VATICANO

O que dizem os papas sobre a vocação sacerdotal

Dia Mundial de Oração pelas Vocações e Domingo do Bom Pastor

Por Nayá Fernandes
11 de mai de 2019

O SÃO PAULO buscou as perspectivas dos Papas São João Paulo II, Bento XVI e Francisco sobre a vivência da vocação cristã

Arte: Jovenal Pereira/O SÃO PAULO

A cada ano, a Igreja em todo o mundo celebra o 4º Domingo da Páscoa, chamado também de “Domingo do Bom Pastor”. Na data, recorda-se o Dia Mundial de Oração pelas Vocações. Em 2019, será a 56ª vez que fiéis de todos os continentes rezam pelas vocações e continuam a pedir que o Senhor “envie bons operários para sua messe” (Mt 9,37-38).

O SÃO PAULO buscou as perspectivas dos Papas São João Paulo II, Bento XVI e Francisco sobre a vivência da vocação cristã, sobretudo da vocação sacerdotal e a missão do sacerdote no mundo de hoje.

Cartas, mensagens, exortações apostólicas e outros documentos pontifícios serviram como material de pesquisa para compor o texto, apresentado, a seguir, em forma de uma entrevista fictícia.

 

O QUE SIGNIFICA SEGUIR A PRÓPRIA VOCAÇÃO?

Papa Francisco - No encontro com o Senhor, alguém pode sentir o fascínio de um chamado à vida consagrada ou ao sacerdócio ordenado. Trata-se de uma descoberta que entusiasma e, ao mesmo tempo, assusta, sentindose chamado a tornar-se “pescador de homens” no barco da Igreja, por meio de uma oferta total de si mesmo e do compromisso de um serviço fiel ao Evangelho e aos irmãos. Essa escolha inclui o risco de deixar tudo para seguir o Senhor e de consagrar-se completamente a Ele para colaborar na sua obra. Muitas resistências interiores podem obstaculizar tal decisão, mas, também, em certos contextos muito secularizados em que parece não haver lugar para Deus e o Evangelho, pode-se desanimar e cair no “cansaço da esperança”. E, todavia, não há alegria maior do que arriscar a vida pelo Senhor! Particularmente a vós, jovens, gostaria de dizer: não sejais surdos à chamada do Senhor! Se Ele vos chamar por esta estrada, não vos oponhais e confiai n’Ele. Não vos deixeis contagiar pelo medo, que nos paralisa à vista dos altos cumes que o Senhor nos propõe. Lembrai-vos sempre que o Senhor, àqueles que deixam as redes e o barco para O seguir, promete a alegria de uma vida nova, que enche o coração e anima o caminho.

Trecho da Mensagem do Papa Francisco para o 56º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, de 31 de janeiro de 2019
 

O QUE SIGNIFICA SER SACERDOTE?

Papa Bento XVI – Ser sacerdote, na Igreja, significa entrar nessa autodoação de Cristo, mediante o sacramento da Ordem, e entrar totalmente nela. Jesus doou a vida por todos, mas de modo particular consagrou-se por aqueles que o Pai já lhe tinha confiado, para que fossem consagrados na verdade, isto é, n’Ele, e pudessem falar e agir em seu nome, representá-lo, prolongar os seus gestos salvíficos: partir o pão da vida e perdoar os pecados. Assim, o Bom Pastor ofereceu a sua vida por todas as ovelhas, mas ofereceu-a e oferece-a de modo especial àqueles que Ele mesmo, “com afeto e predileção”, chamou e chama para O seguir na vida do serviço pastoral. [...] Cada sacerdote é destinatário de uma oração pessoal de Cristo e do seu próprio sacrifício, e, só como tal, é habilitado para colaborar com Ele no apascentar o rebanho que é todo e só do Senhor.

Trecho da mensagem do Papa Bento XVI para o 46º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, de 3 de maio de 2009.
 

COMO BISPOS, PADRES, RELIGIOSOS E LEIGOS PODEM REALIZAR UMA PASTORAL VOCACIONAL EFICAZ?

Papa Bento XVI – O empenho na promoção e cuidado das vocações adquire plenitude de sentido e de eficácia pastoral, quando se realiza na unidade da Igreja e visa a servir a comunhão. É por isso que todos os momentos da vida da comunidade eclesial – a Catequese, os encontros de formação, a oração litúrgica, as peregrinações aos santuários – são uma ocasião preciosa para suscitar no povo de Deus, em particular nos mais pequenos e nos jovens, o sentido de pertença à Igreja e a responsabilidade em responder, com uma opção livre e consciente, ao chamamento para o sacerdócio e a vida consagrada. Invoquemos, com confiança e insistência, a ajuda da Virgem Maria, para que, seguindo o seu exemplo de acolhimento do plano divino da salvação e com a sua eficaz intercessão, possa-se difundir no âmbito de cada comunidade a disponibilidade para dizer “sim” ao Senhor, que não cessa de chamar novos trabalhadores para a sua messe.

Trecho da mensagem do Papa Bento XVI para o 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, de 15 de maio de 2011.
 

QUE RELAÇÃO EXISTE ENTRE JESUS CRISTO E O EXERCÍCIO DO MINISTéRIO SACERDOTAL?

São João Paulo II – Graças ao sacramento da Ordem, somos participantes do seu Sacerdócio [de Cristo]. Ouçamos estas palavras com grande enternecimento e humildade. Elas contêm uma grande verdade: antes de mais nada, a verdade acerca da amizade, mas também a verdade sobre nós mesmos que participamos do sacerdócio de Cristo, como ministros da Eucaristia. Podia Jesus, porventura, manifestar-nos a sua amizade de modo mais eloquente do que permitir-nos, como sacerdotes da Nova Aliança, de agir em seu nome, in persona Christi Capitis? Ora, é isso mesmo que acontece em todo o nosso serviço sacerdotal, sempre que administramos os sacramentos e especialmente quando celebramos a Eucaristia. Repetimos as palavras que Ele pronunciou sobre o pão e o vinho, e, por meio do nosso ministério, realiza-se a mesma consagração por Ele realizada. Poderá haver uma prova de amizade mais completa do que esta? E ela encontra-se mesmo no centro do nosso ministério sacerdotal!

Trecho da Carta de São João Paulo II aos sacerdotes, de 16 de março de 1997
 

COMO A IGREJA PODE REPETIR O GESTO DO PASTOR, HOJE?

Papa Francisco – Saiamos, saiamos para oferecer a todos a vida de Jesus Cristo! Repito aqui, para toda a Igreja, aquilo que muitas vezes disse aos sacerdotes e aos leigos de Buenos Aires [na Argentina]: prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças. Não quero uma Igreja preocupada com ser o centro e que acaba presa num emaranhado de obsessões e procedimentos. Se alguma coisa nos deve santamente inquietar e preocupar a nossa consciência é que haja tantos irmãos nossos que vivem sem a força, a luz e a consolação da amizade com Jesus Cristo, sem uma comunidade de fé que os acolha, sem um horizonte de sentido e de vida.

Trecho da Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, do Papa Francisco, sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual, de 24 de novembro de 2013.
 

E SOBRE A MISSÃO DOS BISPOS, PASTORES DA IGREJA?

São João Paulo II – A própria índole cristológica e trinitária do seu mistério e ministério exige um caminho de santidade, que consiste no crescimento incessante para uma maturidade espiritual e apostólica cada vez mais profunda, marcada pelo primado da caridade pastoral; caminho este vivido evidentemente em união com o seu povo, num itinerário que é simultaneamente pessoal e comunitário à semelhança da própria vida da Igreja. Mas neste caminho, o bispo torna-se, em íntima comunhão com Cristo e atenta docilidade ao Espírito, testemunha, modelo, promotor e animador.

Trecho da Exortação Apostólica Pós- Sinodal Pastores Gregis, de São João Paulo II, sobre o bispo, servidor do Evangelho de Jesus Cristo para a esperança do mundo, de 16 de outubro de 2003.
 

LEIA TAMBÉM: Francisco leva mensagem de paz à Bulgária e à Macedônia do Norte

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.