Ato em defesa do SUS reúne Pastoral da Saúde e profissionais da área

Por
12 de abril de 2019

Em comemoração ao Dia Mundial da Saúde, celebrado em 7 de abril, um ato em defesa da melhoria do atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) aconteceu na quinta-feira, 4, em frente à Catedral da Sé, organizado pela Frente Democrática em defesa do SUS, movimento que reúne diversas associações, conselhos e organizações ligados à área da saúde.

Segundo José Gimenez, coordenador da Pastoral da Saúde da Arquidiocese de São Paulo e do Regional Sul 1 da CNBB, os principais objetivos do ato foram o posicionamento contrário à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 95 e a luta por uma saúde pública de qualidade nos próximos anos.

“A Pastoral da Saúde atua de forma incisiva sobre as políticas públicas de saúde. A Pastoral é dividida em três eixos, que é fazer visitas aos enfermos, a defesa da saúde e, principalmente, trabalhar nas políticas institucionais, no caso a defesa do SUS”, enfatizou Gimenez.

A PEC 95 instituiu um teto dos gastos públicos em saúde por 20 anos. Até o ano de 2037, o governo não poderá gastar mais do que o equivalente ao índice de inflação do ano anterior, medido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Padre João Mildner, Assessor Eclesiástico Arquidiocesano da Pastoral da Saúde, afirmou que o SUS é uma conquista da população e um dever do Estado: “O que nós queremos é que volte a existir um Sistema Único de Saúde de qualidade. E o principal objetivo da Pastoral é termos presença de Igreja, que ajudou a construir o SUS por meio da Campanha da Fraternidade. Também objetivamos defender a população que tem direito aos serviços de saúde, como prevê a Constituição”

No fim do ato, em um gesto simbólico, todos se deram as mãos, mostrando a união das pessoas que buscam a melhoria do sistema de saúde pública, ao som dos sinos da Catedral que badalaram ao meio-dia.

 

LEIA TAMBÉM: São Paulo recebe segunda edição da Feira do Livro da Unesp

Comente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.