiver com os próprios problemas solucionados: “Não dá para pensar em generosidade nem em amor ao próximo, se você está com fome, por exemplo. Dentro dessa perspectiva, quanto mais liberdade houver, mas solidariedade haverá, porque a liberdade é que vai proporcionar com que os indivíduos possam atingir a sua própria necessidade e, como consequência, optar pela generosidade, que não pode vir de um ente abstrato, que seria o Estado. O Estado não consegue impor às pessoas, a um grupo que sejam generosos”.

Ainda de acordo com o cientista político, proporcionar ao cidadão o acesso ao trabalho e renda é a melhor forma de satisfazer as vontades do indivíduo e promover a equidade. Lohbauer não considera ruim que as pessoas tenham interesse próprio. “O que se deve conter, na verdade, é a ganância e o materialismo. Isso não será contido pela força policial do Estado, mas sim por meio do convencimento dos próprios homens e grupos sociais que vivem entre si”, afirmou.

Ele também defendeu a democracia participativa, com instituições fortes, em contraposição ao populismo, e lembrou que na concepção liberal, o Estado “é o instrumento da vontade da sociedade e dos grupos sociais organizados, é subsidiário. O Estado não tem que dizer à sociedade o que fazer, é a sociedade que diz o tamanho que o Estado tem que ter e onde ele deve se envolver. O Estado só deve chegar aonde a sociedade por si só não conseguiu se organizar”, comentou.

Lohbauer defendeu Estado eficiente e que suficiente, que só deva intervir na sociedade para assegurar a igualdade de oportunidades. Ele disse que o cidadão das periferias não quer mais ser prisioneiro de um sistema que o impede de trabalhar por conta da legislação trabalhista. “A regulamentação excessiva inviabilizou o desenvolvimento e acesso a renda, e como consequência o aumento da pobreza e a dificuldade de acender e enriquecer da sociedade”, concluiu.

Sequência do ciclo de estudos

Este ciclo de estudos promovido pelo Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP, com o apoio da Oficina Municipal, está tem como motivação a temática da Campanha da Fraternidade 2019, cujo tema é “Fraternidade e Políticas Públicas”.

O ciclo de estudos é online e terá vídeos e textos disponibilizados, com debates acerca dos grandes temas das políticas públicas no Brasil, à luz da doutrina social da Igreja. A iniciativa também tem o apoio do jornal O SÃO PAULO, da TV PUC-SP e da ACN - Ajuda à Igreja que Sofre.

A mesa de encerramento do ciclo será realizada no dia 26 de março, das 19h30 às 22h00, também na PUC-SP. O tema “Gestão de Políticas Públicas” será debatido por José Mario Brasiliense Carneiro, diretor da Oficina Municipal, pelas professoras Aldaisa Spozati (PUC-SP) e Regina Pacheco (FGV-SP).

(Com informações do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP e a Oficina Municipal)

 

 

 

 

 

 

 

Comente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.