Bispo alerta para onda de violência fora de controle em Moçambique

Por
08 de novembro de 2019

O Bispo da Diocese de Pemba, em Moçambique, Dom Luís Fernando Lisboa, definiu como fora de controle a situação do norte do país africano, onde têm ocorrido inúmeros ataques violentos de autoria ainda desconhecida.

Em entrevista à Rádio Vaticano, o prelado brasileiro, que pastoreia a Igreja em Pemba desde 2013, afirmou que, ainda que existam iniciativas das forças de segurança de Moçambique no local em resposta a uma série de ataques contra a população, a situação está descontrolada.

Dom Luís Fernando acrescentou que “alguns teimam” em dizer que a situação está sob controle, mas “não é verdade”. Ele destacou, ainda, que o sentimento de medo da população é evidente. Os campos agrícolas estão ficando abandonados e, como consequência disso, já se fala em fome nessa região de Moçambique.

“Tenho visitado as comunidades e sinto que algo muito triste vai acontecer. Haverá fome em Cabo Delgado porque nas regiões onde estão acontecendo os ataques as pessoas não estão mais trabalhando nos campos por medo”, diz Dom Fernando.

ATAQUES

O Bispo relatou que uma sucessão de ataques teve início há cerca de dois anos, sendo que  não se sabe quem são os responsáveis pela onda de violência.

Para Dom Luís Fernando, “a verdade é que o inimigo não tem rosto”. Apesar das iniciativas e da presença na região de pessoas das forças de segurança, “os ataques continuam de uma forma violenta. Queimam casas, as pessoas ficam sem moradia. Matam pessoas inocentes, pessoas que trabalham na agricultura. Ultimamente estão atacando veículos do transporte público, uma tristeza muito grande”, disse ainda.

POSSÍVEIS AUTORES

Há uma crescente convicção de que a região norte de Moçambique está na mira de grupos extremistas “jihadistas”. Em setembro, o grupo Estado Islâmico (EI) tinha reivindicado pela primeira vez um ataque a uma “vila cristã”.

Em uma mensagem publicada na internet no dia 26 de setembro, os extremistas se referem ao ataque ao “posto do exército moçambicano” ocorrido dias antes em Mbau. Um jornal local, a Carta de Moçambique, descreveu um “cenário de terror” e de “desespero total”, com Mbau transformada, depois do ataque, em uma aldeia fantasma.

Antes de Mbau foram registrados ataques também em Quitejaro e Cobre. No comunicado publicado na internet, Quiterajo foi classificada pelo EI como “vila cristã”. Disseram que “os soldados do califado” deixaram muitos mortos nessa ação militar. Anteriormente, em quatro de junho, o EI tinha reivindicado outro ataque no norte do país.

MEDO E INCERTEZA

Desde outubro de 2017 a região de Cabo Delgado tem sido palco de diversos ataques extremamente violentos. Calcula-se que já tenham morrido cerca 300 pessoas nesses ataques. Eles visam especialmente regiões relativamente isoladas, havendo o registro de aldeias praticamente destruídas.

Em agosto, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, fez uma visita missionária a Pemba, para acompanhar o trabalho dos missionários brasileiros mantidos pelo Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Nessa ocasião, Dom Odilo relatou que chegou a passar por povoados que haviam sofrido ataques recentemente. “Vimos os barracos queimados e os rastros de destruição”, chamou a atenção o Cardeal, destacando o clima de incerteza e medo da população, em um país onde sempre houve uma convivência pacífica e harmoniosa entre cristãos e muçulmanos. Por essa razão, existe a suspeita de que se trate de uma ação de extremistas islâmicos possivelmente vindos da Tanzânia. Outra desconfiança é de que os ataques sejam motivados por grupos interessados nas terras da região, onde recentemente foram encontradas riquezas minerais. Contudo, ainda não foram encontrados rastros dos autores. 

HISTÓRICO DE CONFLITOS

O povo moçambicano vive esse novo drama pouco tempo após o processo de reconciliação do país, que viveu uma guerra civil por décadas.

Ex-colônia de Portugal, Moçambique obteve a independência em 1975, após quase dez anos de conflito. Contudo, explodiu uma guerra civil entre as forças governamentais (Frelimo), e o movimento rebelde da oposição (Renamo). Nos 16 anos de combates morreram um milhão de pessoas, algumas de fome e milhares por ferimentos ou mutilações causadas por explosões de minas. Cerca de milhões de cidadãos foram obrigados a fugir de suas casas.

A guerra civil terminou oficialmente em 4 de outubro de 1992, em Roma, com a assinatura do Acordo Geral de Paz, pelo então presidente da república Joaquim Chissano e Afonso Dhlakama, então presidente da Renamo.

Em agosto deste ano, foi assinado um novo acordo no Parque Nacional da Gorongosa para pôr fim à violência que não tinha diminuído apesar do acordo anterior. Tal acordo foi firmado às vésperas visita do Papa Francisco ao país, realizada em setembro, na qual ele fez um forte apelo à esperança, paz e reconciliação.

LEIA TAMBÉM

Missão África- Pemba

Cardeal Scherer realiza visita missionária em Pemba, Moçambique

Em Moçambique, a vivência de um caminho de fraternidade

Papa Francisco semeia paz e esperança na África

Comente

Violência cresce na região africana do Sahel

Por
23 de setembro de 2019

A Catholic Relief Services (CRS), instituição católica norte-americana de ajuda humanitária, aponta um crescimento da violência e do deslocamento forçado de pessoas no Sahel, a vasta área no continente africano, ao sul do deserto do Saara e ao norte da savana, que vai do Senegal ao Sudão.
Em 2018, aproximadamente 320 mil pessoas em Burkina Faso, Máli e Níger foram forçadas a deixar as suas casas. Burkina Faso, em particular, teve um crescimento de quatro vezes no número de pessoas nessa situação desde o início de 2019.
“O aumento de ataques violentos tem sido devastador a muitas famílias”, disse Jennifer Overton, diretora regional da África Ocidental da CRS, no dia 12. “As pessoas lutam não apenas para manter as suas famílias juntas e seguras, mas, também, para suprir as suas necessidades básicas, como comida e abrigo.”
Tensões étnicas na região, bem como ameaças de grupos extremistas, como a Al-Qaeda, cresceram bastante nos últimos meses, bem como os ataques terroristas, que têm aumentado desde 2015. A agência France-Presse relata que aproximadamente 400 pessoas foram mortas por esse motivo na região nos últimos quatro anos.
A CRS trabalha na área para atender às necessidades básicas das pessoas forçadas a abandonar suas casas. São oferecidos a elas água potável, serviços sanitários e médicos, comida, abrigo e  educação.
“A saída para impedir o crescimento da violência é uma atenção urgente da comunidade internacional para a região”, concluiu Jennifer.


Fontes: National Catholic Register/ Catholic Relief Services

Comente

Cardeal Scherer realiza visita missionária em Pemba, Moçambique

Por
18 de agosto de 2019

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, realiza até 21 de agosto uma visita missionária à Diocese de Pemba, em Moçambique, no continente africano, como representante da presidência do Regional Sul 1 da CNBB.

O objetivo da visita é acompanhar de perto as missões mantidas pela CNBB na região, além de motivar os missionários brasileiros.

A Regional Sul 1 da CNBB mantém três projetos missionários na Diocese de Pemba. Ao todo, 12 brasileiros entre padres, religiosos(as) e leigos(as) participam do projeto batizado Missão Africa-Pemba, nas aldeias de Nangade, Mazeze e Metoro.

A Diocese de Pemba tem como bispo Dom Luís Fernando Lisboa, brasileiro radicado em Moçambique há 17 anos, seis como bispo. Possui 2,1 milhão de habitantes, 22 paróquias, cada qual com dezenas de capelas e comunidades espalhadas em aldeias.

Dom Luís Fernando, em entrevista ao O SÃO PAULO, conta que a Igreja Católica em Moçambique desempenha um papel fundamental no desenvolvimento da população. Segundo o Bispo, milhares de pessoas nunca pisaram em uma escola. O sistema público de ensino é bastante precário, chegando a ter até cem alunos em uma única sala de aula.

“Nas pequenas aldeias, é oferecido somente o primeiro estágio do ensino fundamental. Nas aldeias médias, o ensino vai ate o segundo estágio, e somente nas grandes cidades há o ensino médio. Cerca de 40 % da população é analfabeta. Grande parte da rede de ensino disponível é mantida pela Igreja Católica, com subsídios do Estado”, explicou o Bispo.

Missão de São Jose

Em seu segundo dia de visita, na terça-feira, 13, Dom Odilo conheceu a Missão de São Jose. Fundada em 1934 por missionários Monfortinos e localizada no município-distrito de Montepuez,  a missão comporta o Santuário Nossa Senhora de Fatima, centro de peregrinação e sede da paróquia local; o Seminário Propedêutico São Paulo Apóstolo e a Escola Comunitária Secundaria Dom Bosco, uma das poucas em Moçambique a oferecer o ensino médio. Atualmente, a escola atende cerca de 400 jovens com até 25 anos.

Com 220 mil habitantes, Montepuez é a segunda maior cidade de Pemba.

Na chegada, Dom Odilo e a equipe que o acompanha foram recebidos pelos seminaristas com um canto de boas -vindas. Após conhecer todo o complexo da missão, o Cardeal presidiu a Santa Missa, cantada pelos seminaristas em Makua, um dos mais de 30 idiomas nativos falado em Moçambique.

Em sua homilia, o Cardeal Scherer, falando dos mártires São Ponciano, Papa; e Santo Hipólito, Presbítero, cuja memoria foi celebrada, recordou a todos que a Igreja Católica, ao longo dos séculos, sofreu e tem sofrido diversas perseguições, incluindo o martírio de Papas, mas nem por isso acabou. “A Igreja pertence a Jesus Cristo”, recordou.

Pemba tem sofrido violentos ataques nos últimos meses. Um grupo de homens invadiu quatro aldeias durante a noite, matando seus moradores e incendiando as suas casas. Nenhum grupo reclamou a autoria.

“Estamos diante de um inimigo invisível”, afirmou Dom Luís Fernando à reportagem. O Bispo não acredita que os ataques tenham motivação religiosa, mas sim, econômica. Suspeita que visam afastar a população local da região, rica em gases e derivados de petróleo.  

A missa foi concelebrada por Dom Luís Fernando, pelo Padre Dinis, Reitor do Seminário Propedêutico, pelos sacerdotes brasileiros em missão na região e pelo Diretor do Jornal O SÃO PAULO, Padre Michelino Roberto, que acompanha Dom Odilo nessa visita missionaria. Participaram ainda o Diácono Marco Domingues, Secretario Administrativo da Regional Sul 1; jornalistas da TV Canção Nova, além de um grupo de leigos que fazem parte da missão.

CLIQUE E VEJA AS FOTOS DA VISITA DE DOM ODILO À MISSÃO SÃO JOSÉ

Comente

Número mortos pelo ciclone em Moçambique, Zimbábue e Malawi já passa de 500

Por
22 de março de 2019

Nesta sexta-feira, 22, o número de vítimas fatais em decorrência da passagem do ciclone Idai subiu para 557 segundo autoridades citadas pela Associated Press.

Um balanço da Organização das Nações Unidas (ONU) mostrou que 259 pessoas morreram em Moçambique e 56 no Malawi. O levantamento do Ministério da Defesa do Zimbábue apresentou que 259 morreram no País.

Nesta quinta-feira, 21, Gemma Connell, que chefe do escritório humanitário da ONU para o sul e leste da África, salientou que os números podem subir, principalmente em Moçambique, pois a região continua inundada.

Segundo Elhadj As Sy, secretário-geral da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, o número de mortes pode passar de mil, assim como o presidente de Moçambique havia previsto inicialmente.

Ao fim da Audiência Geral desta quarta-feira, 20, o Papa Francisco manifestou sua solidariedade aos habitantes de Moçambique, Zimbábue e Malauí: “A essas queridas populações, expresso a minha dor e a minha proximidade. Confio as muitas vítimas e suas famílias à misericórdia de Deus e imploro conforto e apoio aos que foram atingidos por esta calamidade”.

O Papa Francisco, por meio do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Integral, determinou a ajuda a Moçambique, Zimbábue e Malauí, com o valor de 150 mil euros (50 mil euros para cada um destes países do sudeste da África).

Com informações G1 e Vatican News

Comente

Incêndio destruiu acervo único sobre história africana, diz curadora

Por
04 de setembro de 2018

Kumbukumbu é uma palavra da língua africana swahili que resgata uma dimensão do passado que abre caminho para o futuro. Por esse simbolismo, a expressão dava nome à exposição sobre a arte africana do Museu Nacional, uma das que foram completamente destruídas pelo incêndio de domingo, 2, no Rio de Janeiro.

Entre as 185 peças expostas e consumidas pelo fogo estava o Trono de Daomé, reino africano que traficou pessoas escravizadas e tinha o Brasil como um de seus principais comparsas. 

A sandália e a toca real também estavam expostas como registros do reino que deixou de existir ao ser dominado pelos franceses em 1904.

As peças foram um presente do Rei Adandozan a D. João VI, em 1811, e estava no acervo do museu desde sua fundação. Essa coleção faz parte de um acervo com um total de 700 peças, que inclui o que estava na reserva técnica.

Praticamente tudo se perdeu, segundo a curadora da exposição, Mariza Soares. O catálogo da exposição está disponível online.

Tecidos alaka, feitos em tear na costa ocidental da África na primeira metade do século XX, são outras peças de destaque da exposição, que também contava com uma presa de marfim esculpida no século XIX na Bacia do Rio Congo. A presa de elefante era considerada uma das maiores já expostas em um museu.

 

Resistência das religiões

Uma das partes mais importantes da exposição era a que contava pouco da resistência das religiões de matriz africana no Brasil, com objetos ritualísticos do candomblé, que foram confiscados pela polícia do Rio de Janeiro desde o império, quando a prática da religião era proibida por lei.

Diretor do Museu Nacional durante o Século XIX, Ladislau Netto pediu à Polícia da Corte que encaminhasse os objetos apreendidos para estudo no museu, e assim começou a se formar a coleção que preservava antigas técnicas de metalurgia e da arte em madeira que confeccionaram os materiais usados nas práticas religiosas da última geração de africanos traficados para Brasil e de seus descendentes diretos.

A exposição contava ainda com importantes estatuetas de orixás esculpidos em madeira pelo artista popular Afonso de Santa Isabel e adicionadas ao acervo entre 1940 e 1950.

Os objetos faziam parte da coleção de Heloisa Alberto Torres, ex-diretora do museu que viajou à Bahia no Século XX para reunir objetos das principais casas de candomblé do recôncavo baiano.

A curadora da Kumbukumbu conta que o trabalho feito na montagem da exposição buscou revalorizar a cultura africana e, ao mesmo tempo, discutir as relações raciais no Brasil, país que mais demorou a abolir a escravidão.

"Foi uma oportunidade incrível justamente para a gente recuperar toda uma discussão a respeito das relações raciais no Brasil, da importância do estudo da história da África para se entender o Brasil, de se discutir a questão da escravidão e como ela impacta de forma muito negativa a sociedade brasileira", lembrou a pesquisadora, enquanto acompanhava o trabalho dos bombeiros nos escombros do Museu Nacional.

 

Museu suburbano

Apesar de ser famoso por ter abrigado a residência da família imperial, o Museu Nacional é parte do subúrbio carioca, e a Quinta da Boa Vista, onde ele fica, é uma das principais áreas de lazer dessa região da cidade.

Localizado na zona norte do Rio de Janeiro e vizinho de comunidades como a Mangueira e o Tuiuti, o Museu Nacional recebia muitas visitas de escolas públicas e tinha acesso fácil para moradores da periferia, que podiam usar o trem e o metrô para chegar ao local partindo de diversos pontos da zona oeste, zona norte e Baixada Fluminense.

"Buscamos trazer também uma discussão sobre a pobreza no Brasil, onde a população negra é um percentual imenso da população pobre, da população carcerária e da população assassinada", disse a curadora, que lamentou a destruição de um acervo que tinha características únicas, mesmo se comparado a grandes museus do mundo.

"A nossa coleção tinha uma parte que chegou como um presente para Dom João, então era uma coleção muito antiga e muito valiosa. A gente pode recuperar um inventário do que existiu, mas o que existiu está perdido. Agora e para todas as gerações que virão".

Professor da etnologia, departamento que abrigava a exposição, Antônio Carlos de Souza Lima acrescenta que também foram perdidas peças indígenas de tribos que não existem mais, artefatos maoris, jades indianas e até uma armadura samurai.

"A perda da etnologia é irreparável. Isso é resultado de décadas de descaso das elites políticas. É um retrato do que a elite financeira e política pensa do que é o Brasil", finalizou.

Comente

Papa recebe delegação de Ahiara, Nigéria

Por
08 de junho de 2017

O Papa Francisco recebeu em audiência na manhã desta quinta-feira, 8, uma delegação da Diocese de Ahiara, na Nigéria, acompanhada pelo Arcebispo de Abuja e Administrador Apostólico de Ahiara, Cardeal John Onaiyekan, pelo Arcebispo Metropolita de Owerri, Dom Anthony Obinna, pelo Arcebispo de Jos e Presidente da Conferência Episcopal da Nigéria, Dom Ignatius Kaigama e pelo Bispo de Ahiara, Dom Peter Okpaleke, informa um comunicado da Sala de Imprensa da Santa Sé.

Nos dias precedentes, no âmbito da visita ad Limina Apostolorum, a delegação manteve encontros com o Cardeal secretário de Estado, Pietro Parolin e o Prefeito e os Superiores da Congregação para a Evangelização dos Povos, com os quais foi examinada largamente a penosa situação da Igreja em Ahiara.

Na audiência desta manhã, o Santo Padre, após atenta avaliação, considerou ser “inaceitável” a situação em Ahiara”, afirmando que tomará “oportunas providências”, lê-se na nota.

Francisco também confiou ao materno cuidado de Maria e Diocese de Ahiara.

Comente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.