50 padres da Arquidiocese de São Paulo estão em retiro

Por
11 de junho de 2019

Cinquenta padres do clero da Arquidiocese de São Paulo, atuantes em diferentes regiões episcopais, acompanhados por Dom José Roberto Fortes Palau, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Ipiranga, participam até quinta-feira, 13, de um retiro realizado na Casa das Irmãs de Schoenstatt, em Atibaia (SP).

A pregação do retiro, iniciado na segunda-feira, 10, está sendo feita por Dom Geraldo Lyrio Rocha, Arcebispo Emérito da Mariana (MG), com o tema “A vida e o ministério dos presbíteros à luz do Magistério da Igreja, em períodos de turbulência”.

No primeiro dia da atividade, Dom Geraldo fez menção a textos referentes à ordenação presbiteral, documentos do Concílio Vaticano II e textos do Papa Francisco.

Este retiro é o quinto de seis programados para o clero arquidiocesano, sendo que cada padre é chamado a participar de um deles. O último a ser realizado acontecerá em Campos do Jordão (SP), no mês de julho.

(Com informações do Padre Cilto José Rosembach)

Comente

53º Dia Mundial das Comunicações Sociais será comemorado em evento em SP

Por
14 de mai de 2019

Em 2 de junho, será celebrado o 53º Dia Mundial das Comunicações Sociais, data instituída pelo Concílio Vaticano II (Inter Mirifica, 1963) e celebrada em muitos países no Dia da Ascensão do Senhor.

Neste ano, o tema central da comemoração é “Somos membros uns dos outros: das comunidades de redes sociais à comunidade humana”.

Em sua mensagem para este Dia Mundial das Comunicações Sociais, o Papa Francisco dá ênfase à importância das relações humanas em meio aos tempos virtuais.

A Arquidiocese, em parceria com a Congregação das Irmãs Paulinas, promoverá na quinta-feira, 23 de maio, das 19h30 às 21h30, o encontro “Do like ao encontro”, no Auditório Paulo Apóstolo, na Vila Mariana.

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, e Dom Devair Araújo da Fonseca, Bispo Auxiliar da Arquidiocese e Vigário Episcopal para a Pastoral da Comunicação, refletirão sobre a mensagem de 2019 do Santo Padre. Irmã Helena Corazza, religiosa da Congregação das Filhas de São Paulo e doutora em Comunicação, falará da importância da comunicação nas redes sociais e nas comunidades, movimentos e pastorais.

A cantora Ziza Fernandes, além de ser a atração musical da noite, também fará uma partilha sobre sua experiência de missão nas redes sociais e nas comunidades.

O evento tem o apoio da Pastoral da Comunicação (Pascom), da gravadora Paulinas-COMEP, do Sepac e da revista Família Cristã e contará com a apresentação do Padre Luiz Claudio Braga, Assessor Eclesiástico da Pascom na Arquidiocese de São Paulo.

 O auditório Paulo Apóstolo fica na rua Dona Inácia Uchoa, 62, na Vila Mariana. As inscrições para o evento, que é gratuito, podem ser realizadas pelo telefone (11) 2125-3540 ou pelo e-mail sepac@paulinas.com.br.

Fonte: Assessoria de Imprensa Paulinas

Comente

Arquidiocese de São Paulo realiza Vigília de Pentecostes

Por
31 de mai de 2019

O Vale do Anhangabaú, região central da cidade de São Paulo, será palco da maior Vigília de Pentecostes já realizada pela Arquidiocese de São Paulo. O evento, dias 8 e 9 de junho, irá reunir cristãos de mais de 500 paróquias e de 120 Comunidades, associações e movimentos eclesiais, durante 18 horas ininterruptas de devoção e fé.

Com o tema “Deus habita esta cidade: somos suas testemunhas”, a vigília contará com diversas atrações musicais, dança e a arrecadação de alimentos que serão doados para associações que cuidam de pessoas em situação de vulnerabilidade social. O evento é aberto a toda a população.

À frente da iniciativa está Sua Eminência o Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo. “Durante a Vigília de Pentecostes haverá ricas e variadas iniciativas e expressões de evangelização. Num momento de celebração será invocada a força do Divino Espírito Santo sobre a cidade de São Paulo”, disse Dom Odilo.

A maior vigília de pentecostes da cidade terá início às 18 horas do dia 8 de junho, um sábado, e encerra-se às 12 horas do Domingo de Pentecostes, dia 9, em um momento único que evidenciará a vivacidade da Igreja Católica Apostólica Romana em São Paulo. “Quero convidar a todos para fazermos uma Vigília grandiosa. Os católicos, todos os cristãos, os não católicos, pois o Espírito Santo nos une. Que nós nos encontremos unidos em Cristo”, afirmou Dom Odilo, que celebrará a Santa Missa no domingo às 8h30.

Atrações

Entre as atrações já confirmadas estão os padres João Henrique, Anderson Marçal, Marcos Roberto e Rodrigo Elias. Eles conduzirão momentos de oração, testemunhos, pregação e louvor, entre outros. As atrações musicais ficam por conta de Missionário Shalom, Adriana Arydes, Diego Fernandes, Dunga, Banda Dominus e Eros Biondini. Também participam ao longo das 18 horas de programação os Ministérios Aliança de Misericórdia e Comunidade Eucaristós.

As comunidades estarão presentes na Feira Vocacional que acontece simultaneamente às atrações do palco principal. “Vários grupos ligados ao Movimento Carismático Católico, como a Renovação Carismática Católica e algumas das Novas Comunidades e Movimentos, nossos jovens, todos em uma grande comunhão”, comentou o Arcebispo. 

A Vigília de Pentecostes SP 2019 é uma idealização da Arquidiocese de São Paulo, com realização da Aliança de Misericórdia. O evento conta com apoio da Prefeitura Municipal de São Paulo, através da Secretaria de Cultura. A rádio 9 de Julho (AM 1600 KHz) é a rádio oficial da vigília.

Comente

Monsenhor José Benedito Cardoso será ordenado bispo auxiliar para a Arquidiocese

Por
15 de março de 2019

O Arcebispo Metropolitano de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, presidirá na noite desta sexta-feira, 15, a missa de ordenação episcopal do Monsenhor José Benedito Cardoso, na Catedral Nossa Senhora dos Prazeres, em Itapetininga.

O Monsenhor foi nomeado Bispo Auxiliar da Arquidiocese de São Paulo pelo Papa Francisco, no dia 23 de janeiro.

 

BIOGRAFIA E ATIVIDADES

Natural de Angatuba (SP), cidade localizada na região de Sorocaba, Monsenhor José Benedito Cardoso foi ordenado padre em 1986. No início de sua caminhada sacerdotal, atuou nas Paróquias Bom Jesus, em Lambari (SP), e Nossa Senhora dos Prazeres, em Itapetininga, até assumir como Pároco da Paróquia São Roque, em 1988, onde permaneceu até então.

Além da formação em Filosofia e Teologia, tem mestrado em Direito Canônico pelo Instituto Dr. Pe. Giuseppe Benito Pegoraro (atual Faculdade de Direito Canônico São Paulo Apóstolo), na Capital Paulista.

Em Itapetininga, antes da nomeação ao episcopado, desempenhava as funções de Vigário Geral e Presidente do Tribunal Eclesiástico.

A missa de ordenação será transmitida pela TV Canção Nova, a partir das 19h30. A reportagem completa da nomeação pode ser lida na próxima edição do O SÃO PAULO.

LEIA TAMBÉM

Monsenhor José Benedito será um legítimo sucessor dos apóstolos

 

Comente

Padre Zacarias Carvalho assume como reitor do Santuário Arquidiocesano Nossa Senhora Aparecida

Por
14 de março de 2019

Padre Zacarias José de Carvalho Paiva recebeu, no domingo, 10, a posse canônica como Pároco da Paróquia Nossa Senhora Aparecida e também como Reitor do Santuário no bairro do Ipiranga. A celebração eucarística, com rito de posse canônica, teve início às 10h, presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, tendo entre os concelebrantes Dom José Roberto Fortes Palau e Dom Devair Araújo da Fonseca, Bispos Auxiliares da Arquidiocese de São Paulo.

Anteriormente, Padre Zacarias esteve como Pároco, por 12 anos, na Paróquia São Gabriel da Virgem Dolorosa, na Região Episcopal Santana.

No início da celebração, o Cardeal agradeceu ao Padre Anísio Hilário para os sete anos de dedicação ministerial como Pároco e recordou a importância histórica da igreja, tida como um memorial do Congresso Eucarístico Nacional de 1942.

 

RITO DE POSSE

Na sequência, foram lidos os decretos de nomeação e provisão canônica do Padre Zacarias como Pároco da Paróquia e Reitor do Santuário pelo período de seis anos. Dom Odilo manifestou votos para que Deus ilumine e fortaleça o Padre na nova missão. O Sacerdote fez, publicamente, sua profissão de fé. No momento da aclamação ao Evangelho, Dom Odilo entregou o Evangeliário ao novo Pároco, dizendo que é sua missão proclamar a Palavra

Após a homilia, Padre Zacarias fez a renovação das promessas sacerdotais e o juramento, expressando o comprometimento com a ação pastoral no Santuário e na Paróquia. Logo depois, recebeu das mãos do Cardeal as chaves do sacrário da Capela do Santíssimo, o óleo para o sacramento do Batismo e a estola para administração do sacramento da Penitência.

 

GRATIDÃO E COMPROMISSO

Em mensagem de agradecimento à comunidade paroquial, o novo Pároco e Reitor expressou seu desejo de continuar a obra iniciada pelo Padre Mário Marques e Serra, primeiro Pároco, e recordou que a imagem de Nossa Senhora Aparecida, localizada no centro do altar do templo, fruto do Congresso Eucarístico de 1942, lembra o compromisso de todos como missionários da Eucaristia.

O Sacerdote disse esperar que o Santuário seja “lugar da caridade, onde partilhamos o que temos com aqueles que nada têm. Esta casa deve ser um braço da caridade da Igreja em São Paulo”.

Padre Zacarias ainda exortou que o Santuário ressoe nos meios de comunicação da Arquidiocese e outras mídias católicas. A comunidade, por sua vez, saudou o novo Reitor com uma mensagem na qual ressaltou que a sua nomeação é recebida como um “importante sinal de fé”, pois foi lá que o Padre exerceu seu diaconato e recebeu a ordenação sacerdotal em 2005.

Sobre as expectativas para a missão assumida, Padre Zacarias citou a aplicação do sínodo arquidiocesano de uma maneira mais abrangente, de modo que o Santuário seja “o lugar do encontro da Arquidiocese com Nossa Senhora, e o lugar de efervescência das devoções marianas”. Também falou sobre a continuidade das reformas estruturais do Santuário.

Para atender a comunidade e os inúmeros romeiros que buscam o templo mariano, o Santuário conta com os serviços dos Vigários Paroquiais, Padre Rodrigo Felipe da Silva e Padre Christopher Velasco, e do Diácono Permanente Luís Massonetto.

 

IGREJA HISTÓRICA

Como gesto concreto do Ano Mariano Nacional (2016-2017), que celebrou os 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, a igreja no Ipiranga foi elevada a Santuário Arquidiocesano, em 12 de outubro de 2017, quando festejava 75 anos de fundação, memória que remonta ao Congresso Eucarístico de 1942. Na ocasião, o então Arcebispo de São Paulo, Dom José Gaspar d’Affonseca e Silva, confiou ao Padre Mário Marques e Serra a incumbência de construir uma igreja que acolhesse a primeira imagem peregrina do Congresso: uma réplica da imagem de Nossa Senhora Aparecida.

Além da revitalização da torre e a reestruturação da parte elétrica, no mês passado foi inaugurada a sala dos milagres do Santuário, espaço onde objetos, como cartas e fotografias, são deixados por devotos em agradecimento pelas graças alcançadas.

 

LEIA TAMBÉM: Dom Sergio dá posse ao novo pároco da Paróquia Santa Teresinha

Comente

‘O diaconato é um dom de Deus a sua Igreja que reflete em toda a sociedade’

Por
05 de janeiro de 2019

“Nasci em uma família católica, onde aprendi o valor da religião cristã, as primeiras orações e a cultivar amor e devoção a Virgem Maria com o título de Nossa Senhora da Conceição Aparecida; bem como aos santos, como modelos de seguimento e de fidelidade a Jesus Cristo”.

Assim Hernane Santos Módena, 40 anos, natural de Poços de Caldas (MG), um dos três filhos do casal Herly José Módena (já falecido) e Maria Odete dos Santos recorda o começo de sua trajetória de fé, que culminou com a ordenação diaconal, pela imposição das mãos do Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, em 15 de dezembro, na Catedral da Sé.

PRIMEIROS SACRAMENTOS

Hernane recorda que foi batizado em 1978 na Igreja de São Benedito em sua cidade natal e que fez a Catequese para receber o sacramento da Eucaristia na Paróquia São Sebastião da Vila Cruz.

“Com o tempo, tive a oportunidade de participar de várias atividades na comunidade, momentos formativos para lideranças cristãs, estudo bíblico, encontros espirituais, os quais alimentaram e amadureceram a minha fé”, garante.

SEMINÁRIO E VOCAÇÃO

Formado em Filosofia e História, Hernane atuou como professor antes de ingressar, em 2014, no Seminário da Arquidiocese de São Paulo.

“Acredito que a semente da vocação sempre esteve plantada no meu ser. Foram muitos os amigos, entre sacerdotes e leigos, que ajudaram a regá-la para que ela germinasse e crescesse. Tenho uma profunda gratidão à minha família, à Igreja, aos formadores, amigos, benfeitores, às comunidades paroquiais que me acolheram para o estágio pastoral, e a todo povo de Deus que me ajudou a ser um cristão melhor, e a me preparar para o exercício do ministério do diaconato”, destaca.

Hernane afirma que escolheu como lema de ordenação diaconal “Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros como eu vos amei” (Jo 13,34), a fim de fazer deste preceito do Senhor “um projeto para a missão que a Igreja me confia, procurar viver o dom do amor como o próprio Deus nos amou na pessoa do seu Filho, que não obstante a todos os desafios e circunstâncias, amou-nos até o fim”.

DIACONATO

E o que o Diácono Hernane espera viver o diaconato? Com um dom precioso que Deus lhe deu: “Para mim, o diaconato é um dom de Deus a sua Igreja que reflete em toda a sociedade. É a vivência da Igreja que por meio deste ministério, mas não só dele, coloca-se como mãe e serva da humanidade. Mãe misericordiosa que com caridade cuida e ampara, escuta e acolhe seus filhos; serva que lava os pés dos irmãos e das irmãs, sobretudo daqueles que mais sofrem; que sempre tem na sacola um pão para oferecer, partilhar, seja ele material ou espiritual, cuja medida é a do amor desinteressado e incondicional. Pois dessa forma, o Senhor mesmo disse: ‘Nisto reconhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns pelos outros’ (Jo 13,35)”.

 

LEIA TAMBÉM

Papa: Cristãos autênticos não têm medo de se abrir ao próximo

Comente

‘Ser aquele que serve imitando Jesus’

Por
09 de janeiro de 2019

Aos 37 anos, o quinto dos 13 filhos do casal Rosa Ferreira da Silva e Cirilo Costa da Silva foi ordenado diácono em 15 de dezembro, na Catedral da Sé, pela imposição das mãos do Cardeal Odilo Pedro Scherer.

“Minha família achava impossível ter alguém que pudesse ser padre na família, por vários motivos, entre esses a pobreza”, recordou o Diácono Francisco Ferreira da Silva.

ORIGENS E VOCAÇÃO

Francisco nasceu e foi criado na cidade de Venha-Ver, no Rio Grande do Norte, e conta que desde os 10 anos de idade sentiu-se chamado à vida sacerdotal. Ele deve ser ordenado padre em 2019.

“Na época, eu admirava o trabalho do padre Gilseppe Caldeira, no qual senti um grande impulso para seguir minha caminhada. Em 1998, viajei para São Paulo, onde terminei o Ensino Fundamental e procurei a Pastoral Vocacional da Arquidiocese de São Paulo. Fui acompanhado, aprovado e com grande apoio do Padre Pasquale Priolo, da minha Paróquia de origem [San Gennaro, no bairro da Mooca], cursei Filosofia, de 2004 a 2006”, detalha.

Francisco permaneceu por um tempo fora do seminário, período em que disse ter repensado a vocação. “Retornei em 2013 para o Propedêutico, em 2014 fui aprovado para continuar”, recorda.

EXPERIÊNCIA COM CRISTO

O Diácono conta que em sua trajetória vocacional sempre teve o apoio da família e dos padres por onde passou realizando trabalhos pastorais: “Foi uma longa caminhada, com altos e baixos. Seguindo os ensinamentos de Jesus, estou vencendo. Como meu lema reza, quando fiz a experiência do encontro com Jesus, senti que Ele é a verdade e quem crer n`Ele vivencia a liberdade verdadeira”.

Para Francisco, “ser diácono significa ser aquele que serve imitando Jesus, que se fez servidor de todos. Pretendo exercer segundo os ensinamentos da Igreja fazendo e realizando as tarefas que são próprias do diácono: administrar o Batismo, distribuir a comunhão, assistir e abençoar o Matrimônio em nome da Igreja, visitar e levar a comunhão aos doentes, e, sobretudo, viver o ofício da caridade”, conclui.

 

LEIA TAMBÉM

Padre Pierre Rodrigues: ‘O sacerdote deve despertar no povo o ardor missionário’

 

Comente

‘Espero ajudar para que outras pessoas possam conhecer Jesus Cristo’

Por
04 de janeiro de 2019

Como muitos jovens católicos, Carlos André Romualdo participava ativamente das atividades na igreja que frequentava, a Paróquia Espírito Santo, na Região Episcopal Brasilândia, especialmente nas pastorais dos cerimoniários e da Catequese.

Em 2008, incentivado pelo Padre Jaime Estevão Gomes, então pároco, Carlos André participou de encontros de discernimento vocacional e no ano seguinte, após a aprovação da Pastoral Vocacional, ingressou no Seminário Propedêutico Nossa Senhora da Assunção.

Carlos André foi ordenado diácono pela imposição das mãos do Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, em 15 de dezembro, na Catedral, após uma longa e frutuosa etapa de preparação.

TRAJETÓRIA FORMATIVA

Seguindo o itinerário dos seminaristas da Arquidiocese, entre 2010 e 2012, Carlos André morou no Seminário de Filosofia Santo Cura D´Ars, e entre 2013 e 2016, no Seminário de Teologia Bom Pastor.

Entre março de 2017 e março de 2018, morou na Fazenda da Esperança, em Guaratinguetá (SP), e no retorno a São Paulo foi reintegrado ao Seminário de Teologia, onde teve continuidade o seu processo formativo.

O novo diácono tem como lema “Somos salvos na esperança” (Rm 8,24), inspirado em uma meditação sobre a virtude teologal da Esperança. “Na Fazenda, pude fazer um grande ‘mergulho’ no carisma da Esperança. Pude ‘beber’ do testemunho do Frei Hans e Nelson, fundadores da Fazendas da Esperança”, afirma.

A caminho da ordenação sacerdotal, que deve ocorrer em 2019, o Diácono Carlo André já sabe sobre como vivenciará o ministério diaconal: “Com a tônica do serviço, sobretudo no que concerne à ajuda para que outras pessoas possam conhecer Jesus Cristo”.

 

LEIA MAIS:

Padre José David: 'É o Espírito Santo que atualiza o amor de Deus na história'

Comente

Catedral da Sé terá programação especial nos dias 24 e 25

Por
24 de dezembro de 2018

Em todas as paróquias da Arquidiocese de São Paulo, o Natal será celebrado com missas na noite de 24 de dezembro e no dia 25.

Quem for à Catedral da Sé participar da missa da noite de Natal poderá acompanhar, às 23h, um concerto natalino com a São Paulo Schola Cantorum, após o qual haverá a solene missa da vigília de Natal, presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano.

No dia de Natal, 25, Dom Odilo presidirá missa às 11h, e outras missas natalinas acontecerão às 9h e às 17h na Igreja Mãe da Arquidiocese de São Paulo. Ainda neste dia, o Arcebispo Metropolitano celebrará o Natal às 17h no Arsenal da Esperança (Rua Dr. Almeida Lima, 900, Mooca).

As missas com Dom Odilo na Catedral da Sé nos dias 24 e 25 terão transmissão ao vivo da rádio 9 de Julho, em AM 1.600 e em www.radio9dejulho.com.br.

Dom Cláudio Hummes

O Arcebispo Emérito de São Paulo, Cardeal Cláudio Hummes também presidirá missas de Natal em São Paulo. No dia 24, às 18h, na Paróquia Nossa Senhora do Brasil (Praça Nossa Senhora do Brasil, 1, Jardim América); e no dia 25, às 10h30, na Paróquia Divino Salvador (Rua Casa do Ator, 450, Vila Olímpia).

Bispos Auxiliares

Também os bispos auxiliares da Arquidiocese de São Paulo presidirão missas de Natal em diferentes paróquias nas regiões episcopais.

Dom Carlos Lema Garcia celebrará o Natal no dia 25, às 18h30, na Paróquia Nossa Senhora do Brasil (Praça Nossa Senhora do Brasil, 1, Jardim América), na Região Sé.

Dom Devair Araújo da Fonseca presidirá missa de Natal no dia 24, às 20h, na Paróquia São Luiz Gonzaga (Praça Dom Pedro Fulco Morvidi, 1, Vila Pereira Barreto), na Região Brasilândia.

Dom José Roberto Fortes Palau celebrará o Natal no dia 24, às 19h, na Paróquia São João Batista (Rua Doutor Mário Vicente, 1.108, Ipiranga), na Região Ipiranga.

A missa da noite de Natal presidida por Dom Luiz Carlos Dias em 24 de dezembro será às 20h na Paróquia Sagrada Família (Rua João Cordeiro, 772, Vila Carrão), na Região Belém.

Dom Sergio de Deus Borges celebrará o Natal no dia 24, às 20h, na Paróquia São Francisco e São Benedito (Rua Valdemar Martins, 879, Parque Peruche), na Região Santana. No dia 25, às 11h, o Bispo presidirá a missa de Natal na Catedral Nossa Senhora do Paraíso da Eparquia Greco Melquita (Rua do Paraíso, 21, Paraíso).

Por fim, Dom Eduardo Vieira dos Santos celebrará o Natal no dia 24, às 18h, na Paróquia Santo Eduardo (Rua dos Italianos, 567, Bom Retiro), na Região Sé; e no dia 25, às 11h, no Sítio Santa Marta da Missão Belém, na Serra do Japi, em Jundiaí (SP).

Comente

‘Sobretudo, vejo Jesus presente na Eucaristia sobre o altar’

Por
01 de janeiro de 2019

O Padre Cláudio José Ribeiro, 46, é um dos seis neossacerdotes da Arquidiocese de São Paulo ordenados pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, no dia 8, na Catedral da Sé.

Natural de Santa Rita do Pardo (MS), ele veio para São Paulo com 17 anos, para trabalhar. Em entrevista ao O SÃO PAULO, o Sacerdote contou como iniciou sua caminhada vocacional e partilhou suas expectativas para o exercício do ministério presbiteral. 

VOCAÇÃO

Formado em Direito, Cláudio começou a frequentar a Paróquia Nossa Senhora do Brasil, no Jardim América, próxima a seu local de trabalho. Na igreja, ele passou a participar do Apostolado da Oração. Certa ocasião, em 2009, Cláudio foi surpreendido por uma pergunta: “Você gostaria de ser padre?”. 

“Isso me inquietou por algum tempo, até que decidi fazer a experiência no seminário”, contou.

O Padre resume todo o processo de formação em um versículo bíblico do livro de Jó: “Eu te conhecia só de ouvir, mas agora meus olhos te veem” (Jó 42,5). “Quando entrei para o seminário, tudo aquilo que eu só ouvia passei a ver concretamente. Vejo Jesus Cristo no pobre, não só o material, mas também o espiritual. Passo a vê-lo na família, nos pais, nos filhos, no homem que se une com a mulher, nos jovens que hoje se encontram desamparados, vejo também nas idosas das paróquias. Mas, sobretudo, vejo Jesus presente na Eucaristia sobre o altar”.

EXPERIÊNCIA MISSIONÁRIA

O último ano dos candidatos ao sacerdócio foi repleto de atividades pastorais e missionárias. Uma vez concluídos os estudos teológicos, eles exerceram o ministério diaconal em paróquias da Arquidiocese, tendo a oportunidade de conhecer mais de perto a realidade das pessoas e os desafios que um padre enfrenta para realizar sua missão na cidade.

A experiência diaconal em vista do sacerdócio também permitiu ao padre uma vivência mais intensa da vida sacramental. “Vivi intensamente o diaconato, podendo celebrar batismos e assistir matrimônios”, frisou o Padre Cláudio, que colaborou na Paróquia Santa Ângela e São Serapião, na Região Episcopal Ipiranga.

“Fiquei em uma paróquia com 53 comunidades. Pude visitar todas elas. Em algumas, levávamos um dia inteiro de viagem. Lá celebrei cerca de 150 batismos. Pude experimentar a intensidade da fé e da devoção popular”, concluiu.

 

LEIA TAMBÉM

Padre Maykom Florêncio: ‘Desejo ser um padre em estado permanente de missão’

 

Comente

Páginas

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.