‘Evangelizar partindo de Cristo’

Por
06 de dezembro de 2018

Neste tempo do Advento, a Igreja no Brasil realiza tradicionalmente a Campanha para a Evangelização, por meio da qual todos os católicos, como discípulos-missionários de Cristo, nas diferentes dioceses, são chamados ao compromisso evangelizador e à corresponsabilidade pela sustentação das atividades pastorais no Brasil.

“A Campanha para a Evangelização tem como objetivo favorecer a vivência do tempo litúrgico do Advento e mobilizar todos para uma Coleta Nacional que ofereça recursos a serem aplicados na sustentação do trabalho missionário no Brasil. Tal iniciativa considera a ajuda para dioceses de regiões mais desassistidas e necessitadas”, aponta o texto que motiva a campanha deste ano.

Inspirada em iniciativas da Igreja Católica na Europa, em especial na Alemanha, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) aprovou na 35ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, em 1997, a realização da campanha, que aconteceu pela primeira vez no Advento de 1998, ressaltando a missão permanente da Igreja de evangelizar. Este ano, começou em 25 de novembro, na Solenidade de Cristo, Rei do Universo, e será concluída no 3º Domingo do Advento, no próximo dia 16. 

 

'EVANGELIZAR PARTINDO DE CRISTO'

Esse é o lema da Campanha para a Evangelização deste ano, que está em sintonia com a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, do Papa Francisco, sobre o chamado à santidade no mundo atual.

De acordo com o subsídio da campanha, “a santidade e a evangelização caminham juntas, pois todo projeto evangelizador nasce do encontro pessoal com Jesus de Nazaré, no qual descobrimos sua predileção pelo ser humano, buscando-o e alcançando-o com sua misericórdia”.

No texto aponta-se, ainda, que o “ponto de partida de todos os projetos de evangelização deve ser a pessoa de Jesus. O evangelizador vive da graça de Jesus e, à medida que se doa à Igreja e à sociedade, santifica-se”. 

 

GESTO CONCRETO

No encerramento da Campanha, no próximo dia 16, em todas as comunidades católicas, haverá a Coleta para a Ação Evangelizadora no Brasil, que pretende apoiar as inúmeras iniciativas da Igreja no Brasil no serviço da evangelização, em especial em regiões mais carentes, na dinamização das pastorais, na luta pela justiça social, nas experiências missionárias das Igrejas irmãs e na missão ad gentes

“Com essa preciosa ajuda das nossas comunidades e das nossas famílias, nós poderemos ajudar em diversos projetos de evangelização nas dioceses que mais necessitam, e também ajudamos as comissões pastorais da CNBB para que levem até nossas comunidades e dioceses as orientações do Santo Padre, os documentos da Igreja, para que sejamos todos, assim, uma Igreja muito mais missionária, ativa e presente”, afirmou Dom Leonardo Steiner, Secretário-Geral da CNBB, por ocasião da Campanha de 2017.

 

O QUE SE FAZ COM O VALOR ARRECADO?

Os recursos arrecadados com a campanha são partilhados solidariamente na seguinte proporção: 45% ficam com as arquidioceses, dioceses e prelazias; 20% são repassados aos 18 regionais da CNBB, e o restante, 35%, é enviado ao secretariado-geral da CNBB para compor o Fundo Nacional de Evangelização, administrado pelo Conselho Econômico da CNBB. 

Desse modo, ao participar da Coleta para a Ação Evangelizadora no Brasil no próximo dia 16, o católico ajudará a manter ou ampliar projetos de evangelização em sua própria diocese, no regional e na Igreja em âmbito nacional.. 

“Os recursos da Campanha para a Evangelização são destinados às comunidades mais necessitadas, como, por exemplo, as da Amazônia. Eles chegam às paróquias e entidades com o intuito de otimizar o acesso dos agentes de pastorais às comunidades, cuidando, ainda, da promoção social, que sempre anda de mãos dadas com a mensagem de Jesus”, explicou Dom Gregório Paixão, Bispo de Petrópolis (RJ) e Presidente da Comissão Episcopal da Campanha para a Evangelização, ao falar sobre a campanha no ano passado. 

Ainda de acordo com Dom Gregório, é indispensável que se mantenham as ações de evangelização, o que é uma tradição desde os primórdios da Igreja: “Repetimos, então, o que fizeram as comunidades primitivas, possibilitando que a mensagem do Evangelho chegue a todos os que necessitam da Palavra que salva e da presença que acolhe”. 

As verbas arrecadadas com a Campanha da Evangelização também são fundamentais para a manutenção das ações das pastorais sociais, como as da Criança, do Menor, do Idoso, da Mulher, da Saúde, da Moradia, da Pessoa com Deficiência, da Sobriedade, Carcerária, do Mundo do Trabalho, Fé e Política, dos Pescadores, dos Migrantes, da Terra, dos Nômades e da Ecologia.

“A Igreja no Brasil, mais uma vez, faz um forte apelo para que nossas comunidades locais se motivem na comunhão e na participação para que, por meio dessa partilha, muitas iniciativas de evangelização sejam fortalecidas”, afirma o subsídio da Campanha.
 

LEIA TAMBÉM: Presidência da CNBB visita o Papa Francisco no Vaticano

 

Comente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.