SÃO PAULO

Musical

Com texto de Walcyr Carrasco, musical ‘Aparecida’ estreia em São Paulo

Por Nayá Fernandes
02 de abril de 2019

Espetáculo ‘Aparecida’ está em cartaz até o dia 28 de abril, no Teatro Bradesco, no Bourbon Shopping; não há restrições de idade para o público

Fotos: Adriana Doria/Divulgação

Em “Aparecida”, musical com texto de Walcyr Carrasco, a trama é composta pela história do casal Caio (Leandro Luna), um advogado ambicioso, e sua esposa, Clara (Bruna Pazinato), na São Paulo dos dias de hoje. Com a esperança de curar Caio, que perde a visão por causa do tratamento de um câncer, os jovens empreendem uma jornada física e espiritual até a Basílica da Padroeira do Brasil.

Paralelamente, é narrada a história do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, em 1717, desde uma pequena capela em Itaguaçu, no interior de São Paulo, até a Basílica na cidade de Aparecida (SP).

Com direção de Fernanda Chamma, a peça estreou no Teatro Bradesco, na sexta-feira, 22. O espetáculo tem música original e direção musical de Carlos Bauzys, letras de Ricardo Severo, cenografia de Richard Luiz, figurinos de Fábio Namatame, desenho de luz de César de Ramires, desenho de som de Gabriel D’Angelo e produção da MPCult.

 

MILAGRES

Com direção de Fernanda Chamma, a peça estreou no Teatro Bradesco, na sexta-feira, 22. O espetáculo tem música original e direção musical de Carlos Bauzys, letras de Ricardo Severo, cenografia de Richard Luiz, figurinos de Fábio Namatame, desenho de luz de César de Ramires, desenho de som de Gabriel D’Angelo e produção da MPCult.

O “Milagre dos Peixes” (a história dos pescadores que não conseguiam peixes em um rio e, depois de encontrar a estátua em suas redes, são surpreendidos por uma enorme quantidade de peixes); o “Milagre do Escravo Zacarias” (um escravo foragido que, ao entrar numa Capela de Nossa Senhora Aparecida, fugindo de seu feitor, roga à Virgem por sua liberdade e tem suas correntes rompidas de forma inexplicável); e o “Milagre do Cavaleiro Prepotente” (sobre um descrente cavaleiro que pretendia invadir montado em seu cavalo uma igreja e muda sua opinião depois que seu animal prende a ferradura na entrada do prédio).

O musical relembra, também, o atentado sofrido em 1978, quando um jovem quebrou a imagem de Nossa Senhora Aparecida em mais de 200 pedaços; a missa celebrada para reparar esse episódio, em cuja data se estabeleceu oficialmente o “Ato do Desagravo”; e a cuidadosa restauração feita no Museu de Arte de São Paulo (Masp). Depois de restaurada, a imagem foi levada em peregrinação do Masp ao Santuário Nacional, onde foi recebida por milhares de devotos.

 

GRANDE ESPETÁCULO

Com um elenco de 33 artistas e 12 músicos, foram criadas 20 canções originais, dezenas de figurinos e cenários grandiosos para contar a história de Nossa Senhora Aparecida, cujo Santuário recebe mais de 12 milhões de fiéis por ano, de acordo com informações do Santuário.

“Nossa Senhora Aparecida faz parte do cotidiano de milhões de brasileiros. Acredito que mesmo quem não seja católico saberá respeitar o espetáculo que, além disso, teve uma concepção cênica e musical muito original”, comentou Walcyr Carrasco sobre os motivos que o levaram a escrever a obra.

Walcyr se inspirou em uma história contemporânea real para mostrar ao público um exemplo em que a crença proporciona as transformações humanas mais difíceis. “Eu estava em busca de um milagre atual, que reafirmasse a fé. Ao conhecer o casal que protagoniza a história, entusiasmei-me para não criar um espetáculo simplesmente histórico”, revelou o dramaturgo no material de divulgação do evento.

 

CANÇÕES ORIGINAIS

Uma das novidades do espetáculo são as canções de Ricardo Severo, compositor e produtor musical, com músicas originais de Carlos Bauzys. Um dos mais atuantes compositores de trilhas sonoras para a cena, Ricardo trabalha com diretores como Jô Soares, Marco Antônio Pâmio, Fábio Assunção, Neyde Veneziano, Kleber Montanheiro e Otavio Martins.

Já foi contemplado com 20 prêmios por suas trilhas musicais, e suas canções foram interpretadas por artistas como Cida Moreira, Vânia Bastos, Adriana Calcanhotto, Clara Moreno, Branco Mello (Titãs), e, no teatro, por Amanda Acosta, Fafy Siqueira, Nany People e Gabriela Alves.

“Acho que um grande diferencial de nosso musical original está nas letras, que trazem um discurso mais próximo da estética da canção brasileira e não tão direto como nos musicais com estética da Broadway. Todas as letras foram compostas a partir de uma pesquisa intensa que fiz sobre a história de Nossa Senhora Aparecida, de seus milagres, sua mitologia, e dos significados e mensagens por trás de cada momento”, explica Ricardo.

 

EM MOVIMENTO

Uma encenação moderna, cheia de efeitos especiais e que explora bastante a interação do elenco com a cenografia, é resultado do trabalho de Fernanda Chamma. “Quero fazer uma encenação de acordo com as novas tendências do teatro musical atual. O cenário vai ser todo movimentado pelo elenco, inclusive durante as canções e cenas”, disse Fernanda.

“Eu não vou dançar a história de Nossa Senhora Aparecida, vou contá-la por meio do movimento. Vamos usar uma movimentação cênica contemporânea por todo o palco e durante todo o espetáculo, executada por bailarinos experientes do mercado”, acrescentou Fernanda.

Inspirada na arquitetura da Basílica de Aparecida, a cenografia mescla estruturas físicas grandiosas com projeções de vídeo mapeadas. Ao todo, serão 23 mudanças de cenários, com 15 vídeos produzidos para o musical.

Além dessa cenografia inovadora, o musical tem vários efeitos especiais e tecnológicos. Um deles é um cavalo em tamanho natural e todo articulado, feito especialmente para a produção.
 

FICHA TÉCNICA

Texto: Walcyr Carrasco;

Direção Artística e Coreografia 

Fernanda Chamma;

Músicas Originais, Arranjos e Direção Musical: 

Ricardo Severo;

Cenário e Projeções: Richard Luiz;

Figurinos: Fábio Namatame;

Visagismo: Rogério Pontes;

Desenho de Som: Gabriel D’Angelo;

Desenho de Luz: César de Ramires;

Realização: Ministério da Cidadania, Bradesco e MPCult.

 

SERVIÇO

APARECIDA

Duração: 2h15

Classificação: Livre (menores de 12 anos acompanhados pelos pais);

Ingressos: De R$ 75,00 a R$ 220,00 (com meia entrada);

Temporada: Até 28 de abril (sextas-feiras, às 21h; sábados, às 16h e 21h; domingos, às 15h e 19h30).

Teatro Bradesco – Bourbon Shopping (rua Palestra Itália, 500, loja 263 – 3° Piso, Perdizes). Bilheteria: de domingo a quinta-feira, das 12h às 20h; sexta-feira e sábado, das 12h às 22h. Capacidade: 1.439 lugares.

Informações: (11) 3670-4100.

Vendas em: site do teatro

 

LEIA TAMBÉM: Instituto Barrichello utiliza o kart como elemento de transformação social

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.