SÃO PAULO

Premiação

Comissão Justiça e Paz de São Paulo é homenageada pela OAB-SP

Por Fernando Geronazzo
13 de novembro de 2018

OAB São Paulo instruiu a premiação em 1982, para enaltecer pessoas e entidades que se destacam na luta pelos Direitos Humanos

Luciney Martins/O SÃO PAULO

A Comissão Justiça e Paz de São Paulo (CJPSP), organismo da Arquidiocese de São Paulo, foi homenageada pela Ordem dos Advogados do Brasil - Seção São Paulo (OAB-SP) com o Prêmio Franz de Castro Holzwarth de Direitos Humanos. A cerimônia da 34ª edição da premiação aconteceu em 31 de outubro, na sede institucional da OAB-SP, no bairro da Bela Vista.

O prêmio foi recebido pelo atual presidente da Comissão Justiça e Paz, Antônio Funari Filho, e por Margarida Genevois, uma das primeiras atuantes da Comissão. Dom Devair Araújo da Fonseca, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Episcopal Brasilândia, representou o Arcebispo Metropolitano, Cardeal Odilo Pedro Scherer. Também participaram do evento o ex-Ministro da Justiça e membro da Comissão, José Gregori, e o Vice-Presidente da OAB, Fábio Romeu Canton Filho. 

Além da Comissão Justiça e Paz, foram homenageados a Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo e o Instituto Palavra Aberta. 

 

A COMISSÃO

Criada em 1972 por iniciativa do então Arcebispo de São Paulo, Cardeal Paulo Evaristo Arns, a Comissão Justiça e Paz de São Paulo nasceu com o objetivo de denunciar e combater as violações de direitos humanos durante o regime militar brasileiro, amparando e protegendo centenas de presos políticos, que foram perseguidos e torturados, bem como seus familiares. 

Na época, o grupo de trabalho colhia informações e depoimentos das vítimas da ditadura. A Comissão Justiça e Paz também se destacou na atuação pela redemocratização do País, tanto na defesa das eleições diretas quanto na participação popular, como entidade civil, na Constituinte e na campanha pela Anistia. 

A Comissão Justiça e Paz também teve papel significativo na aprovação e implantação do Estatuto da Criança e do Adolescente, do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, da Ouvidoria da Polícia no Estado de São Paulo e da Defensoria Pública do Estado de São Paulo. 

 

O PRÊMIO

O advogado Franz de Castro Holzwarth (1942-1981) dá nome à premiação que visa enaltecer pessoas e entidades que se destacam na luta pelos Direitos Humanos. Ao ser chamado para servir de mediador durante uma rebelião na delegacia de Jacareí (SP), Franz ofereceu-se para ser trocado por um refém dos amotinados. Ele foi levado pelos presos na tentativa de fuga que acabou com o carro metralhado e a morte de todos os ocupantes. Em 8 de novembro de 1982, a OAB-SP instituiu o prêmio com seu nome, um ano depois de sua morte.

(Colaborou: Jenniffer Silva)
 
Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.