IBGE estrutura ações para Censo Demográfico 2020

Por
08 de novembro de 2019

Qual é o tamanho da população brasileira? Em quais condições vive? Como se distribui no território nacional? Qual é o nível de escolaridade das crianças e jovens? Quais as condições de emprego e renda da população? Estas e muitas outras perguntas serão respondidas pelo Censo Demográfico que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realizará entre 1º de agosto e 30 de outubro de 2020.
Criado em 1936, o IBGE é o principal provedor de dados e informações do País, que atendem às necessidades dos mais diversos segmentos da sociedade civil e dos órgãos federais, estaduais e municipais. Para ter capilaridade por todo o Brasil, o instituto, vinculado ao Ministério da Economia, organiza-se em uma rede nacional de pesquisa e disseminação.
“Todos os dados do IBGE são públicos, garantindo o sigilo da informação. Evidentemente, não podemos divulgar dados pessoais ou de residências. Todos os outros números são públicos e estão no site do IBGE (ibge.gov.br). Qualquer cidadão que precise de algum dado mais específico, o IBGE colhe essa informação na base e a disponibiliza”, disse, ao O SÃO PAULO, Eric Daniele, coordenador administrativo do Censo 2020 em São Paulo.  

DADOS INDISPENSÁVEIS
Conhecer em detalhes sobre como vive o povo brasileiro é o principal objetivo do Censo Demográfico. Os resultados obtidos permitirão traçar um retrato abrangente e fiel do País, e tais informações são fundamentais para o desenvolvimento e implementação de políticas públicas e para a realização de investimentos, tanto governamentais quanto da iniciativa privada. 
“Hoje, quando um município precisa, por exemplo, realizar um levantamento da quantidade de vacinas que terá que comprar para vacinar todas as crianças de 0 a 3 anos, ele realiza a consulta dos dados do Censo 2010, faz uma projeção demográfica e consegue realizar o levantamento de quantas crianças há neste distrito e quantas precisam ser vacinadas”, explicou o representante do IBGE. 
O Censo 2020 será a maior operação de recenseamento já organizada no País. Estima-se que apenas no estado de São Paulo 14 milhões de endereços sejam visitados. Desde 21 de setembro, o IBGE está fazendo o Censo Experimental no município de Poços de Caldas (MG), para testar os recenseadores, questionários, equipamentos e toda estrutura em geral a ser aplicada no recenseamento do ano que vem.

PARTICIPAÇÃO DE TODOS
“Já estamos preparando uma campanha de conscientização e divulgação, porque é muito importante que as pessoas respondam a verdade, pois esta é uma pesquisa autodeclaratória. Portanto, temos que fazer esse trabalho de conscientização, tanto para a pessoa responder quanto para que responda corretamente, pois muitas das políticas públicas e privadas do País e de um distrito estão baseadas nessas informações”, disse Thiago Teles Brandão Ferreira, coordenador técnico do Censo 2020 em São Paulo.
A fase de coleta do Censo 2020 compreende a aplicação dos questionários básico e de amostra. O básico será aplicado em cerca de 71 milhões de domicílios brasileiros, em todos os 5.570 municípios, e contará com 26 questões. Já o da amostra será respondido em cerca de 10% dos domicílios particulares permanentes do País. Trata-se de um questionário mais detalhado com 76 questões.
“O Censo não é uma pesquisa que somente o IBGE constrói. O instituto é o executor único, mas as variáveis de quais perguntas serão feitas e como serão, isso se decide em comum acordo com outras instituições públicas e privadas do terceiro setor, demais interessados e acadêmicos. O IBGE promove audiências públicas e vai incorporando demandas da sociedade e fazendo testes para chegar até o questionário mais executável”, esclareceu Eric Daniele. 
Todos os recenseadores estarão identificados com um colete e um crachá, no qual haverá um QR-Code, para que o entrevistado, caso queira, possa verificar se a pessoa efetivamente está a serviço do IBGE. Também será possível conferir a autenticidade do recenseador por meio do site do IBGE ou pelo serviço telefônico de 0800. 

EM SITUAÇÃO DE RUA
Uma das pautas mais discutidas na consulta pública realizada pelo IBGE foi a demanda de que haja o recenseamento das pessoas em situação de rua no País. No entanto, ainda não há a certeza de que o Censo 2020 contemple este pedido da sociedade. 
“A metodologia do Censo é domiciliar. No caso da população em situação de rua, existem os que estão em barracos e, para o IBGE, essa habitação é considerada um domicílio, por mais precária que seja. Por outro lado, também existem as pessoas que vivem nas ruas e migram de local constantemente, assim não é possível territorializar a informação, pois se trata de uma população flutuante. A qualidade do Censo depende do não omitir ou duplicar as informações, e o risco disto acontecer neste caso é grande”, explicou Eric. 

NÚMERO DE CATÓLICOS 
Dados do Censo 2010 indicam que 64,6% da população do Brasil – 123,3 milhões de habitantes – se declara católica. O perfil religioso dos brasileiros será um dos dados a ser coletado pelo próximo Censo, e há atenção da Igreja para que se afira a quantidade precisa de católicos apostólicos romanos. 
“O Censo é uma pesquisa muito grande, o País também, assim, existe um desafio metodológico, pois há diferenças no linguajar das regiões. Por exemplo, se um entrevistado se declara católico carismático, isso é o que ele entende do ser católico. Nós temos que deixar o questionário bem amplo, para depois trabalhar essa variável, a fim de publicarmos realmente o número de católicos total e não o católico carismático separadamente”, detalhou o coordenador administrativo do Censo 2020. 
O uso da tecnologia trará grande velocidade no acesso às informações coletadas. Os resultados serão divulgados entre os anos de 2020 e 2023, em diferentes mídias e múltiplos formatos que buscam atender às demandas dos variados segmentos.


(Com informações de IBGE) 
(Colaborou: Daniel Gomes)

Comente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.