Cardeal Scherer compartilha experiências de missão

Por
26 de outubro de 2019

Por ocasião do Mês Missionário Extraordinário, o Cardeal Odilo Pedro Scherer se reuniu com padres, diáconos, religiosos e leigos da Arquidiocese de São Paulo, na segunda-feira, 21, para partilhar as visitas missionárias que ele fez ao Haiti, em fevereiro, e a Moçambique, em agosto, países onde há atividades missionárias de brasileiros. 
Dom Odilo explicou que o objetivo da visita a Moçambique foi acompanhar de perto as missões mantidas pelo Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) na Diocese de Pemba, além de motivar os missionários brasileiros.  
Ao todo, 12 brasileiros, entre padres, religiosos e leigos, participam do projeto batizado “Missão África-Pemba”, nas aldeias de Nangade, Mazeze e Metoro.
O pedido para a cooperação missionária em Moçambique foi feito pelo Bispo de Pemba, Dom Luís Fernando Lisboa, brasileiro radicado naquele país há 17 anos. 

POBREZA
O Cardeal Scherer chamou a atenção para a extrema pobreza existente na região. Ele elencou como maiores problemas a falta de saneamento básico, desnutrição, maternidade precoce, analfabetismo, sistema de saúde pública extremamente precário, violência, exploração do trabalho em minas de metais e pedras preciosas, prostituição, malária, hanseníase e Aids. 
A situação de pobreza em Moçambique se deve, sobretudo, aos problemas políticos do país, antiga colônia portuguesa que se tornou independente em 1975, após quase dez anos de conflito. 
Após a independência, explodiu uma guerra civil entre grupos étnicos rivais. Nos 16 anos de combates, morreram 1 milhão de pessoas, algumas de fome e milhares por ferimentos ou mutilações causadas por explosões de minas. A guerra civil terminou oficialmente em 4 de outubro de 1992, em Roma, com a assinatura do Acordo Geral de Paz, que ainda não teve frutos concretos na vida daquele povo.

EDUCAÇÃO
Dom Odilo ressaltou que a Igreja Católica em Moçambique desempenha um papel fundamental no desenvolvimento da população. Milhares de pessoas nunca pisaram em uma escola. O sistema público de ensino é bastante precário. Cerca de 40% da população é analfabeta. Grande parte da rede de ensino disponível é mantida pela Igreja Católica, com subsídios do Estado. 
O Cardeal também chamou a atenção para a fé viva do povo moçambicano. “É um povo alegre, festivo e muito devoto”, afirmou. Ele destacou, ainda, a dedicação e entrega dos missionários. “Admiro muito esses missionários, pois a situação é extremamente precária, estão expostos a doenças, violências...” 

ASSISTA AO VÍDEO DA VISITA MISSIONÁRIA DE DOM ODILO A MOÇAMBIQUE 

HAITI 
Logo após o terremoto que devastou o Haiti em 2010, os missionários da Missão Belém, associação de fiéis nascida na Arquidiocese de São Paulo, foram para a capital do país, Porto Príncipe, para atender as vítimas da catástrofe natural que causou centenas de milhares de mortos e ainda deixa rastros de destruição pela cidade. 
A Missão Belém realiza seu trabalho em Warf Jeremie, uma comunidade construída sobre um lixão à beira do mar, junto a um canal de esgoto a céu aberto. “Ali, a Missão iniciou seu trabalho, indo ao encontro das necessidades básicas da população, dedicando uma atenção especial às crianças”, contou Dom Odilo.  
A primeira obra foi uma creche destinada a poucas dezenas de crianças, para lhes oferecer um ambiente limpo e seguro para passar o dia, com alimentação, educação e cuidados médicos. “Alguns missionários vivem ali em tempo integral, dedicados a essa obra, que, no decorrer de oito anos, desenvolveu-se muito, a ponto de acolher, atualmente, mais de 200 crianças e adolescentes na creche e na escola que se está desenvolvendo”, explicou o Padre Gianpietro Carraro, fundador da Missão Belém.

HOSPITAL
Durante sua última viagem ao Haiti, Dom Odilo abençoou a pedra fundamental do mais novo projeto da Missão Belém: um hospital que terá pelo menos 1,5 mil m², e vai compreender um pronto-socorro, um bloco operatório para internação e uma maternidade. 
Padre Gianpietro explicou, ainda, que o hospital estava previsto para ficar pronto em março de 2020. Porém, a crise política acirrada no país nos últimos meses pode atrasar a conclusão das obras. 
O Cardeal Scherer enfatizou que a obra da Missão Belém no Haiti contribui, com eficácia, para alimentar a esperança de um futuro melhor para essa população sofrida. 

ASSISTA AO VÍDEO DA VISITA MISSIONÁRIA DE DOM ODILO AO HAITI 

Comente

Rádio 9 de Julho: 20 anos anunciando o Evangelho para a metrópole

Por
05 de novembro de 2019

Na quarta-feira, 23, a rádio 9 de Julho comemora 20 anos de sua reabertura, após permanecer fechada entre 1973 e 1999. Para celebrar a data, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, presidiu missa no Mosteiro da Luz, na região central da cidade, no sábado, 19, com a participação de ouvintes, comunicadores, colaboradores e benfeitores da emissora da Arquidiocese. 
“Durante um período, a rádio esteve muda, fechada. Graças a Deus, foi reaberta, para continuar sua missão de ser a voz da Igreja Católica entre as muitas vozes na nossa cidade”, afirmou Dom Odilo no início da missa. 

FORÇA MISSIONÁRIA 
Na homilia, o Cardeal destacou o Dia Mundial da Missões, celebrado no domingo, 20, para ressaltar o papel da rádio na propagação da fé na cidade. Ele acentuou a importância dos profissionais, comunicadores e de todos aqueles que apoiam com orações e ajuda material para que a Arquidiocese continue a realizar sua ação evangelizadora pelas ondas do rádio. 
No fim da missa, Dom Odilo entregou a Dom Devair Araújo da Fonseca, Diretor da rádio, a bênção apostólica do Papa Francisco enviada à direção, profissionais e colaboradores da rádio 9 de Julho, por ocasião dos 20 anos de reabertura. 

LONGA HISTÓRIA
Embora comemore, em 2019, os 20 anos de reabertura, a rádio 9 de Julho tem uma história de 66 anos. 
A emissora foi fundada em 1953, com autorização temporária para preparar e comemorar o quarto centenário de fundação da cidade de São Paulo, em 1954. Quando terminaram os festejos, o Presidente da República em exercício, Café Filho, a ofereceu à Arquidiocese de São Paulo.
O início das transmissões, ainda que em caráter experimental, ocorreu oficialmente em 2 de março de 1956, e a rádio funcionou até 1973, quando sua concessão foi declarada extinta pelo regime militar.

REABERTURA 
Após longo processo para tentar reavê-la, em 1996, o então Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, devolveu a emissora à Arquidiocese, que tinha como Arcebispo o Cardeal Paulo Evaristo Arns. Em 23 de outubro de 1999, a emissora foi oficialmente reinaugurada pelo Cardeal Cláudio Hummes, Arcebispo à época.
Atualmente, a emissora, mantida pela Fundação Metropolitana Paulista, mesma mantenedora do jornal O SÃO PAULO, está sob a presidência do Cardeal Odilo Pedro Scherer, com a direção de Dom Devair, e conta com uma equipe de comunicadores, padres e religiosos voluntários, sempre empenhada no serviço à comunicação. 
Ao longo de sua história, a rádio acompanhou grandes acontecimentos da vida da Igreja e da sociedade, como a cobertura do Concílio Vaticano II (1962-1965), a visita do Papa Bento XVI a São Paulo, em maio de 2007, bem como a V Conferência Geral do Episcopado da América Latina e do Caribe, em Aparecida (SP), naquele ano, e o centenário da Arquidiocese, em 2008. 

RENOVAÇÃO
A rádio 9 de Julho chega aos 20 anos investindo na renovação da programação e em maior interatividade com o público. “Já foram feitas algumas mudanças, algumas alterações diretas na programação, outras estão sendo realizadas, e outras ainda vão começar a ser feitas, porque a intenção é conquistar novos ouvintes, sem perder aquilo que nós temos. Hoje, a rádio tem bons índices de audiência”, explicou Dom Devair. 
“É claro que aqui nos deparamos com algumas limitações: as pessoas que ouvem rádio na frequência AM são de um grupo talvez reduzido, mas é exatamente por isso que a rádio tem ampliado sua participação nas redes sociais, porque assim alcança mais pessoas”, acrescentou o Bispo.

INTERATIVIDADE
Além do site e do aplicativo “rádio 9 de  Julho” para smartphones (no sistema operacional Android), que permitem ouvir a rádio via internet, a emissora tem potencializado sua interação com os internautas em redes sociais como o Facebook, pelo qual alguns programas são transmitidos ao vivo, além da produção de conteúdos exclusivos para a rede, com informações sobre os bastidores dos programas e interações com os ouvintes. Recentemente, começaram as interações via Instagram, rede de compartilhamento de fotos e vídeos.
A maior interação acontece por meio do WhatsApp exclusivo da rádio, pelo qual os ouvintes mandam mensagens e participam da programação, pelo número (11) 3932-1600. Esses canais digitais também ampliam a interação com os amigos evangelizadores, que colaboram financeiramente com a manutenção dos meios de comunicação da Arquidiocese de São Paulo.

Comente

Expo-missionária: ‘Batizados e enviados’

Por
22 de outubro de 2019

Segue até o dia 31, a Expo-missionária 2019 na Catedral da Sé. Em exposição desde o dia 1º, a amostra tem o mesmo tema do Mês Missionário Extraordinário, convocado pelo Papa Francisco: “Batizados e enviados”.

Padre Pedro Facci, que é Superior Regional do Pontifício Instituto das Missões Exteriores (PIME), contou ao O SÃO PAULO que o evento vem do desejo do Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, em apresentar as iniciativas missionárias da Igreja em São Paulo.

A amostra reúne fotografias, objetos e subsídios de diferentes institutos missionários e está em exposição na Catedral da Sé, pois segundo o Padre Pedro, o local é o coração da Arquidiocese.

O Sacerdote rememorou, ainda, que o maior desafio do PIME é a evangelização e presença da Igreja no Amazonas e no Amapá. Há, também, um extenso trabalho na África e na Ásia, pois neste continente há o maior número de não cristãos no mundo.

Por fim, o Sacerdote relembrou que no sábado, 19, na Catedral de Crema, norte da Itália, houve a beatificação do Padre Alfredo Cremonesi, exemplo moderno de atividade missionária, um testemunho oportuno de fé neste Mês Missionário Extraordinário.

Comente

Região prepara agentes para o ‘Mês Missionário Extraordinário’

Por
20 de setembro de 2019

Na manhã do sábado, 14, na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, aconteceu um encontro de formação, com a participação de mais de 180 pessoas que farão visitas no mês de outubro, por ocasião do ‘Mês Missionário Extraordinário’.

O encontro contou com momentos de sensibilização, motivação e orientação concreta para a realização das visitas missionárias nas áreas de abrangência das paróquias do Setor Tatuapé: Cristo Rei, São José do Maranhão, São Judas, Santo Antônio de Lisboa, Nossa Senhora do Bom Parto e Nossa Senhora da Conceição.

A formação foi assessorada pelo Cônego Marcelo Álvares Matias Monge, Coordenador do Setor Tatuapé; pelo Padre José Mário Ribeiro, Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição; pelo Padre Mauri Sebastião Rodrigues, SMM; por Luís Clovis Vieira, da Paróquia Santa Rosa de Lima, da Região Episcopal Brasilândia; e pelas psicólogas Mônica Resende e Thaís Vega.

Comente

CNBB e POM realizam eventos que marcam o mês e a campanha missionária 2019

Por
13 de setembro de 2019

No próximo dia 17, às 16h30, no contexto de realização da reunião do Conselho Episcopal Pastoral (Consep) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), serão lançados o Mês Missionário Extraordinário, a ser celebrado pela Igreja em outubro, a Campanha Missionária 2019 e a exposição “Rostos da Missão”, organizados pelas Pontifícias Obras Missionárias (POM) e a CNBB. Na sequência, às 17h30, será realizada uma coletiva com jornalistas na Sala de Imprensa da CNBB para apresentar essas iniciativas.

“Enquanto o mundo constrói muros, a Igreja no Brasil e no mundo se esforça para construir pontes que interligam realidades diferentes em ações solidárias”, reforça o bispo auxiliar do Rio de Janeiro e secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella.

O Mês Missionário Extraordinário, convocado pelo papa Francisco, em outubro de 2017, tem o tema “Batizados e enviados: A Igreja de Cristo em missão no mundo”. O mês missionário quer despertar a consciência da missão ad gentes, além fronteiras.

Realizada no Brasil desde 1972, no mês de outubro, a Campanha Missionária ganhou este ano um maior impulso eclesial com a feliz coincidência do Mês Missionário Extraordinário e do Sínodo para a Amazônia.

A Exposição “Rostos da Missão: Batizados e enviados” deseja dar maior visibilidade aos projetos missionários ad gentes e ao projeto Igrejas Irmãs da Igreja no Brasil. A exposição será organizada em três espaços da CNBB, apresentando imagens de diferentes contextos da missão, audiovisuais com testemunhos e fotografias com rostos de missionários e missionárias brasileiros que atuam nos cinco continentes.

A exposição ficará aberta à visitação de 17 de setembro a 31 de outubro de 2019, das 9h às 16h, na sede da CNBB em Brasília (Setor de Embaixadas Sul 801 – Asa Sul – Brasília/DF). A visitação será feita por meio de agendamento pelo e-mail imprensa@pom.org.br.

História e contexto – Em 22 de outubro de 2017, Dia Mundial das Missões, o Papa Francisco durante o ângelus anunciava publicamente para toda Igreja sua intenção de proclamar um Mês Missionário Extraordinário (MME) em outubro de 2019, para celebrar o centenário da carta Apostólica Maximum Illud, de seu predecessor o Papa Bento XV. “Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo” é o tema do MME. Despertar em medida maior a consciência da missão ad gentes e retomar com novo impulso a transformação missionária da vida e da pastoral é o objetivo deste mês.

A ação está em sintonia com a exortação apostólica Evangelii Gaudium: “A ação missionária é o paradigma de toda obra da Igreja” (EG, 15). Deste modo, a Campanha Missionária 2019 foi enriquecida com a convocação do Papa Francisco.

A Campanha Missionária no Brasil, realizada desde 1972, produz materiais de animação missionária para todas Igrejas Particulares do Brasil, tais como: novena missionária, cartazes, santinhos com oração missionária, envelopes e vídeos com testemunhos missionários.

Informações:
Lançamento do Mês Missionário Extraordinário, Campanha Missionária 2019 e exposição “Rostos da Missão: Batizados e enviados”
Abertura: 17 de setembro, às 16h30
Período de exposição: 17 de setembro à 31 de outubro de 2019
Horário: 9h às 16h
Local: Sede da CNBB em Brasília (Setor de Embaixadas Sul 801 – Asa Sul – Brasília/DF)
Visitação feita através de agendamento pelo e-mail imprensa@pom.org.br

Comente

Conselho Missionário do Regional Sul 1 realiza encontro estadual

Por
04 de setembro de 2019

De 30 de agosto a 1º de setembro, aconteceu em Itapetinga (SP), na Casa de Retiro Sagrado Bethânia, o 39º Encontro Estadual Missionário do Conselho Missionário (Comire) Regional Sul 1 da CNBB, com a participação de representantes das dioceses do estado de São Paulo e dos organismos ligados ao Comire.

Com o tema “batizado e enviado” e lema “a Igreja de Cristo em missão no mundo”, em sintonia com o Mês Missionário Extraordinário, Padre Maurício da Silva Jardim, Diretor das Pontifícias Obras Missionárias do Brasil (POM), abordou a temática a partir das inspirações pastorais do pontificado do Papa Francisco, citando como exemplo, o Dia Mundial das Missões, celebrado em 22 de outubro de 2017, quando durante o Ângelus, o Pontífice falou para toda Igreja sobre sua intenção de proclamar um Mês Missionário Extraordinário em outubro deste ano, afim de celebrar o centenário da carta Apostólica Maximum Illud, escrita pelo Papa Emérito Bento XV.

Ao longo dos três dias de encontro, foi refletido sobre a vivência dos missionários do POM sobre as realidades das quais vieram. Um momento marcante foi a apresentação dos resultados da construção de três poços artesianos na Diocese de Pemba, organizada pelo Comire e pela Infância e Adolescência Missionária (IAM), que visa arrecadar fundos para o Projeto Missionário na Diocese de Pemba (Moçambique, na África), que ajudará a construir três poços artesianos para parte da população pobre da região.

Dom José Luiz Bertanha, Bispo Emérito de Registro (SP) e até então Referencial da Animação Missionária no Regional Sul 1, acolheu o novo Bispo Referencial, Dom José Carlos Chacorowshi.

O seminarista Congregação dos Missionários Saletinos, Diego Silva, representou a Infância e Adolescência Missionária da Região Episcopal Santana, e afirmou encerrar esta experiência com “o coração agradecido e inflamado de paixão pela missão”.

Comente

'Vocês certamente alegram o coração de Deus'

Por
17 de agosto de 2019

A comitiva da Regional Sul 1 da CNBB encerrou a visita pastoral na Paróquia do Menino Jesus de Imbhua, com uma missa celebrada na Aldeia de Nanganda, no sábado, 17. 

Na região, vive o povo da etnia Maconde, principal protagonista da revolução que na década de 1970 culminou com a independência de Moçambique, até então colônia de Portugal.

A missa foi presidida pelo Cardeal Scherer, Arcebispo de São Paulo, que foi calorosamente recebido com cantos de boas-vindas. Um coral com cerca de 70 vozes, ao ritmo de uma coreografia solene, piedosa e envolvente, animou a Santa Missa, também essa celebrada à sombra de uma mangueira. Todos os cantos foram em língua nativa Maconde.

Missionários trazem Jesus e a alegria

No inicio da missa, Dom Odilo saudou os líderes da aldeia, os missionários locais e explicou que está fazendo uma visita missionaria a várias missões da Diocese de Pemba. Ele agradeceu à população local a calorosa acolhida que recebeu. Disse que veio para confirmá-los na fé e, também, que a visita é importante para conseguir mais ajudas para as missões.

Foi a primeira vez que a paróquia recebeu a visita de um Cardeal.

Na homilia, Dom Odilo destacou que há muitas gerações, missionários vieram a para a África, de longe, da Europa, e trouxeram para cá Jesus e a semente do Evangelho.

“O Evangelho narra a visita de Maria a sua prima Isabel. Foi uma visita missionária, pois Maria levou consigo Jesus e, com Ele, a alegria. Assim também fizeram os missionários na África, e assim continuam a fazer os nossos missionários brasileiros que hoje estão no vosso meio: trazem Jesus e, com Ele, a alegria”, disse o Cardeal.

“Jesus é a nossa vida. Vida eterna, que nunca acaba. Essa certeza é o que motiva a Igreja a enviar missionários para todo o mundo”, prosseguiu.

“Hoje, a África não apenas recebe missionários, mas também os envia. Se nos tempos passados o continente europeu enviou missionário para todas as partes do mundo, hoje é ela que os recebe, provenientes tanto da África quanto da América. O mundo precisa de missionários africanos”, concluiu.

Expressão de generosidade

No ofertório, os fiéis trouxeram os frutos da terra e do seu trabalho: cocos, mandioca, milho, feijão, aves e legumes. Não foram ofertas simbólicas, mas expressão da generosidade de um povo que, mesmo sendo pobre, expressa, dessa forma, a sua gratidão a Deus e aos missionários. Um povo que não aceita comparecer diante de Deus de mãos vazias.

Ao fim do ofertório, o Cardeal Scherer agradeceu e abençoou os ofertantes: “Obrigado pelas vossas ofertas. Foi um gesto muito bonito! Que Deus abençoe a vossa terra, os vossos campos. Que tenhais boas colheitas para que nunca vos falte o alimento”.

Cerca de 500 pessoas participaram da celebração eucarística, incluindo representantes das comunidades muçulmana e evangélica.

Ao final da missa, Dom Odilo agradeceu à piedade, as belas músicas e danças da missa em honra a Deus. “Vou contar em São Paulo como vocês rezam bem na missa. Vocês certamente alegram o coração de Deus e o coração de Nossa Senhora”.

(Com informações do Padre Michelino Roberto)

Comente

Cardeal Odilo Scherer: ‘Vocês são os templos vivos de Deus’

Por
16 de agosto de 2019

No quarto dia de visita pastoral à Diocese de Pemba, em Moçambique, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, inaugurou duas obras sociais: os projetos Santa Clara e São Francisco de Assis. Também abençoou a construção da futura igreja paroquial, em Nangade, nas proximidades da fronteira com a Tanzânia.

Os projetos estão sendo instalados pelos missionários brasileiros da Fraternidade O Caminho, na Missão São Miguel Arcanjo.

TEMPLOS VIVOS

Em pouco mais de um ano de presença e com a ajuda das dioceses do Regional Sul 1 da CNBB (Estado de São Paulo), os missionários liderados pela Irmã Hadasse, 43, e o Frei Boaventura dos Pobres de Jesus, 35, já criaram uma escola de educação infantil (projeto Santa Clara), um centro de nutrição (Projeto São Francisco), e já ergueram as paredes de uma igreja que será a futura paróquia.

“Estas são as paredes do templo paroquial que vocês estão construindo. Elas são as paredes, vocês são a Igreja de Cristo. Vocês são os templos vivos de Deus”, disse o Cardeal, no momento da bênção da igreja em construção.

Em entrevista ao O SÃO PAULO, Irmã Hadasse contou que a ideia de criar um centro de nutrição veio do desejo de salvar da morte crianças em grave situação de desnutrição. Assim, fizeram um convênio com um posto hospitalar local.

“Muitas das crianças que atendemos são soropositivas, o que agrava muito a situação. A pobreza é grande, mas a esperança deste povo é maior”, afirmou a religiosa.

TESTEMUNHO DA FÉ NAS ADVERSIDADES

Antes de chegar em Nangade, Dom Odilo visitou a Missão de Macumia, local fortemente afetado pelo ciclone que em março fez grandes estragos em Moçambique.

A Igreja local – São João Bosco – que completa 60 anos em 2019, foi parcialmente destruída e completamente destelhada.

Na Missão de Macuia atua um pequeno grupo de religiosas da Congregação das Carmelitas Teresas de São José e  três religiosos da Congregação dos Padres Cavanis. Além da Igreja, há um centro social e uma escola secundária.

A região é também uma das que recentemente sofreram com ataques realizados por grupo terrorista desconhecido, que na semana passada invadiu e queimou todas as casas e celeiros de uma aldeia próxima da missão. Os moradores conseguiram fugir e não houve mortos.

(Com informações do Padre Michelino Roberto)

Comente

Cardeal Scherer faz visita pastoral a missões apoiadas pelo Regional Sul 1

Por
18 de agosto de 2019

No prosseguimento da visita pastoral às missões apoiadas pela Regional Sul 1 da CNBB em Moçambique, no continente africano, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, esteve nesta quinta-feira, 15, na Missão de Mazeze, distante 200km da cidade de Pemba.

No caminho, membros das comunidades católicas das Aldeias de Muamula, Moege e Milapande, todas localizadas no município de Chiuri, esperavam à beira da estrada para dar boas-vindas a Dom Odilo e aos brasileiros que o acompanham nessa visita.

A MISSÃO

A Missão de Mazeze leva o nome do posto administrativo onde está localizada. Foi instalada no bairro de Mirepane, no município de Chiuri, tendo sido iniciada em 2017, quando Dom Luís Fernando Lisboa criou no local a Área Pastoral Nossa Senhora da África.

Ainda não foi construído um templo para reunir fiéis, mas possui uma comunidade católica grande, piedosa e bastante atuante, o que compensa de longe a precariedade física.

ATUAÇÃO PASTORAL

A implantação de pastorais é recente e está acontecendo gradualmente, graças ao trabalho e a oração do Padre Salvador Brito, sacerdote da Diocese de Guarulhos. Ele está há dois anos em missão na Diocese de Pemba.

Enquanto a Igreja não é construída, o Padre celebra a Santa Missa na varanda de uma pequena construção feita de barro, madeira e capim, com o povo reunido e sentado a sombra de uma grande mangueira. E foi lá, sob a sombra da mangueira, que o Cardeal Scherer, emocionado, presidiu a missa da Solenidade de Nossa Senhora da Assunção.

Aproximadamente 300 famílias vivem ao entorno da Missão de Mazeze, metade das quais são muçulmanos. Já a Área Pastoral Nossa Senhora da África engloba outras 25 aldeias.

(Com informações do Padre Michelino Roberto)

Comente

Cardeal Scherer realiza visita missionária em Pemba, Moçambique

Por
18 de agosto de 2019

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, realiza até 21 de agosto uma visita missionária à Diocese de Pemba, em Moçambique, no continente africano, como representante da presidência do Regional Sul 1 da CNBB.

O objetivo da visita é acompanhar de perto as missões mantidas pela CNBB na região, além de motivar os missionários brasileiros.

A Regional Sul 1 da CNBB mantém três projetos missionários na Diocese de Pemba. Ao todo, 12 brasileiros entre padres, religiosos(as) e leigos(as) participam do projeto batizado Missão Africa-Pemba, nas aldeias de Nangade, Mazeze e Metoro.

A Diocese de Pemba tem como bispo Dom Luís Fernando Lisboa, brasileiro radicado em Moçambique há 17 anos, seis como bispo. Possui 2,1 milhão de habitantes, 22 paróquias, cada qual com dezenas de capelas e comunidades espalhadas em aldeias.

Dom Luís Fernando, em entrevista ao O SÃO PAULO, conta que a Igreja Católica em Moçambique desempenha um papel fundamental no desenvolvimento da população. Segundo o Bispo, milhares de pessoas nunca pisaram em uma escola. O sistema público de ensino é bastante precário, chegando a ter até cem alunos em uma única sala de aula.

“Nas pequenas aldeias, é oferecido somente o primeiro estágio do ensino fundamental. Nas aldeias médias, o ensino vai ate o segundo estágio, e somente nas grandes cidades há o ensino médio. Cerca de 40 % da população é analfabeta. Grande parte da rede de ensino disponível é mantida pela Igreja Católica, com subsídios do Estado”, explicou o Bispo.

Missão de São Jose

Em seu segundo dia de visita, na terça-feira, 13, Dom Odilo conheceu a Missão de São Jose. Fundada em 1934 por missionários Monfortinos e localizada no município-distrito de Montepuez,  a missão comporta o Santuário Nossa Senhora de Fatima, centro de peregrinação e sede da paróquia local; o Seminário Propedêutico São Paulo Apóstolo e a Escola Comunitária Secundaria Dom Bosco, uma das poucas em Moçambique a oferecer o ensino médio. Atualmente, a escola atende cerca de 400 jovens com até 25 anos.

Com 220 mil habitantes, Montepuez é a segunda maior cidade de Pemba.

Na chegada, Dom Odilo e a equipe que o acompanha foram recebidos pelos seminaristas com um canto de boas -vindas. Após conhecer todo o complexo da missão, o Cardeal presidiu a Santa Missa, cantada pelos seminaristas em Makua, um dos mais de 30 idiomas nativos falado em Moçambique.

Em sua homilia, o Cardeal Scherer, falando dos mártires São Ponciano, Papa; e Santo Hipólito, Presbítero, cuja memoria foi celebrada, recordou a todos que a Igreja Católica, ao longo dos séculos, sofreu e tem sofrido diversas perseguições, incluindo o martírio de Papas, mas nem por isso acabou. “A Igreja pertence a Jesus Cristo”, recordou.

Pemba tem sofrido violentos ataques nos últimos meses. Um grupo de homens invadiu quatro aldeias durante a noite, matando seus moradores e incendiando as suas casas. Nenhum grupo reclamou a autoria.

“Estamos diante de um inimigo invisível”, afirmou Dom Luís Fernando à reportagem. O Bispo não acredita que os ataques tenham motivação religiosa, mas sim, econômica. Suspeita que visam afastar a população local da região, rica em gases e derivados de petróleo.  

A missa foi concelebrada por Dom Luís Fernando, pelo Padre Dinis, Reitor do Seminário Propedêutico, pelos sacerdotes brasileiros em missão na região e pelo Diretor do Jornal O SÃO PAULO, Padre Michelino Roberto, que acompanha Dom Odilo nessa visita missionaria. Participaram ainda o Diácono Marco Domingues, Secretario Administrativo da Regional Sul 1; jornalistas da TV Canção Nova, além de um grupo de leigos que fazem parte da missão.

CLIQUE E VEJA AS FOTOS DA VISITA DE DOM ODILO À MISSÃO SÃO JOSÉ

Comente

Páginas

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.