SÃO PAULO

Vigília Pascal

'Jesus Cristo Ressuscitou! Nós participamos da luz de Cristo!'

Por Nayá Fernandes
02 de mai de 2019

No sábado, 20, os fiéis da Arquidiocese de São Paulo celebraram, a partir das 19h, a Solenidade da Vigília Pascal na Catedral da Sé. A missa, considerada da mãe de todas as vigílias, foi presidida pelo Cardeal Scherer e concelebrada por outros padres. 34 adultos receberam os sacramentos do Batismo e da Crisma durante a celebração.

Luciney Martins/O SÃO PAULO

No sábado, 20, pouco antes das 19h, o fogo novo foi aceso na Praça da Sé, lugar em que os fiéis se reuniram para acompanhar o acendimento do Círio Pascal e celebrar a Solenidade da Vigília Pascal, que, como afirma a leitura da Proclamação da Páscoa  é a “noite mil vezes feliz”.

A missa foi presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer e concelebrada por outros sacerdotes, entre eles Padre Luiz Eduardo Baronto, Cura da Catedral Metropolitana da Sé e Padre Gianpietro Carraro, da Comunidade Católica Missão Belém.

Após aceso, o Círio – vela que simboliza o Senhor ressuscitado – foi levado em procissão para dentro da igreja, onde os fiéis esperavam em silêncio, com as velas apagadas nas mãos. As luzes foram se acendendo, enquanto se cantava “Eis a luz de Cristo! Demos graças a Deus!”. Com as velas e as luzes já acesas, deu-se prosseguimento à celebração com a Proclamação da Páscoa e, em seguida, das leituras próprias da liturgia.

Considerada a mãe de todas as vigílias, a celebração da noite do Sábado Santo é marcada pela proclamação de sete leituras do Antigo Testamento, que narram a história da salvação do povo de Deus e duas leituras do Novo Testamento.

O Cardeal fez uma breve explicação após cada leitura, recordando que, na Vigília Pascal recorda-se momentos importantes da História da Salvação, até chegar até Jesus. “Os profetas são aqueles que chamam atenção do povo, para que voltem para o caminho do Senhor”, disse o Cardeal após a leitura do livro de Isaías 54, 5-14.

 

 

 

Jesus rompeu a barreira da morte

Na homilia da missa, que anunciou a Páscoa da Ressurreição de Jesus Cristo, Dom Odilo insistiu sobre a vida nova que Jesus Cristo possibilita por meio da sua ressurreição a todos os que creem nele e seguem o seu caminho.

“Estamos celebrando com muita alegria a Vigília Pascal. Ouvimos o anúncio da Páscoa. Aquele momento em que as mulheres encontram o túmulo vazio e os discípulos se perguntam o que estavam acontecendo. Mas logo Jesus se manifestou e apareceu à Maria Madalena, que disse: "Eu vio Senhor'”, disse o Cardeal.

Dom Odilo recordou que em Jesus Cristo, os cristãos podem ver o horizonte da vida eterna. “Jesus rompeu a barreira da morte, o túmulo está vazio. A morte não é o fim de tudo. E assim, Jesus abre para todos a possibilidade da vida eterna. O filho de Deus ressuscitou em sua humanidade. Por isso, nesta noite, estamos recordando também nosso Batismo”, afirmou.

“Como nos recorda São Paulo, pelo Batismo fomos mergulhados em Cristo para com ele sermos criaturas novas. Que nossa vida cristã resplandeça a condição de criaturas novas. Homens e mulheres renovados que abraçam um novo modo de viver. Não um modo de viver longe de Deus, levados pelas paixões e vícios, mas vivendo de Jesus Cristo, alimentando-nos Dele, para assim participarmos plenamente da sua glória e da ressurreição com ele”, continuou o Cardeal.

O Arcebispo disse ainda que o Batismo é o anúncio da vida nova que o ser humano recebe como um tesouro precioso em vasos de barro. “Nós somos estes vasos de barro, que sempre podem quebrar. Ou seja, sempre podemos voltar atrás e seguir ídolos que tomam o lugar de Deus. Mas, Deus é a fonte da água viva, que não nos deixa morrer de sede; Deus é o pão, que não nos deixa morrer de fome. Ele é o caminho para a vida eterna.”

 

Vida nova em Cristo

Receberam o Sacramento do Batismo e da Crisma 34 membros da Missão Belém. Todos os fiéis presentes na celebração puderam renovar suas promessas batismais, em especial, os integrantes do Caminho Neocatecumenal, que encerraram, durante a Vigília Pascal, um caminho de Catequese e aprofundamento da fé.

Membros da Comunidade  Católica Shalom também participaram da celebração, que foi transmitida ao vivo pela Rádio 9 de Julho e pelo Facebook da Arquidiocese de São Paulo.

Douglas Bueno Dutra, 38 e Júlio César Ferreira Franco, 46, estavam ansiosos pelo momento em que finalmente fariam parte da comunidade cristã “como membros do corpo de Cristo”, disse Douglas, que é voluntário na Missão Belém e pretende dar continuidade ao trabalho na comunidade.

Júlio César contou à reportagem que por mais de 20 anos trabalhou como funcionário público, mas acabou perdendo o trabalho e, desde então, passou por uma série de dificuldades e acabou indo parar na rua, situação em que permaneceu por cerca de três anos.

“Cheguei a ficar um mês na rua sem tomar banho. Em muitas noites, dormi nas escadarias da Catedral da Sé, mas nunca tinha entrado. Foi quando pedi a Jesus que me ajudasse e encontrei um missionário da Comunidade Missão Belém. Quando entrei pela primeira vez na Catedral, em uma das formações  promovidas pela Comunidade, eu fiquei maravilhado e estou muito feliz em estar aqui hoje, para este momento tão importante na minha vida”, disse Júlio César.

Durante a renovação das promessas do Batismo, momento em que os fiéis acendem novamente as velas, o Cardeal recordou que "nós participamos da luz de Cristo', enquanto a assembleia cantava em coro "Ó luz do Senhor, que vem sobre a terra, inunda meu ser, permanece em nós!".

 

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.