SÃO PAULO

Novas medidas

Governo de SP determina quarentena em todo o Estado

Por Daniel Gomes
21 de março de 2020

Determinações entram em vigor no dia 24; serviços essenciais de alimentação, abastecimento, saúde, bancos, limpeza e segurança continuarão

Serviços não essenciais estarão fechados - Crédito: Reprodução da Internet

O Governo do Estado de São Paulo anunciou neste sábado, 21, que todos os 645 municípios paulistas estarão em quarentena a partir de terça-feira, dia 24. Durante 15 dias, a medida impõe o fechamento do comércio, exceto serviços essenciais de alimentação, abastecimento, saúde, bancos, limpeza e segurança. A quarentena também não afeta as indústrias.

“Isso implica na determinação, ou seja, na obrigação do fechamento de todo o comércio e serviços não essenciais à população. Essa medida poderá ser renovada, estendida ou suprimida se houver necessidade”, disse o governador João Doria Junior.

A medida visa proteger a saúde pública e reduzir a disseminação do coronavírus. O fechamento do comércio atinge todas as lojas com atendimento presencial, inclusive bares, restaurantes, cafés e lanchonetes. Estabelecimentos que servem alimentos e bebidas em mesas ou balcões só poderão atender pedidos por telefone ou serviços de entrega.

Só ficarão abertos estabelecimentos com atendimento presencial que prestam serviços considerados essenciais. O decreto assinado por Doria listas as exceções em seis categorias distintas.

Nos serviços de saúde, está liberado o funcionamento de hospitais, clínicas – inclusive as odontológicas – e farmácias. No setor de alimentação, podem funcionar supermercados, hipermercados, açougues e padarias – que não poderão permitir o consumo no estabelecimento durante a quarentena.

No setor de abastecimento, poderão atuar normalmente transportadoras, armazéns, postos de gasolina, oficinas, transporte público, táxis, aplicativos de transporte, serviços de call center, pet shops e bancas de jornais.

Os demais setores que poderão oferecer serviços durante a quarentena são: empresas de segurança privada; empresas de limpeza, manutenção e zeladoria; bancos, lotéricas e correspondentes bancários.

O aumento nas restrições de circulação foi decidido tem respaldo do Centro de Contingência contra o coronavírus. “São medidas importantíssimas, no tempo adequado e respaldadas por todos os critérios científicos”, disse o médico infectologista David Uip, que coordena o grupo de especialistas.

O cumprimento da quarentena será fiscalizado pelo Estado e também pelas prefeituras. O governador também disse que aglomerações e festas ao ar livre, como os chamados “pancadões”, são considerados ilegais e deverão ser coibidos pela Polícia Militar não apenas na Grande São Paulo, mas também no interior e no litoral do estado.

Mais que uma gripe

As medidas foram anunciadas em coletiva de imprensa neste sábado no Palácio dos Bandeirantes. Participaram, além do governador, o prefeito da capital paulista, Bruno Covas, e secretários estaduais e do município de São Paulo.

O Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann Ferreira, ressaltou que o novo coronavírus não deve ser enfrentado como uma simples gripe. “A patologia, que se chama COVID-19, tem uma sintomatologia parecida com gripe, mas não é uma gripe. Ela é muito mais uma pneumonia em severas vezes do que uma questão de gripe. Tem um sintomatologia parecida, mas não se trata de uma gripe”.

O Secretário também informou que até o começo da tarde de sábado, o estado já contabiliza 396 casos confirmados de COVID-19 e 15 mortes – todas na capital paulista – em decorrência da doença, passados oito dias da circulação comunitária do vírus.

Fiquem em casa e cuide dos idosos

Ao iniciar a coletiva de imprensa, o governador voltou a pedir que as famílias protejam as pessoas com mais de 60 anos. “Você que é filho, que é irmão, parente de pessoas com mais de 60 anos, ajude que elas compreendam a importância de permanecerem em casa e não saírem de suas casas de forma alguma”, afirmou.

“Fiquem em casa, convivam em família. A crise vai trazer lições importantes: dores, tristeza, mas trará, também, solidariedade, e a capacidade da volta das pessoas ao convívio em família”, afirmou Doria.

Vivência da fé em casa

Além das precauções de saúde e higiene, Doria fez um apelo aos que professam alguma fé. “Façam suas orações. Todo nós temos nossa religião. É importante que você faça isso da sua casa. Não frequente templos. Essa é uma recomendação não para desmerecer a oração presencial, mas ela pode ser feita da sua casa, com seus familiares, assistindo a televisão, ouvindo a missa no rádio, ouvindo seus pastores, seus líderes, seus padres. Estão todos adaptando o formato das missas, cultos e das suas manifestações de fé”, declarou.

Neste sábado, 21, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, emitiu um Comunicado sobre a Suspensão Temporária de Celebrações Religiosas na Arquidiocese de São Paulo, tendo em vista a grave crise sanitária provocada pela disseminação do novo coronavírus.

“Exorto os fiéis a acompanharem, em suas residências, as celebrações e atos religiosos transmitidos pelos vários Meios de Comunicação Social. Peçamos juntos, com fé e perseverança, que Deus tenha misericórdia de seu povo, livrando-nos de toda doença e angústia. Estejam certos de que o Arcebispo os acompanha com sua preocupação e carinho e reza por todos cada dia. Deus os abençoe e guarde no seu amor”, consta em um dos trechos do comunicado.

(Com informações do Governo do Estado de São Paulo)

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.