VATICANO

Papa Francisco

Francisco leva mensagem de paz à Bulgária e à Macedônia do Norte

Por Francisco Borba Ribeiro Neto
09 de mai de 2019

Papa celebra missa na Bulgária com primeira Comunhão de 245 crianças, na segunda-feira, 6

Vatican Media

O Papa Francisco concluiu na terça-feira, 7, sua viagem apostólica à Bulgária e à Macedônia do Norte, a 29ª viagem internacional de seu pontificado. Ele desembarcou em Sófia, capital do País, no domingo, 5, sendo acolhido pelo presidente Rumen Radev

Como fez seu predecessor, São João Paulo II, na visita em maio de 2002, Francisco visitou a Catedral Patriarcal Ortodoxa de São Alexander Nevsky, para uma oração privada diante do trono dos Santos Cirilo e Metódio.

 

PONTE ENTRE ORIENTE E OCIDENTE

Depois de ser acolhido com as palavras de boas-vindas de Rumen Radev, Francisco fez seu primeiro discurso no País, expressando sua alegria por se encontrar na Bulgária, para confirmar seus irmãos na fé e encorajá-los no caminho e testemunho de vida cristã.

O Papa encorajou os governantes da Bulgária a continuar a criar condições para que, sobretudo os jovens, não sejam obrigados a emigrar. “Que esta terra fértil pelo trabalho humilde de tantas gerações e aberta aos intercâmbios culturais e comerciais, integrada à União Europeia e com sólidos laços com a Rússia e a Turquia – possa oferecer aos seus filhos um futuro de esperança!”, concluiu o Pontífice.

Ao encontrar-se com a comunidade católica da Bulgária, na Igreja São Miguel Arcanjo, em Rakovsky, o Papa motivou os fiéis a não se cansar de ser “uma Igreja que continua a gerar, por entre contradições, amarguras e necessidades, os filhos de que esta terra precisa hoje, no começo do século XXI, mantendo um ouvido atento ao Evangelho, e o outro ao coração do seu povo”.

 

COM O PATRIARCA

O Papa Francisco encontrou o Patriarca ortodoxo de toda a Bulgária, Sua Santidade Neofit, acompanhado de metropolitas e bispos ortodoxos. Ao saudar o Patriarca, o Santo Padre afirmou que as feridas abertas entre os cristãos ao longo da história são “dolorosos golpes infligidos no Corpo de Cristo, que é a Igreja”.

O Pontífice destacou que o ecumenismo se manifesta, sobretudo, de três maneiras: pelo sangue, pelo pobre e pela missão. Francisco lembrou-se dos cristãos que continuam a sofrer por causa da fé, dizendo que são como sementes que crescem e dão frutos. Recordando o exemplo dos Santos Cirilo e Metódio, “apóstolos eslavos”, o Papa afirmou: “Missão e comunhão: duas palavras sempre presentes na vida dos dois Santos e que iluminam o nosso caminho para crescermos em fraternidade. O ecumenismo da missão”, disse.

 

EUCARISTIA

Na Bulgária, o Papa Francisco presidiu duas missas. A primeira delas foi na Praça Knyaz Alexandar I, em Sófia. Nessa ocasião, ele recordou o povo que ser cristão é um chamado a ter confiança que o amor de Deus é maior do que qualquer limite ou pecado.

Na segunda-feira, 6, o Santo Padre presidiu missa na Igreja do Sagrado Coração, em Rakovsky, onde 245 crianças receberam a primeira Comunhão. “Jesus está vivo e está aqui conosco. Não O vemos com estes olhos, mas O vemos com os olhos da fé”, disse o Papa às crianças. “Fazer a primeira Comunhão significa querer estar cada dia mais unido a Jesus, crescer na amizade com Ele e desejar que também os outros possam gozar da alegria que Jesus nos quer dar”, acrescentou.

 

MACEDÔNIA

Na terça-feira, 7, o Papa foi acolhido na capital da Macedônia do Norte, Skopje, pelo presidente da República, Gjorge Ivanov. Francisco é o primeiro Pontífice Romano a visitar o país independente da antiga Iugoslávia em 1991.

Ao saudar as autoridades, representantes da sociedade civil e o corpo diplomático, o Santo Padre afirmou que o patrimônio mais precioso e válido daquele País “é a composição multiétnica e multirreligiosa da fisionomia do seu povo”.

“Quero ainda salientar o generoso esforço feito pelo seu País (…) para acolher e prestar assistência ao grande número de migrantes e refugiados vindos de vários países do Oriente Médio: fugiam da guerra ou de condições de pobreza extrema”, continuou o Pontífice.

 

MADRE TERESA

Na breve visita, o Pontífice presidiu uma missa campal, encontrou-se com sacerdotes e religiosas e participou de um encontro ecumênico e inter-religioso com os jovens.

O Papa também visitou o memorial dedicado à “ilustre compatriota” do povo da Macedônia, Santa Teresa de Calcutá. No local, Francisco fez uma oração especial pedindo a intercessão da Santa para “sermos sinal de amor e esperança no nosso tempo, que vê tantos indigentes, abandonados marginalizados e migrantes. Faça com que o nosso amor não seja só palavras, mas seja eficaz e verdadeiro”.

 

LEIA TAMBÉM: Novas normas para toda a Igreja contra quem abusa ou encobre

 

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.