INTERNACIONAL

HOJE

Dia Mundial da Água: do uso consciente ao direito em tê-la

Por Jenniffer Silva
22 de março de 2019

Data instituída pela ONU estimula diálogo sobre a manutenção dos recursos hídricos no planeta

 

Reprodução da Internet

Declarado durante a assembleia geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em 21 de fevereiro de 1993, o Dia Mundial da Água é celebrado anualmente no dia 22 de março, afim de observar, mais detalhadamente, as recomendações da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento.

Desde então, o mundo é convidado nesse dia a realizar atividades concretas que promovam a conscientização pública sobre a conservação e desenvolvimento dos recursos hídricos.

‘NÃO DEIXAR NINGUÉM PARA TRÁS’

O relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos publicado no dia 19 de março, durante a 40ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, na Suíça, tendo como nome: “Não deixar ninguém para trás” abordou os sinais de exclusão ao acesso a água e discuti maneiras que alcançam a interrupção deste ciclo em todo o mundo.

O acesso a água e ao saneamento são assegurados internacionalmente como um direito humano. Entretanto, ainda assim, mais de 2 bilhões de pessoas não recebem serviços básicos, segundo a própria ONU.

Um dos aspectos defendidos pelo documento é que a oportunidade de usufruir do bem natural que é a água não pode ser diferenciada de outros direitos humanos e não deve ser relacionada com a diferença de classes sociais e financeira, como mostrado em um dos trechos do relatório.

O resumo executivo do relatório traduzido para o Português pode ser acessado no site da UNESCO.

UMA INJUSTIÇA QUE PRECISA SER CURADA

Por ocasião da data, o Papa Francisco enviou uma mensagem ao diretor-geral do Fundo das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, em que ressalta: “A água é um bem imprescindível para o equilíbrio dos ecossistemas e a sobrevivência humana. É necessário administrá-la e cuidar dela para que não seja contaminada ou perdida. Percebe-se em nossos dias como a aridez do Planeta se estende a novas regiões, e cada vez mais aumentam as pessoas que sofrem com a falta de fontes de água adequada para o consumo”.

Em sintonia com o documento lançado pela ONU, o Pontífice reiterou que, não deixar ninguém para trás, significa “comprometer-nos a fim de acabar com essa injustiça”, defendendo que esse acesso representa o respeito com o direito humano, pois “estão em jogo a vida das pessoas e sua dignidade”.

Para o Papa Francisco, somente em conjunto é possível pôr fim neste mal que ainda afeta tantas pessoas. Na medida em que todos estiverem preocupados com o bem comum, tomando consciência de seu papel como cidadão: “É quando as medidas adotadas terão o sabor do encontro e o valor de resposta a uma injustiça que precisa ser curada”, escreveu.

É preciso ainda, segundo o Santo Padre, pensar de educação para que as novas gerações “valorizem e amem os recursos que nossa mãe Terra nos dá”. Além disso, ele alertou sobre a visão da água unicamente como uma mercadoria e disse esperar que o Dia Mundial da Água beneficie as pessoas que sofrem pela falta dela.

USO CONSCIENTE

Para os lugares que recebem abastecimento regular da água, fica o desafio em como utilizá-la sem que haja desperdícios. Dessa forma, organizações responsáveis buscam elaborar ações de conscientização para o bom uso da maior fonte de vida e energia do planeta.

Ricardo Chain, que é gerente da divisão do Programa de Uso Racional da Água (PURA), da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) falou à reportagem, que a instituição percebe nos moradores uma maior preocupação com a diminuição do consumo.

NA PRÁTICA

Para responder essa demanda, a Sabesp desenvolveu um curso permanente de pesquisa de vazamento que pode ser realizado por qualquer pessoa: “No curso, você aprende algumas técnicas básicas para detectar vazamento e quando você chamar o encanador, você já sabe qual é o determinado ponto”, explicou Chain.

Os interessados em participar podem acessar o site da Sabesp ou entrar em contato pelo telefone 08000-11-9911. O diretor completou que a proposta da formação se dá  ao grande número de reclamações de clientes com problemas de alto consumo.

MULTIPLICADORES

Nos prédios públicos, há por parte da Sabesp, um trabalho de identificação de vazamentos com gestores e funcionários desses locais. Dessa forma, os agentes se tornam fiscais – chamados - controlador.

Dentro do ambiente escolar, há um contrato entre a Sabesp e a Secretaria de Educação que prevê atividades de treinamento para as equipes de coordenação pedagógica, tendo em vista que o assunto já faz parte do currículo escolar.

No site da empresa é possível acessar cartilha "O Uso Racional da Água" , que traz orientações de casos de sucesso na redução de consumo.

RESULTADOS

Essas ações já resultaram em cerca de 2 mil pessoas capacitadas somente em 2017, e quase 4 mil prédios públicos de São Paulo: “Nós tivemos uma redução de 400 mil metros cúbicos por mês, é água suficiente para população de 80 mil pessoas”, reiterou o diretor.

Com informações: ONU e Ministério do Meio Ambiente

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.