NACIONAL

Abas primárias

A IGREJA NO CENTRO OESTE DO BRASIL

Família, violência de desmatamento preocupam Igreja nos regionais Centro Oeste e Oeste 2

Por Redação
12 de janeiro de 2018

Bispos que contemplam dioceses no Distrito Federal e nos Estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul falaram das perspectivas para 2018

Reprodução da Internet

As dioceses localizadas no Estado de Goiás e no Distrito Federal fazem parte do Regional Centro Oeste da CNBB, atualmente presidido por Dom Messias dos Reis Silveira.

Em entrevista à rádio 9 de Julho, Dom Messias, Bispo da Diocese de Uruaçu, em Goiás, falou dos principais estímulos para o ano que se inicia. Ele enfatizou a necessidade de preencher com a fé “o coração do Brasil”.  

No Regional Centro Oeste, será realizado em 2018 um trabalho com as famílias em função do Ano Nacional do Laicato.

Outro ponto destacado é a mobilização pelo fim da violência. Para o Bispo, a Igreja deve agir na contribuição da cultura de paz, e deve estar atenta aos problemas e cuidado com o cerrado: “O cerrado está ameaçado. Precisamos trabalhar, protegê-lo, ajudar na recuperação das nascentes, porque nos últimos tempos muitos rios secaram”.

A catequese com inspiração catecumenal será mais aprofundada em 2018. Segundo Dom Messias, a expansão dessa metodologia é o fio condutor para a formação de discípulos. “Não queremos formar para receber o sacramento, mas queremos formar discípulos que são fortalecidos pelo sacramento. Discípulos que sentem necessidade do sacramento para poder viver a fidelidade de Jesus”.

O Regional Oeste 2 da CNBB, composto por nove dioceses, é presidido por Dom Neri José, Bispo da Diocese de Juína, no Mato Grosso.

Em entrevista à rádio 9 de Julho, Dom Neri destacou o desafio de superação da violência e do desmatamento ilegal. “Vivemos aqui um Brasil que ainda não chegou – vivemos nesta região um descaso, um abandono, um esquecimento”.

Mesmo diante da difícil realidade, o Bispo afirmou que tais dificuldades devem emancipar o Regional, sobretudo em nome da fé, de maneira pacifica e democrática.

LEIA TAMBÉM

Dom Mário Antonio fala sobre desafios pastorais na Amazônia

Quais os maiores desafios em 2018 para as dioceses do sul do Brasil?

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.