Tem início a primeira orquestra de câmara do Brasil especializada em acompanhamento de música coral

Por
03 de julho de 2019

                                                                                                                                                    

Um concerto musical realizado no Coro da Catedral da Sé, em 27 de junho, marcou o lançamento do projeto Camerata Sé, a primeira orquestra de câmara do Brasil especializada em acompanhamento de música coral. Na ocasião, foram executadas a “Missa em Dó Maior”, Op. 86, e a “Sinfonia em Dó Maior” Op. 210, do compositor alemão Ludwig van Beethoven, com direção artística do Maestro Martinho Lutero Galati, idealizador do projeto.


O lançamento marcou os dez anos de fundação do Instituto Vladimir Herzog e aconteceu no âmbito das comemorações de 50 anos de atividades ininterruptas da Rede Cultural Coro Luther King, que recebeu, em 2012, o Prêmio APCA de melhor coro da cidade de São Paulo.


Patrocinado pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e com o apoio da Catedral da Sé, o projeto tem por finalidade promover a cultura e a fé no coração da cidade de São Paulo.


Estiveram presentes o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo; o Padre Luiz Eduardo Baronto, Cura da Catedral da Sé; e o Padre Helmo Cesar Faccioli, Auxiliar do Cura da Catedral, além de autoridades civis.  

FÉ E CULTURA 
A Camerata Sé e o Coro Luther King realizaram apresentações gratuitas e abertas ao público no Centro Cultural São Paulo, na sexta-feira, 28 de junho, e na Catedral da Sé, no domingo, 30 de junho, ambas com a participação da soprano Indhyra Gonfio, da mezzosoprano Cecília Massa, do tenor Jean William e do barítono Jonas Mendes.


Até 2020, acontecerá uma média de duas apresentações por mês, sendo uma na própria Catedral da Sé e outra em locais próximos e onde exista a possibilidade de agregação de pessoas e de difusão da música. Serão concertos com músicas de diferentes autores e estilos e, principalmente, do grande repertório sacro e do repertório de música coral sinfônica, bem como de músicas somente instrumentais.  


Em entrevista ao O SÃO PAULO, publicada em 26 de junho, o Maestro falou sobre o projeto e a relevância do canto coral para a sociedade brasileira: “A música coral, sacra e cristã é importantíssima para a história da nossa música ocidental, porque não é somente a música litúrgica que tem grande importância na História. A música sacra em si, aquela que não é litúrgica, que não é especificamente para ser tocada na missa, também é de uma riqueza muito grande. Não existe atividade coral em qualquer lugar do mundo que não passe pela música sacra ocidental”.


É possível acompanhar a programação da Camerata Sé em facebook.com/cameratase ou instagram/cameratase

Comente

‘O canto coral leva diretamente a um pensamento e práticas menos egoístas’

Por
27 de junho de 2019

Nas próximas semanas, quem for à Catedral da Sé às quartas e sextas-feiras, pela manhã, poderá “meditar e ouvir boa música durante os ensaios da Camerata Sé”. Quem garante é o Maestro Martinho Lutero Galati, diretor artístico desta que será a primeira orquestra de câmara do Brasil especializada em acompanhamento de música coral, voltada à execução de grandes obras da literatura musical brasileira e mundial.


As primeiras apresentações da Camerata Sé acontecerão na sexta-feira, 28, às 19h30, no Centro Cultural São Paulo (rua Vergueiro, 1.000, no Paraíso), e no domingo, 30, às 14h, na Catedral da Sé, com duas obras do compositor alemão Ludwig van Beethoven (1770-1827): “Missa em Dó Maior OP.86” e “Sinfonia em Dó Maior nº1 OP. 210” (leia detalhes no cartaz abaixo). 


Apoiada pela Lei Rouanet, de incentivo à cultura, e com aporte financeiro da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), a Camerata Sé é organizada pela Rede Cultura Luther King, criada e dirigida pelo Maestro Martinho Lutero desde 1970. O Coro Luther King recebeu, em 2012, o Prêmio APCA de melhor coro da cidade de São Paulo.


Nascido em Governador Valadares (MG), o Maestro é professor no Istituto di Musicologia di Milano; diretor do Fórum Coral Mundial e do Forum Corale Europeo. Foi, ainda, diretor artístico do Coral Paulistano do Theatro Municipal de São Paulo, de 2013 a 2016. Em entrevista à rádio 9 de Julho, ele detalhou que o principal objetivo da Camerata Sé é o de ser uma orquestra especializada em acompanhar corais. A seguir, leia a íntegra da entrevista. 

O SÃO PAULO - O que é uma camerata?
Maestro Martinho Lutero Galati – Camerata é um grupo instrumental que é voltado, geralmente, à música dedicada a instrumento de corda e a alguns instrumentos de sopro, ou seja, é uma espécie de miniorquestra sinfônica. A nossa é um pouquinho mais que uma camerata. Usando uma terminologia musical, é uma sinfonieta, mas a batizamos de camerata porque também vai se apresentar em modalidades menores. É uma orquestra com número aproximado entre 15 e 40 pessoas, dependendo do repertório e do tipo de música.

Qual a proposta do projeto Camerata Sé?
A nossa Camerata, que nasce em colaboração com a Catedral Metropolitana de São Paulo, tendo como sede a própria Catedral, é um projeto com diversos objetivos. O principal deles é ser uma orquestra especializada em acompanhar corais, ou seja a música vocal. Acompanhar a música cantada é uma tarefa difícil para os músicos. No Brasil, infelizmente, não existe orquestra especializada nesse acompanhamento, principalmente da música coral, que é uma música muito rica e que exige do músico muita atenção para os tempos, para as interpretações, porque deve seguir o coro. Essa orquestra fará também música sozinha, ou seja, música instrumental, porém terá esta característica: a especialidade de acompanhar a música coral. Outra coisa simpática é que ela tem suas sedes e ensaios na própria Catedral da Sé, o que leva para o coração da cidade de São Paulo uma atividade humanística e que eleva a concentração e o Espírito de quem frequenta o templo nos dias e horários do ensaio: todas as quartas e sextas-feiras, das 9h às 12h. Todos estão convidados a ir à Catedral para meditar e ouvir boa música durante os ensaios.  

Qual é a programação inicial da Camerata Sé?
Há a programação de praticamente dois concertos por mês, sendo um na própria Catedral e outro fora, em locais próximos dela e onde exista a possibilidade de agregação de pessoas e de difusão da nossa música. Serão concertos com músicas de todo tipo, principalmente o grande repertório sacro, repertório de música coral sinfônica, mas também de música somente instrumental. A Camerata tem uma variação grande no número de músicos, conforme o repertório que for apresentado. 

Qual a relevância do canto coral em uma sociedade como a brasileira, que tem a maioria da população de católicos?
A música coral, sacra cristã, é importantíssima para a história da nossa música ocidental, mas não só, porque não é somente a música litúrgica que tem grande importância na história. A música sacra em si, aquela que não é litúrgica, que não é especificamente de dentro da missa, da música que trata de assuntos sacros, também é de uma riqueza muito grande. Não existe atividade coral em qualquer lugar do mundo que não passe pela música sacra ocidental. Por isso, visitar, frequentar, cantar e estudar a música sacra é fundamental para todos aqueles que fazem música coral. 

O canto coral é uma oportunidade de aproximar as pessoas em uma sociedade tão diversa como a que vivemos?
A atividade coral é, por si só, uma atividade de agregação, de ensino e realização em conjunto. Quando uma pessoa canta em coro, ela aprende a importância do seu ser dentro da sociedade, dentro de um grupo, pois é uma atividade que leva diretamente a um pensamento e práticas menos egoístas. A pessoa sente que, unida a outras, pode ser maior que sozinha. Isso acontece sob o ponto de vista musical e, automaticamente, lhe dá a coragem e a certeza de que isso pode acontecer em outras situações sociais. É uma atividade muito interessante, muito saudável. 

As opiniões expressas na seção “Com a Palavra” são de responsabilidade do entrevistado e não refletem, necessariamente, os posicionamentos editoriais do jornal O SÃO PAULO.

Comente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.