SÃO PAULO

REGIÃO IPIRANGA

Dom José Roberto Palau: ‘Jesus retira da morte o poder de destruir o ser humano’

Por Redação
26 de abril de 2019

Em sua homilia, o Bispo enfatizou o acesso ao céu por meio da Ressurreição de Cristo

Stella Tápia Rodriguez

Dom José Roberto Fortes Palau, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Ipiranga, presidiu a celebração da Vigília Pascal, no Sábado Santo, 20, na Comunidade Maria Imaculada, da Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus, no Setor Imigrantes.

Inicialmente, o Bispo comentou que, embora a humanidade tenha se acostumado com a morte, esta é sempre algo que perturba, de modo que também os discípulos ficaram desnorteados com a morte de Cristo.

O Bispo afirmou que a “pedra” que fecha o acesso ao túmulo de Jesus simboliza o limite da vida. “A Ressurreição de Jesus destrói a separação entre a morte e a vida. Não existe mais ‘limite para a vida’”, afirmou.

“Jesus Cristo ressuscitou, seu corpo não conheceu a ‘corrupção’: a morte de Jesus leva-o ao túmulo, mas não à decomposição. Jesus é a morte da morte, pois retira da morte o ‘poder de destruir o ser humano’”, comentou, ao lembrar que Jesus foi até à “mansão dos mortos” e de lá saiu vivo para a vida eterna. “O milagre da Ressurreição é um ser humano realmente morto vencer a morte e ascender ao céu. A Ressurreição não é uma simples reanimação pessoal; Ressurreição é vitória contra a morte”, afirmou.

O Bispo disse, ainda, que, “ao ressuscitar, Cristo retorna para o Pai, levando consigo a nossa natureza humana. Por isso, o ‘Corpo glorificado de Cristo é a ‘Porta’ que nos dá acesso ao céu! Aliás, esta é a razão pela qual o ‘batismo’ faz parte da Vigília Pascal, pois é pelo Batismo que recebemos o ‘dom’ da vida eterna. Por meio do Batismo, a Ressurreição de Cristo torna-se garantia de nossa ressurreição”.

Ainda ao explicar sobre ressurreição, Dom José Roberto reiterou que a partir do Domingo de Páscoa, os cristãos aprenderam a pronunciar a palavra “Ressurreição”. E ela tornou-se, no vocabulário cristão, a palavra mais importante, a palavra central, fundamental da fé cristã: “‘Ressurreição’ -  palavra que tanto as mulheres quanto os apóstolos não tiveram coragem de pronunciar diante do sepulcro de Jesus, aberto e vazio; palavra que agora a Igreja, graças ao testemunho dessas mesmas mulheres e dos apóstolos, pronuncia em alta voz ao mundo inteiro!”

Dom José Roberto também lembrou que a natureza humana foi, por meio da Ressurreição de Cristo, divinizada, pois  ao retornar para o Pai, Jesus levou consigo a própria natureza humana, transformando seu Corpo Glorioso na porta que dá acesso ao céu, da mesma como o túmulo aberto significou a boa-nova da Páscoa.

(Colaborou: Caroline Dupim)

 

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.