SÃO PAULO

Abas primárias

Esporte

Estádio do Nacional: patrimônio histórico do futebol paulista

Por Flavio Rogério Lopes
16 de janeiro de 2018

Arquibancada coberta e todo o gramado do estádio do Nacional Atlético Clube são tombados pelo Conpresp
 

Reprodução da Internet

Após 14 anos driblando as empreiteiras, que fizeram inúmeras ofertas para adquirir seu valorizado terreno no bairro da Água Branca, na zona Oeste da Capital Paulista, o Nacional Atlético Clube teve a arquibancada coberta e o gramado de seu estádio, Nicolau Alayon, tombados pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), no fim de 2017. 

Histórico

O Estádio Nicolau Alayon também é conhecido como Comendador Souza, devido o nome de uma das ruas que dá acesso às suas dependências. 

Em 1919, o então superintendente da antiga São Paulo Railway (SPR), Arthur Owen, cedeu uma grande área do terreno próximo à atual estação Água Branca da CPTM para instalação do campo de esportes, destinado a funcionários e atletas da recém-fundada São Paulo Railway Athletic Club (SPRAC). 

Após 18 anos da doação, o uruguaio Nicolau Alayon, então presidente da SPRAC, decidiu pela construção do Estádio, inaugurado no dia 14 de maio de 1938. O campo é o único do Brasil a homenagear um estrangeiro: Alayon, que foi um dos mais entusiastas dirigentes do time da Água Branca. 

O Estádio foi palco de partidas de seleções que disputaram os Jogos Pan-americanos de 1963, que ocorreu na cidade de São Paulo, recebendo, por exemplo, o confronto entre Chile e Argentina, que terminou sem gols.

Atualmente, além dos jogos do Nacional, o Estádio sedia partidas de divisões inferiores do futebol paulista, além de jogos da Copa São Paulo de Futebol Júnior e de campeonatos amadores. É, também, sede da seleção brasileira de rugby.

Tombamento

Em 29 de novembro de 2017, o Estádio Nicolau Alayon teve sua arquibancada coberta e o gramado tombados pelo Conpresp. O processo corria desde 2003 e foi definido por votação no Conselho do Patrimônio Municipal, realizada em outubro. 

O principal objeto do tombamento é preservar, por meio da aplicação da lei, bens de valor histórico, cultural, arquitetônico e ambiental para a população, impedindo que venham a ser destruídos ou descaracterizados. 

Desde que o bem continue sendo preservado com as características que possuía na data da sua inscrição no livro do tombo, não existe qualquer impedimento para a venda, aluguel ou herança do bem tombado. 

Na decisão, o Conpresp lembrou a relevância do Estádio para memoria do futebol paulista no inicio do século XX: “O campo de futebol do Estádio Nicolau Alayon foi implantado em área vizinha à estrada de ferro da antiga São Paulo Railway e à estação Água Branca, ao contrário de grande parte dos campos e estádios paulistanos, implantados nas várzeas dos rios.” 

O Conpresp também considerou que “o Estádio integra a memória de uma tradição operária de clubes de futebol ligados a fábricas e empresas. A arquibancada coberta do Estádio Nicolau Alayon, construída em 1938, é remanescente da primeira configuração daquela praça de esportes e é exemplar da tipologia arquitetônica dos primeiros estádios implantados em São Paulo e no Brasil”, concluiu o órgão na Resolução Nº30 de 2017.

O clube 

O Nacional foi fundando em 1919 por funcionários da empresa São Paulo Railway Company, controlada por ingleses e responsável pela primeira ferrovia construída no Estado, que ligava as cidades paulistas de Santos e Jundiaí. A equipe adotou o nome de Nacional Atlético Clube, a partir da nacionalização da estrada de ferro, em 1947. 

O Nacional assumiu o carácter de clube operário, assim como acontecera com o Palestra Itália (fundado em 1914 – atual Palmeiras), Corinthians (1910) e Juventus (1924). No entanto, viu os investimentos minguarem em 1947, quando a São Paulo Railway saiu da mão dos ingleses, após 80 anos de operações nas ferrovias. 

Nos gramados, o clube vive uma boa fase e disputará a série A2 do Campeonato Paulista em 2018, junto a times tradicionais como a Portuguesa, o Guarani e o Juventus. A estreia na competição está marcada para o dia 17, às 16h, no Estádio Nicolau Alayon.

(Com Informações de Folha de SP, Nacional Atlético Clube e Conpresp)
 

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.