SÃO PAULO

Doação de sangue

Doar sangue, um gesto de irmãos

Por Fernando Geronazzo
03 de julho de 2017

No Brasil, cerca de 3,5 milhões de pessoas realizam transfusão de sangue

Luciney Martins/O SÃO PAULO

Em 14 de junho, comemorou-se o Dia Mundial do Doador de Sangue. Por isso, esse mês é conhecido como “Junho Vermelho”, dedicado ao incentivo à doação de sangue. O Ministério da Saúde e os hemocentros em todo o Brasil realizam campanhas de conscientização sobre a importância desse gesto que pode salvar vidas.

Segundo dados do Ministério da Saúde, no mês de junho é registrada uma modificação da rotina dos doadores de sangue, em decorrência das proximidades das férias escolares e da mudança de estação. Isso ocasiona uma baixa nos estoques de sangue no País.

No Brasil, cerca de 3,5 milhões de pessoas realizam transfusão de sangue. Ao todo, há 27 hemocentros e 500 serviços de coleta no País. Atualmente, 1,8% da população brasileira doa sangue. Embora o percentual fique dentro dos parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS) – de pelo menos 1% da população – o Ministério da Saúde tem trabalhado para aumentar a taxa.

No Estado de São Paulo, a Fundação Pró-Sangue, instituição pública ligada à Secretaria de Estado da Saúde e ao Hospital das Clínicas, fornece sangue para mais de cem instituições de saúde da rede pública estadual.

No início do mês, a Pró-Sangue registrou queda gradativa das coletas de sangue, deixando o estoque em situação crítica – 60% abaixo do patamar desejado com reservas dos tipos sanguíneos O+, O-, B-, A+ e A-, suficientes para abastecer os hospitais por apenas dois dias.

 

Quem pode doar

Pessoas entre 16 e 69 anos podem doar sangue. Os menores de 18 anos precisam do consentimento dos responsáveis e, entre 60 e 69 anos, a pessoa só poderá doar se já o tiver feito antes dos

60 anos. Além disso, é preciso pesar no mínimo 50 quilos e estar em bom estado de saúde. O candidato precisa estar descansado, não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores e não estar de jejum. No dia, é imprescindível levar documento de identidade com foto.

Homens podem doar sangue até quatro vezes por ano, enquanto que as mulheres até três vezes anuais. O intervalo mínimo deve ser de dois meses para os homens e de três meses para as mulheres.

 

Como doar

Após preencher um  cadastro, o candidato a doador é encaminhado para um teste de anemia e verificação dos batimentos cardíacos, pressão arterial e peso. Em seguida, ele responde a uma entrevista confidencial para avaliar se a doação de sangue pode trazer riscos para si ou para quem for receber o sangue. Existem alguns impedimentos temporários ou definitivos para a doação de sangue (confira o quadro ao lado). Por isso, os hemocentros reforçam a importância da honestidade e sinceridade na entrevista.

O passo seguinte é a coleta do sangue. São coletados cerca de 450 ml de sangue em uma bolsa de uso único e estéril, para evitar qualquer risco de contaminação.

O sangue coletado passa por vários testes. Se um desses testes apresentar resultado  alterado, o  sangue doado  não será utilizado para transfusão e o doador será convocado a retornar ao hemocentro para repetição dos exames. Os resultados desses exames são encaminhados para os doadores.

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.