SÃO PAULO

EM APARECIDA

‘Com Maria, rezemos pelo sínodo arquidiocesano’

Por Cleide Barbosa (da rádio 9 de Julho)
10 de mai de 2019

Com missa presidida pelo Cardeal Scherer, a Arquidiocese de São Paulo realizou sua 118ª Romaria ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida

Luciney Martins/O SÃO PAULO

No primeiro domingo do mês dedicado a Maria, uma tradição renovada há 118 anos testemunha um verdadeiro encontro com Deus por intermédio de Nossa Senhora: a Romaria da Arquidiocese de São Paulo ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida.

Aproximadamente 240 ônibus, além das vans e carros particulares, levaram mais de 12 mil peregrinos das diversas paróquias de São Paulo para viver, em comunhão com fiéis de todo o Brasil, esse momento de fé e devoção junto a Mãe Aparecida. A celebração, que teve início às 10h do dia 5, foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, e concelebrada pelos sete bispos auxiliares e inúmeros padres.

 

ROMEIROS DE NOSSA SENHORA

A Romaria tem um sentido muito especial para os devotos. É o momento de visitar a “Casa da Mãe” para rezar, agradecer alguma graça alcançada ou fazer um pedido especial. Maria Regina da Conceição, 63, da Paróquia Nossa Senhora dos Remédios, na Região Brasilândia, confia seus pedidos a Nossa Senhora e considera a ida ao Santuário Nacional um presente antecipado pelo Dia das Mães.

Um sentimento similar de gratidão é compartilhado por Ivone Mucci, 59, da Paróquia Santa Luzia, da Região Santana, uma, entre tantas fiéis, que aproveita o momento da bênção dos objetos para pedir proteção a Nossa Senhora Aparecida, levando Terços, documentos, chaves, fotografias, entre outros objetos.

Para Olivia de Souza, que acompanhou o grupo de 42 pessoas saído da Pastoral do Menor da Região Brasilândia, peregrinar a Aparecida é sempre uma ocasião oportuna para a evangelização, sobretudo dos atendidos pela Pastoral. E estes, em muitos casos, no ambiente familiar, não encontram os valores da fé e da acolhida materna, podendo recorrer ao coração da Mãe, Padroeira e Rainha do Brasil.

 

MARIA: INSPIRAÇÃO PARA EVANGELIZAÇÃO

Além das representações das seis regiões episcopais e de movimentos, associações e pastorais vinculados à Arquidiocese de São Paulo, o Vicariato Episcopal para a Pastoral do Povo da Rua participou dessa Romaria ainda mais motivado pelo início do sínodo no âmbito do Vicariato – um dos focos do sínodo em 2019 são os vicariatos ambientais, entre eles o do Povo da Rua. “É um momento que eles esperam muito. Eles se sentem parte integrante da cidade, da Igreja, e a devoção a Nossa Senhora é muito grande. Eles falam: ‘Eu não tenho mãe e a única mãe que eu tenho é Nossa Senhora’”, conta Frei Agostinho Teotokos, da Comunidade Voz dos Pobres.

Entre as comunidades com representação na Romaria deste ano, esteve a do Santuário Arquidiocesano de Nossa Senhora Aparecida, no bairro do Ipiranga. O Reitor do Santuário, Padre Zacarias José de Carvalho Paiva, considera a Romaria um grande sinal de fé que recorda o caráter missionário da Igreja. “Nossa Senhora é aquela que no Congresso Eucarístico de 1942 visitou toda a Arquidiocese de São Paulo, deu todo esse impulso eucarístico em todo o Brasil, especialmente em São Paulo, sinal da efervescência católica na década de 40 e que precisava de fato acontecer. Hoje, o sínodo é essa grande motivação. A vinda do Santuário, junto com a Arquidiocese, quer ser um grande sinal eucarístico para a Igreja em São Paulo.”

Segundo Padre Zacarias, o caminho sinodal é um momento favorável para que o Santuário Arquidiocesano se torne cada vez mais referência de devoção mariana e peregrinação na Capital Paulista. “O tempo do sínodo para nós no Santuário vai ser um tempo de refazer nossas práticas pastorais, caminhar junto com a Arquidiocese de São Paulo, buscar um maior impulso missionário dentro da nossa cidade, levando, sobretudo, a devoção a Nossa Senhora Aparecida”, destaca.

 

'ENCHER SÃO PAULO COM O TESTEMUNHO DE JESUS'

No início da homilia, Dom Odilo falou brevemente sobre os laços históricos que unem as Arquidioceses de Aparecida e de São Paulo, e fez votos para que esses laços se aprofundem cada vez mais. Neste ano, a Romaria da Arquidiocese de São Paulo teve como principal motivação a oração pelo sínodo arquidiocesano – “caminho de comunhão, conversão e renovação missionária” –, que, em 2019, segue em sua segunda etapa.

A exemplo dos apóstolos que, ao anunciar a Palavra, sofreram perseguições e até mesmo o martírio (At 5,27-32.40-41), mas encheram a cidade de Jerusalém com a pregação da Palavra, o Cardeal exortou os fiéis a encher São Paulo com essa pregação, como testemunhas de Jesus. “Esta é a nossa missão: encher São Paulo com o testemunho de Jesus, com o Evangelho, com o anúncio do Reino de Deus”, ressaltou Dom Odilo, ao recordar que este é um dos propósitos do sínodo arquidiocesano.

Ao refletir sobre o relato da última manifestação do Ressuscitado aos seus discípulos, com ênfase para a “pesca milagrosa” e o diálogo de Jesus com Pedro (cf. Jo 21,1-19), o Cardeal disse que todos são chamados a olhar a realidade da Arquidiocese como os discípulos, para que o trabalho pastoral dê fruto. “O trabalho da Igreja não é uma movimentação simplesmente por nossa conta, mas se for por Ele, pelo Espírito Santo, nosso trabalho evangelizador tem frutos. Por isso, nosso sínodo vai confiado à ação do Espírito Santo, para renovar nossa missão, a vida eclesial e o testemunho de Jesus na cidade.” 

 

ASSEMBLEIA DA CNBB

Também na homilia, Dom Odilo recordou que a Romaria Arquidiocesana aconteceu no contexto da 57ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que teve como trabalho principal atualizar as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. Lembrou, ainda, que, em muitos aspectos, o Documento, com foco na evangelização das cidades, dialoga com o caminho sinodal, pelo qual passa a Arquidiocese. Outro aspecto ressaltado do novo Documento é a valorização das comunidades, em suas muitas expressões, e da Igreja doméstica – as famílias – “como lugar que Deus habita e quer habitar”.

Ainda o Cardeal afirmou que o testemunho de milhares de romeiros da Arquidiocese reafirma a “convicção de que nossa Igreja está reunida em torno de Jesus, mas também em torno de Maria, a Mãe de Jesus, nossa Mãe e Mãe da Igreja”, finalizou.


 

VOCÊ SABIA?

O hino “Viva a Mãe de Deus e Nossa” também está diretamente ligado à peregrinação paulistana. A música foi composta em 1905 para a Romaria Arquidiocesana. A canção se popularizou e, desde 1951, passou a ser utilizada pelo Santuário Nacional nas celebrações marianas.

 

LEIA TAMBÉM: Deus sempre é o centro da Liturgia

 

Romaria da Arquidiocese de São Paulo ao Santuário Nacional de Aparecida

Luciney Martins/O São Paulo
Luciney Martins/O São Paulo

Romaria da Arquidiocese de São Paulo ao Santuário Nacional de Aparecida

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.