SÃO PAULO

Celebração

Padre Marcelo Monge é investido cônego na Arquidiocese de São Paulo

Por Fernando Geronazzo
06 de dezembro de 2018

Cônego Marcelo Monge, em missa na qual é investido como membro do Cabido Metropolitano
 

Luciney Martins/O SÃO PAULO

No domingo, 2, na Catedral da Sé, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, presidiu a missa do 1º Domingo do Advento, na qual foi investido como Cônego do Cabido Metropolitano de São Paulo o Padre Marcelo Álvares Matias Monge, Pároco da Paróquia Santo Antônio de Lisboa, no Tatuapé. Participaram da celebração alguns cônegos do Cabido, que acolheram o novo membro da instituição eclesiástica de mais de dois séculos. 

O rito de investidura canônica é marcado pela entrega do anel, sinal de fidelidade à Igreja por meio da nova missão, e do barrete, espécie de chapéu que compõe a veste coral dos cônegos, usadas nas liturgias da Catedral. 

 

COMPROMISSO

Cônego Marcelo nasceu em 13 de abril de 1968, em Ubirajara (SP), sendo o 11º dos 13 filhos de Alfredo Álvares Monge e Anésia Francisca Monge. “Nasci na roça, no sítio São José, no bairro do Ingazeiro, onde fui criado até os 6 anos e meio de idade, quando fui morar com a minha irmã mais velha na cidade. Aos 16 anos, ingressei no Seminário Menor da Diocese de Assis (SP), em 1985”, contou. 

Ordenado sacerdote em 6 de março de 1994, o novo Cônego foi Pároco das Paróquias São João Batista, no Brás; Santa Luzia e São Pio X, na Vila Leme; e Santo André Apóstolo, no Jardim Santo André, todas na Região Episcopal Belém, na qual  também já foi Coordenador de Pastoral. Cônego Marcelo também já exerceu o cargo de diretor da Caritas Arquidiocesana de São Paulo. Ele possui, ainda, mestrado em Teologia, na área de Missiologia.

Em entrevista ao O SÃO PAULO, Cônego Marcelo afirmou que recebeu sua nomeação para o Cabido “com muita alegria e, ao mesmo tempo, preocupação” diante da responsabilidade a ele confiada: “Eu sempre busquei exercer com fidelidade e amor aquilo que me é confiado pela Igreja. Esse é mais um compromisso para o qual eu disse ‘sim’. Quero corresponder ao chamado que me fizeram na Igreja em São Paulo”. 

 

O CABIDO

O Cabido Metropolitano nasceu junto com a fundação da Diocese de São Paulo, em 1745, e tem a função de zelar pela Catedral da Sé. “O cabido de cônegos, seja da catedral, seja colegial, é o colégio de sacerdotes, ao qual compete realizar as funções litúrgicas mais solenes na igreja catedral ou colegiada; além disso, compete ao cabido da catedral desempenhar funções que lhe são confiadas pelo direito ou pelo bispo diocesano. [cf. Código de Direito Canônico 503]”. 

De acordo com os novos estatuto e regimento do Cabido Metropolitano, promulgados em 8 outubro de 2016, existem duas categorias de cônegos: catedráticos e eméritos. “Foi extinta a categoria de cônego honorário, que existia anteriormente”, explicou o Cônego Sergio Conrado, Arcediago, isto é, presidente do Cabido Metropolitano, na ocasião da promulgação do novo Estatuto. São catedráticos os cônegos nomeados pelo Arcebispo a partir de uma lista tríplice apresentada pelo Cabido, ao qual compete o direito de apresentação. Torna-se emérito o cônego catedrático ao atingir 80 anos.

Ao saudar o Cônego Marcelo, Dom Odilo destacou que o ingresso de um novo membro no Cabido é um sinal de renovação da presença dessa instituição na Catedral e na Igreja, como sinal de comunhão e corresponsabilidade de todo o clero com o Arcebispo em relação ao pastoreio e nas responsabilidades do serviço evangelizador da Igreja em São Paulo. “Que Deus abençoe, portanto, os cônegos, e com eles, abençoe a todos os sacerdotes que realizam esse trabalho tão fundamental para a vida da Igreja”, afirmou o Arcebispo Metropolitano.
 

LEIA TAMBÉM: Novena de Natal: momento de encontro, oração e partilha 

 

 

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.