INTERNACIONAL

Sudão

Cristãos são torturados por ‘apostasia’

Por Filipe David
04 de dezembro de 2018

Nove deles ficaram retidos durante vários dias

No dia 13 de outubro, os serviços nacionais de segurança de Nyala, ao sul de Darfur, prenderam 12 fiéis – incluindo um pastor – de uma igreja local. Nove deles ficaram retidos durante vários dias. No dia 21, oito desses nove foram libertados depois de terem sido forçados a renegar sua fé cristã e aceitar o Islã. O pastor recusou-se a renegar a fé e foi acusado de “apostasia” (do Islã), segundo o artigo 126 do ato criminal de 1991. Ele foi libertado sob fiança. 

Os fiéis relataram que foram submetidos a torturas e tratamento desumano. Quatro deles tiveram que ser hospitalizados para tratar dos ferimentos. E o sofrimento não acabou: se o pastor for condenado por apostasia, ele pode receber a pena de morte. 

O Centro Africano para Estudos sobre a Justiça e a Paz pediu às autoridades que respeitem a liberdade religiosa dos cristãos, conforme o texto constitucional de 2005, e que abandonem as acusações de apostasia contra o pastor de Darfur.

Fonte: Fides
 

LEIA TAMBÉM: Grupos ‘Antifa’ atacam residência de jornalista conservador 
 

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.