SÃO PAULO

CORONAVÍRUS

Cuidado para não ser contagiado pela desinformação

Por JENNIFFER SILVA
01 de abril de 2020

Fake news é o termo em inglês utilizado para informar quando uma notícia é mentirosa ou quando a informação é reescrita fora de contexto, alterando seu sentido original 
 

Leia as seguintes manchetes: “Novo coronavírus não resiste ao calor e à temperatura de 26ºC ou 27ºC”; “Fazer gargarejo com água morna, sal e vinagre elimina o coronavírus”; “Álcool em gel não funciona como forma de prevenção contra o coronavírus”. 
Agora pense que, além do tema central, essas notícias têm em comum o fato de serem fake news e que, muito provavelmente, serão compartilhadas em grupos de WhatsApp e nas redes sociais. 
Esse envio acelerado e sem embasamento, porém, pode ser tão perigoso quanto o próprio coronavírus.
Fake news é o termo em inglês utilizado para informar quando uma notícia é mentirosa ou quando a informação é reescrita fora de contexto, alterando seu sentido original. 
Em tempos de cuidado com a saúde da população, impedir sua disseminação é tão importante quanto a prevenção da COVID-19, já que a divulgação de conteúdos insidiosos atrapalha o entendimento do que, de fato, é capaz de inibir o aumento da contaminação desta pandemia. 

COMBATE ÀS FAKE NEWS
O Ministério da Saúde dispõe em seu site de uma lista com algumas fake news relacionadas ao novo coronavírus. 
Nas publicações, a pasta explica o porquê de a notícia conter um conteúdo falso. Além disso, qualquer pessoa que queira confirmar a veracidade de uma informação pode enviá-la para análise no número de WhatsApp do Ministério da Saúde: (61) 99289-4640 ou por meio do site www.saude.gov.br/fakenews/coronavirus.
O Grupo de Estudos da Desinformação em Redes Sociais (EDReS), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), também pretende mapear as notícias falsas sobre a COVID-19. 
A proposta é reunir o maior número de fake news sobre o tema para, assim, elaborar um banco de dados, no qual as informações serão classificadas por padrões, motivações para seu compartilhamento e fontes utilizadas. 
Trata-se de um projeto colaborativo, no qual as notícias falsas devem ser encaminhadas para o número de WhatsApp (19) 99327-8829.

Leia as seguintes manchetes: “Novo coronavírus não resiste ao calor e à temperatura de 26ºC ou 27ºC”; “Fazer gargarejo com água morna, sal e vinagre elimina o coronavírus”; “Álcool em gel não funciona como forma de prevenção contra o coronavírus”. 
Agora pense que, além do tema central, essas notícias têm em comum o fato de serem fake news e que, muito provavelmente, serão compartilhadas em grupos de WhatsApp e nas redes sociais. 
Esse envio acelerado e sem embasamento, porém, pode ser tão perigoso quanto o próprio coronavírus.
Fake news é o termo em inglês utilizado para informar quando uma notícia é mentirosa ou quando a informação é reescrita fora de contexto, alterando seu sentido original. 
Em tempos de cuidado com a saúde da população, impedir sua disseminação é tão importante quanto a prevenção da COVID-19, já que a divulgação de conteúdos insidiosos atrapalha o entendimento do que, de fato, é capaz de inibir o aumento da contaminação desta pandemia. 

COMBATE ÀS FAKE NEWS

Para não correr o risco de acessar informações equivocadas, busque por conteúdos nos canais oficiais, como o site do Ministério da Saúde (saude.gov.br/coronavirus) e da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (http://saopaulo.sp.gov.br/coronavirus). Caso queira confirmar se um conteúdo é seguro, procure a mesma informação em sites que utilizem o fact-checking, recurso conhecido por checar detalhadamente os fatos, por meio do confrontamento de informações com dados e pesquisas. Alguns deles são: Aos fatos, Portal G1 - Fato ou Fake e Agência Lupa.

ANTES DE COMPARTILHAR...

  •  Desconfie de manchetes apelativas em letras maiúsculas e com pontos de exclamação;
  •  Observe a URL (endereço do site que aparece no navegador de internet). Sites de notícias falsas imitam veículos de imprensa autênticos com pequenas mudanças na URL;
  •  Veja se a fonte é confiável e de boa reputação;
  •  Erros ortográficos ou layouts estranhos são sinais de falsidade. Notícias falsas, frequentemente, incluem fotos ou vídeos manipulados. Portanto, a foto pode ser autêntica, mas retirada do contexto;
  •  Confira se as datas fazem sentido ou foram alteradas;
  •  Falta de evidências sobre fatos ou menção a especialistas desconhecidos pode ser uma indicação de notícias falsas;
  •  Compare com outras reportagens. Se outros veículos não tiverem publicado o mesmo assunto, pode ser um indicativo de que a história seja falsa.
Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.