SÃO PAULO

coronavírus

Parques públicos estão fechados na capital paulista

Por Daniel Gomes
21 de março de 2020

Medida adotada pela Prefeitura e pelo Governo do Estado entrou em vigor neste sábado, 21, por tempo indeterminado

Reprodução da internet - nov.2017

Na busca de conter a circulação de pessoas e evitar aglomerações, fatores que facilitam a proliferação do novo coronavírus, a Prefeitura de São Paulo e o Governo do Estado anunciaram o fechamento de parques públicos a partir deste sábado, 21.

Na capital paulista, o decreto 59.290 determina o fechamento, por tempo indeterminado, de todos os parques sob a gestão da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente (atualmente há 107 unidades), bem como do Parque das Bicicletas e do Centro Esportivo, Recreativo e Educativo do Trabalhador (CERET).

“Imagine o que é para o prefeito ter que determinar, por exemplo, o fechamento do Parque Ibirapuera, cartão-postal da cidade de São Paulo. Os parques reúnem algo em torno de 200 mil pessoas por semana na cidade de São Paulo. Observamos ao longo dos últimos três dias um grande crescimento na frequência desses parques. A própria vigilância sanitária, que inicialmente era contrária a esse fechamento por serem ao ar livre, e assim haver uma possibilidade mais remota de contágio, resolveu recomendar isso à Prefeitura de São Paulo”, explicou Bruno Covas, em coletiva de imprensa na sexta-feira, 21, ao lado do governador João Doria Junior e secretários estaduais e da capital paulista.

Entre o segundo semestre de 2017 e abril 2018, boa parte dos parques municipais já tinham sido fechados para conter o surto de febre amarela na capital paulista. Meses depois, com a imunização da população e o maior controle do mosquito transmissor, o Aedes aegipty, os parques foram gradualmente sendo abertos.

Parques estaduais

Também na conversa com a imprensa, Doria comunicou o fechamento do Zoológico e do ZooSafari, localizados na capital paulista, além das 102 unidades de conservação e todos os parques estaduais: Água Branca, Alberto Lofgren, Belém, Biacica, Candido Portinari, Chácara da Baronesa, Engenheiro Goulart, Gabriel Chucre, Guarapiranga, Horto Florestal, Jacuí, Jequitibá, da Juventude, Ecológico do Tietê, Helena, Várzea do Embu-Guaçu, Villa-Lobos, Pomar Urbano e Jardim Botânico.

A medida também vale para equipamentos esportivos administrados pelo Estado: Complexo Desportivo Constâncio Vaz Guimarães (Ibirapuera), Vila Olímpica Mário Covas, Centro Recreativo e Esportivo de Campinas (Cerecamp) e Complexo Desportivo Baby Barioni.

Até a tarde da sexta-feira, 20, já chegava a nove o número de mortos em decorrência do novo coronavírus, todos na capital paulista. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, os pacientes tinham comorbidades e foram atendidos em hospitais privados. 

O que ainda está funcionando

Até o momento, não há restrições para o funcionamento dos seguintes estabelecimentos: hipermercados e supermercados; farmácias; padarias; postos de gasolina; lojas de conveniência; restaurantes e lanchonetes; lojas de produtos para animais; e feiras livres.

(Com informações de Prefeitura de São Paulo e Governo de São Paulo)

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.