Igreja no Brasil lançará ações voltadas ao Pacto Educativo Global

Por
29 de janeiro de 2020

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) irá lançar, na sexta-feira, 31, o projeto “A Igreja no Brasil, com o Papa Francisco, pelo Pacto Educativo Global”. A iniciativa é uma parceria da Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura e a Educação, a Associação Nacional de Educação Católica (Anec), a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) e outros organismos.

No lançamento, será apresentado o Pacto Educativo Global, a ser celebrado pelo Papa Francisco, em 14 de maio de 2020, no Vaticano. O convite foi lançado pelo Pontífice no dia 12 de setembro de 2019, com o objetivo de “reconstruir o pacto educativo global” e celebrar os 5 anos da Encíclica Laudato Si', sobre o cuidado da casa comum. A liderança do Papa nesse processo já havia sido apontada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), quando a instituição indicou que a humanidade carece de “uma autoridade moral” capaz de liderar uma aliança mundial pela educação, como o Papa Francisco.

CONVITE DO PAPA

Em setembro de 2019, o Pontífice fez um convite, por meio de uma mensagem em vídeo, a educadores e jovens para a participação do evento no Vaticano. Ele explicou que se trata de um “encontro para reavivar o compromisso em prol e com as gerações jovens, renovando a paixão por uma educação mais aberta e inclusiva, capaz de escuta paciente, diálogo construtivo e mútua compreensão”.

Para alcançar esses objetivos globais, Francisco indica três passos ou três “coragens”: a coragem de colocar no centro a pessoa, a coragem de investir as melhores energias e a coragem de formar pessoas disponíveis para se colocarem ao serviço da comunidade.

NO BRASIL

O evento que acontecerá na sede da CNBB, em Brasília (DF), será apresentado uma proposta de caminho de vivência, partilha de experiências em preparação à celebração do Pacto Educativo Global para a Igreja no Brasil e um itinerário pós 14 de maio.

O projeto prevê uma série de atividades, como um Seminário Nacional de Educação, sensibilização sobre o pacto na 58ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, em abril deste ano, e uma plataforma online para partilha de projetos e práticas educativas na perspectiva do humanismo solidário e da ecologia integral proposta pela encíclica Laudato Si'.

ASSISTA AO VÍDEO DO CONVITE DO PAPA FRANCISCO:

(Com informações de CNBB e Vatican News)

Comente

Começa 8ª Curso Nacional de Fé e Política

Por
23 de janeiro de 2020

Foi aberto nesta segunda-feira, 20, e segue até o dia 1º de fevereiro, em Brasília (DF) a 8ª edição do Curso Nacional de Fé e Política, Centro Nacional de Fé e Política Dom Helder Câmara (CEFEP).

O objetivo do curso é fomentar um pensamento social cristão à luz da dos valores evangélicos e da Doutrina Social da Igreja e contribuir com a formação de lideranças inseridas na política, em suas diferentes formas e níveis. Realizado em parceria com a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, que oferece o certificado de extensão, o curso tem duração de dois anos (2020 e 2021).

São, em média, 180 horas de aulas presenciais, seis disciplinas, intercaladas com mais 180 horas de aulas na modalidade de educação à distância (EAD).

PARTICIPANTES

A formação é destinada a pessoas atuem em movimentos, pastorais e organismos eclesiais, e pessoas com responsabilidades em organizações e movimentos sociais, que pretendam ou ocupem cargos públicos.

Participam do curso 50 pessoas de diferentes regiões do País. Do Regional Sul 1 da CNBB, que compreende as dioceses paulistas, participam a coordenadora estadual da Pastoral Fé e Política, Mônica de Cássia Vieira Lopes; a coordenadora da Pastoral da Menor da Arquidiocese de São Paulo, Sueli Camargo; o agente da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de Ribeirão Preto, Luiz Carlos Vigatto; José Rubens de Souza, indicado pela Escola de Política e Cidadania de São José dos Campos e membro do Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB) diocesano; Robinson Zanutto, agente articulador da Pastoral Fé e Política de Santo André.  

Sueli Camargo parabenizou a iniciativa que considera de extrema importância a formação para os leigos cristãos que atuam nas realidades sociais, “na perspectiva da fé, unida com a questão cultural e política, à luz do Evangelho”.

A coordenadora da Pastoral do Menor ressaltou, ainda, ao O SÃO PAULO, que a participação de pessoas de diferentes regiões permite perceber o quanto há cristãos dispostos a transformar a realidade da sociedade unindo a fé e a política.

O CEFEP é um serviço ligado à Comissão para o Laicato da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que se ocupa particularmente da Formação Política dos cristãos leigos/as. Ele se organiza também nos regionais da CNBB, através da articulação das Escolas Locais de Fé e Política.

(Com informações do Regional Sul 1 e CEFEP)

 

 

 

Comente

Definido tema da Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2021

Por
09 de janeiro de 2020

A Comissão da Campanha da Fraternidade Ecumênica definiu o tema da sua próxima edição, em 2021: “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor” e o lema “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade” (Ef 2,14).

O tema e lema foram definidos em uma reunião realizada na sede do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic), em Brasília (DF), na terça-feira, 7.

A Comissão é formada por representantes das igrejas membro do Conic, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), da Igreja Betesda, como igreja observadora, e do Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e à Educação Popular (Ceseep), como membro fraterno. O secretário executivo de Campanhas da CNBB, Padre Patriky Samuel Batista, participou da reunião representando a Conferência.

ENTRE IRMÃOS

O Conic é constituído pelas Igrejas Católica Apostólica Romana, Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Episcopal Anglicana do Brasil, Presbiteriana Unida, a Sirian Ortodoxa de Antioquia e a Aliança de Batistas do Brasil.

Segundo a secretária-geral do Conic, Romi Bencke, realizar mais uma Campanha da Fraternidade Ecumênica, neste contexto de “polarização e agressões”, demonstra, na prática, compromisso com o diálogo, um mandato inegociável do Evangelho. “O tema da Campanha pretende afirmar que as diferenças nos enriquecem ao invés de nos ameaçar. Apesar de parecer que a fraternidade ficou fora de moda, acreditamos que o Batismo nos torna irmãos e irmãs”, avaliou.

CAMPANHAS ECUMÊNICAS

A última Campanha da Fraternidade Ecumênica realizada pela CNBB e pelo Conic foi em 2016 com tema “Casa comum, nossa responsabilidade” e lema “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24), com foco no saneamento básico, desenvolvimento, saúde integral e qualidade de vida aos cidadãos.

A primeira edição ecumênica da CF foi realizada em 2000, com o tema “Dignidade humana e paz” e lema “Novo milênio sem exclusões”. A segunda, em 2005, abordou “Solidariedade e Paz” e “Felizes os que promovem a paz”. A Campanha de 2010 tratou da “Economia e Vida”, a partir do lema “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro”.

Comente

Divulgado vídeo oficial da Campanha da Fraternidade 2020

Por
06 de janeiro de 2020

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou o vídeo oficial da Campanha da Fraternidade (CF) 2020. A produção apresenta experiências de cuidado com a vida em suas várias dimensões encontradas Brasil afora e poderá ser utilizado para auxiliar as reflexões sobre o tema deste ano “Fraternidade e vida: dom e compromisso”.

Segundo as Edições CNBB, o vídeo oferece um panorama completo, com todo o referencial necessário “para viver, difundir e praticar os preceitos desta edição da CF”. E, neste ano, não será colocado um DVD à venda, mas oferecido diretamente às comunidades.

“Além de uma abordagem fundamentada para cada um dos pilares: ‘Viu, Sentiu e Cuidou’, o vídeo auxiliará nossas comunidades na divulgação e aprofundamento do tema e do lema da Campanha, bem como na assimilação da relevância do assunto para a nossa sociedade”, lê-se na descrição do vídeo disponível no canal da CNBB no Youtube. O lema refere-se à parábola do Bom Samaritano (Lc 10, 33-34), que inspira e ensina o compromisso de cuidar do dom da vida.

NAS COMUNIDADES

O Secretário Executivo de Campanhas da CNBB, Padre Patriky Samuel Batista, ressalta as diversas ações de cuidado em favor da vida promovidas pela Igreja em várias partes do Brasil e “as diversas situações onde a vida tem sido descuidada e necessita de uma intervenção evangélica fruto de um coração convertido pela Palavra de Deus”.

O vídeo intercala experiências de cuidado com a vida com frases de Santa Dulce dos Pobres, religiosa baiana canonizada em outubro passado e, segundo Padre Patriky, “a grande inspiradora, boa samaritana para os dias atuais”, exemplo de que “vida doada é vida santificada”.

“Conheça o vídeo, divulgue na sua paróquia, nas suas comunidades a fim de estabelecermos uma grande corrente do bem, que Deus abençoe e vos faça muito felizes!”, desejou o Secretário Executivo.

ASSISTA AO VÍDEO:

 

Comente

CNBB repudia produções midiáticas que desrespeitam a fé cristã

Por
19 de dezembro de 2019

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou uma nota na tarde desta quinta-feira, 12, na qual critica a postura de “artistas” que, em nome da liberdade de expressão, desrespeitam símbolos sagrados da fé cristã.

O texto, assinado pela presidência da entidade, foi publicado após a recente repercussão de um vídeo produzido por um grupo humorístico na internet, que provocou a manifestação de inúmeros católicos e cristãos de outras denominações que se sentiram ofendidos pela forma com a qual a figura de Jesus e os relatos bíblicos foram apresentados na produção.

“Ridicularizar a crença de um grupo, seja ele qual for, além de constituir ilícito previsto na legislação penal, significa desrespeitar todas as pessoas, ferindo a busca por uma sociedade efetivamente democrática, que valoriza todos os seus cidadãos”, diz o manifestação do episcopado.

Confira abaixo a íntegra da nota:   

Nota ofical da CNBB sobre o desrespeito à fé cristã

Examinai tudo e ficai com o que é bom! (1 Ts 5,21)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) repudia recentes fatos que, em nome da liberdade de expressão e da criatividade artística, agridem profundamente a fé cristã. Ridicularizar a crença de um grupo, seja ele qual for, além de constituir ilícito previsto na legislação penal, significa desrespeitar todas as pessoas, ferindo a busca por uma sociedade efetivamente democrática, que valoriza todos os seus cidadãos.

A Igreja nunca deixou de promover a arte e a liberdade de expressão. Por isso, a CNBB reitera que toda produção artística respeite “os sentimentos de um povo ou de grupos que vivem valores, muitas vezes, revestidos de uma sacralidade inviolável”. Quando há desrespeito em produções midiáticas, os meios de comunicação tornam-se violentos, verdadeiras armas que contribuem para ridicularizar e matar os valores mais profundos de um povo.

Vivemos em uma sociedade pluralista. Nem todos têm as mesmas crenças. Devemos, no entanto, como exigência ética e democrática, respeitar todas as pessoas. Nada permite a quem quer que seja o direito de vilipendiar crenças, atingindo vidas. O direito à liberdade de expressão não anula o respeito às pessoas e aos seus valores.

Neste tempo de Advento, somos convocados a permanecer firmes na fé, constantes na esperança e assíduos na caridade. Não podemos nos deixar conduzir por atitudes de quem, utilizando a inteligência recebida de Deus, agride esse mesmo Deus. Um dia, haveremos de prestar contas de todos os nossos atos.

Diante, pois, dessas agressões, respeitando a autonomia de cada pessoa a reagir conforme sua consciência, a CNBB clama a todos os cidadãos brasileiros a se unirem por um país com mais justiça, paz, respeito e fraternidade.

Brasília-DF, 12 de dezembro de 2019

Festa de Nossa Senhora de Guadalupe

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo de Belo Horizonte – MG

Presidente da CNBB

Dom Jaime Spengler

Arcebispo de Porto Alegre – RS

1º Vice-Presidente da CNBB

Dom Mário Antônio da Silva

Bispo de Roraima – RR

2º Vice-Presidente da CNBB

Dom Joel Portella Amado

Bispo Auxiliar de S. Sebastião do Rio de Janeiro – RJ

Secretário-Geral da CNBB

 

LEIA TAMBÉM: 

Juristas católicos emitem nota em defesa do sentimento religioso

 

Comente

'Repudiamos toda forma de violência', diz Regional Sul 1 sobre mortes em Paraisópolis

Por
03 de dezembro de 2019

O Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que compreende o estado de São Paulo, emitiu uma nota na qual lamenta pelas mortes de nove pessoas pisoteadas e 12 ficaram feridas durante uma ação policial em um baile funk em Paraisópolis (Diocese de Campo Limpo), na zona Sul da capital paulista, na madrugada deste domingo, 1º.

“Queremos manifestar nosso lamento pelos atos violentos que resultaram nesta tragédia”, afirmam os bispos, que reiteraram, ainda, seu repúdio a “toda forma de violência, manifestação de ódio e desrespeito à vida”.

O episcopado expressou “a fraternal solidariedade da Igreja Católica às famílias atingidas por este grave golpe mortal e sangrento, que dilacerou seus corações”.

“Reafirmamos nossa opção preferencial pela juventude fazendo ecoar, nesta lamentável circunstância, o grito de milhões de jovens excluídos do direito à educação, ao trabalho, ao lazer e acesso aos bens culturais deste País”, completa a nota.

ENTENDA O CASO

Há duas versões sobre o que aconteceu em um baile funk de Paraisópolis. A polícia diz que a confusão foi provocada por criminosos, que atiraram contra militares e usaram frequentadores da festa como “escudo humano”. Parentes de vítimas contestaram e falaram em uma “emboscada” da PM.

A Polícia Militar de São Paulo informou que a Corregedoria da corporação abriu inquérito para averiguar a conduta dos agentes que atuaram no episódio.

LEIA A ÍNTEGRA DA NOTA:

Nota do Regional Sul 1 da CNBB

"Ele há de julgar as nações e arguir numerosos povos; estes transformarão suas espadas em arados e suas lanças em foices: não pegarão em armas uns contra os outros e não mais travarão combate" (Is 2,4).

Nós, Bispos do Regional Sul 1, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), diante da triste e assustadora notícia da grave ocorrência em Paraisópolis, na Cidade de São Paulo, na madrugada deste 1° de dezembro, em que nove jovens perderam suas vidas e vários outros foram feridos, queremos manifestar nosso lamento pelos atos violentos que resultaram nesta tragédia.

Tendo em nossos corações os mesmos sentimentos de Jesus Cristo, repudiamos toda forma de violência, manifestação de ódio e desrespeito à vida.

De modo particular, expressamos a fraternal solidariedade da Igreja Católica às famílias atingidas por este grave golpe mortal e sangrento, que dilacerou seus corações. Reafirmamos nossa opção preferencial pela juventude fazendo ecoar, nesta lamentável circunstância, o grito de milhões de jovens excluídos do direito à educação, ao trabalho, ao lazer e acesso aos bens culturais deste País.

Nas periferias dilaceradas pela ausência de recursos materiais e políticas públicas indispensáveis ao bem-estar, fraternidade e sociabilidade, em que se partilhe a vida com alegria e segurança, compreendemos que nossos jovens pobres e carentes procurem, a seu modo e como podem, oportunidades de lazer e encontro. Cumpre a todas as pessoas de boa vontade e senso ético, particularmente nas instâncias políticas responsáveis pelos aparatos de segurança do Estado, propiciar a todos, principalmente à população mais vulnerável, oportunidades e projetos eficazes que visem à superação da violência e das desigualdades econômicas e sociais. Não é ético nem patriótico que os recursos humanos e materiais sejam instrumentalizados para ferir e eliminar a vida e a dignidade de cada ser humano.

A Igreja católica reafirma seu propósito e compromisso com a evangelização da juventude, na convicção que, providos dos mais nobres sentimentos e valores familiares, culturais, religiosos e humanos, os jovens trilharão caminhos de justiça e cidadania, livres das circunstâncias que conduzem à violência e à morte.

Que a mensagem de amor e a paz, celebrada no Natal que se aproxima, seja o horizonte de esperança nos caminhos da juventude e da sociedade brasileira. E que Jesus Cristo renasça em nossos corações.

Dom Pedro Luiz Stringhini - presidente

Dom Edmilson Amador Caetano - vice-presidente

Dom Luiz Carlos Dias - secretário

Comente

Dom Valmor Oliveira de Azevedo faz balanço da 100ª reunião do Conselho Permanente

Por
29 de novembro de 2019

Terminada a 100ª reunião do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que aconteceu em Brasília (DF), de 26 a 28 de novembro, o Arcebispo de Belo Horizonte (MG) e Presidente da entidade, Dom Walmor Oliveira de Azevedo fez um balanço dos debates e encaminhamentos do encontro.

Em um vídeo gravado com exclusividade pela assessoria de imprensa da entidade, Dom Walmor compartilha a preocupação dos bispos com a assessoria política e análise da conjuntura social e eclesial. “Não podemos caminhar sem conhecer a realidade, ela nos desafia. Precisamos conhecê-la para darmos respostas à luz dos valores intocáveis e inegociáveis do Evangelho”, disse.

Na ocasião, Dom Walmor compartilhou a experiência “bonita” dos testemunhos de irmãs de várias congregações no Haiti com os mais pobres. “Ouvimos de nossos irmãos bispos experiências missionárias importantes e, ao mesmo tempo, a experiência bonita de uma igreja viva missionária presente”, afirmou.

O Arcebispo destacou também a importância do trabalho com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. “Estamos nós agora empenhados a fazer da Igreja casa da Palavra, casa do Pão, casa da Missão e casa da Caridade”, disse. E por isso, dom Walmor salientou que os bispos escolheram como temática da 58ª Assembleia Geral da CNBB, a ser realizada em abril de 2020: “Evangelizar pelo anúncio da Palavra de Deus”.

Por fim, outro assunto de destaque citado no vídeo por Dom Walmor é a atuação da Comissão Especial para a Tutela de Menores. “Estamos realizando esse trabalho grande de enfrentar o crime da pedofilia e como Igreja darmos a resposta que devemos”, garantiu. Outros temas como a criação do regional Leste 3 e a importância do Conselho Episcopal Latino-Americano, o Celam, foram abordados pelo Arcebispo.

Confira, abaixo, o vídeo na íntegra:

Comente

Em última reunião do ano, assessores das Comissões levantam propostas para a 58ª Assembleia Geral

Por
26 de novembro de 2019

Na última reunião do ano do Grupo de Assessores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) realizada dia 25 de novembro, na sede da entidade em Brasília, os participantes foram provocados a pensar sugestões para a 58ª Assembleia Geral do Episcopado brasileiro de abril de 2020. O trabalho da manhã, para levantamento de sugestões para a assembleia, foi orientado pelo Secretário-Geral da CNBB, Dom Joel Amado.

Segundo o Secretário Adjunto de Pastoral da CNBB, Padre Marcus Barbosa, também assessor para a Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo da CNBB, o tema central da próxima Assembleia nacional dos Bispos do Brasil será: “Evangelização e a Palavra de Deus”.

Tratou-se de levantar propostas para pensar a elaboração de um texto base preparatório ao encontro do episcopado brasileiro. Segundo padre Marcus, a ideia é produzir um texto-base simples e popular, com linguagem acessível, que trabalhe a evangelização e a centralidade da Palavra de Deus. O Secretário Adjunto de pastoral destacou que o esquema e a estrutura do texto serão apresentados para a aprovação na 100ª Reunião do Conselho Permanente da entidade de 26 a 28 de novembro.

Outro ponto, considerado importante da reunião, foi a conclusão do Plano Quadrienal – 2020 a 2023. Segundo o Padre Marcus, é o Plano que reflete o rosto da CNBB e os projetos por meio do trabalhos das Comissões Episcopais Pastorais e da entidade.

O Padre Juarez Albino Destro, assessor da Comissão Episcopal Pastoral dos Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada, destacou a importância da reunião de Assessores como fundamental para avançar no trabalho conjunto, especialmente na CNBB com sua missão na Igreja no Brasil. “São reuniões essenciais porque demonstra um interesse de trabalhar em rede”, disse.

Outros temas foram discutidos pelos assessores como o Sínodo da Amazônia: informações e compromissos, o projeto de Comunicação da CNBB – novos desdobramentos, a Revista CNBB em Ação e o Comunicado das Comissões. A reunião terminou com uma celebração eucarística, no final do dia.

Comente

Comissão Representativa se reúne em São Paulo

Por
22 de novembro de 2019

Na quinta-feira, dia 20, aconteceu em São Paulo, na sede do Regional Sul 1 Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Reunião Ampliada da Comissão Episcopal Representativa.

O encontro, conduzido pelo presidente do Regional  e bispo diocesano de Mogi das Cruzes, dom Pedro Luiz Sringhini, contou com a participação dos Bispos responsáveis das Comissões Episcopais e das sub-regiões pastorais, padres subsecretários e representantes dos Organismos,  Pastorais, Movimentos e serviços eclesiais vinculados ao Regional.

Após a saudação,  dom Pedro exibiu o vídeo da Campanha para a Evangelização 2019, destacou o objetivo da Campanha e explicou que a coleta auxilia na arrecadação de recursos para a realização da missão evangelizadora, como a promoção de diversas iniciativas de formação, que contribuem com a manutenção da CNBB e também o financiamento de diversas iniciativas pastorais promovidas nas dioceses e nos 18 regionais da entidade.

O encontro teve como principal discussão  indicações pastorais, elaboradas pelos participantes durante Assembleia das Igrejas, em Aparecida, entre os dias 25 e 27 de outubro de 2019.

De acordo com o texto, entre os apontamentos, destacam-se a acolhida das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora 2019-2023; Espiritualidade missionária; Acolher o Sínodo da Amazônia, segundo as palavras do Papa Francisco, a partir de um diagnóstico que leve em conta os aspectos cultural, social, pessoal e ecológico; Igreja servidora: o serviço ao Povo de Deus: olhar a realidade dos pobres a partir dos desafios do presente: os submundos da violência, das drogas, das prisões; o sofrimento das crianças e dos idosos;  Campanha da Fraternidade 2020 – Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso – “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34); Recurso aos meios de comunicação; Comunidades eclesiais mais fraternas, solidárias, acolhedoras; Valorização do convite pessoal e valorização da pluralidade.

A questão dos procedimentos de gestão administrativa-financeira das pastorais foi o outro assunto apresentado durante a reunião. O secretário-executivo do Regional Sul 1, padre Walter Merlugo, conduziu reflexão.

Ainda durante o evento, houve um encontro privativo dos bispos e um momento com os padres das sub-regiões, conduzido pelo secretário executivo do Regional Sul 1, padre Walter Merlugo Júnior.

Ao final, os presentes assistiram um breve vídeo da Ação Missionária em prol da Missão na Diocese de Pemba, em Moçambique, que será divulgado nas redes sociais da entidade para fortalecer, sensibilizar e despertar a consciência missionária

Com informações e fotografia do regional Sul 1 da CNBB.

Comente

Lançada Campanha Missionária 2019

Por
18 de setembro de 2019

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e as Pontifícias Obras Missionárias (POM) lançaram na tarde desta terça-feira, 17, o Mês Missionário Extraordinário e a Campanha Missionária 2019. A cerimônia aconteceu na sede da entidade em Brasília, no contexto de realização da reunião do Conselho Episcopal Pastoral (Consep).

O Mês Missionário Extraordinário, foi Convocado pelo Papa Francisco em outubro de 2017, e tem como “Batizados e enviados: A Igreja de Cristo em missão no mundo”. Seu objetivo quer despertar a consciência da missão ad gentes, além-fronteiras. Realizada no Brasil desde 1972, no mês de outubro, a Campanha Missionária ganhou este ano um maior impulso eclesial com a coincidência do Mês Missionário Extraordinário e do Sínodo para a Amazônia.

MISSIONARIEDADE

Durante o lançamento, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, Arcebispo de Belo Horizonte (MG) e Presidente da CNBB, disse que a ocasião é o mais importante momento que faz com que a Igreja cumpra a sua razão de ser: evangelizar.  Ele lembrou, ainda, que sem a missionariedade a Igreja morre. “Ela pode até permanecer, mas será uma burocracia ou será possivelmente uma organização, mas sem vida”, alegou.

Em sua fala, dom Walmor chamou atenção ainda para o fato de que a missionariedade na Igreja interpela no coração de cada um de nós o que somos, o que temos, o que repartirmos, sobretudo na coragem bonita de ir ao encontro sem pressa.

Padre Maurício da Silva Jardim, Diretor das POM, afirmou que os missionários são os primeiros destinatários do encontro que Jesus fez. “Ele olhou para nós com misericórdia, olhou para nós com amor e por isso que nós estamos aqui”, disse. Ele reiterou ainda que a missão nasce de um coração apaixonado, de um coração que arde, que se motiva na espiritualidade e na escuta da Palavra. “A missão é o lugar para a gente encontrar Jesus, que fala para nós através do seu povo e, sobretudo, dos pobres e temos muito a aprender”, finalizou.

DIA MUNDIAL DAS MISSÕES

Na Mensagem para o Dia Mundial das Missões de 2019, o Papa Francisco explicou que a finalidade da celebração do Mês Missionário Extraordinário é ajudar, em primeiro lugar, “a reencontrar o sentido missionário e a nossa adesão”.

O Santo Padre destacou, ainda, a “coincidência providencial” do mês missionário extraordinário com a celebração do Sínodo Especial sobre as Igrejas na Amazônia. “Um renovado Pentecostes abra de par em par as portas da Igreja, a fim de que nenhuma cultura permaneça fechada em si mesma e nenhum povo fique isolado, mas se abra à comunhão universal da fé. Que ninguém fique fechado em si mesmo, na autorreferencialidade da sua própria pertença étnica e religiosa”.

EM SÍNODO ARQUIDIOCESANO

Na Carta Pastoral à Arquidiocese publicada em janeiro, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, convocou todas as paróquias e comunidades, com suas organizações eclesiais e pastorais a celebrarem o Mês Missionário Extraordinário, como parte das ações do sínodo Arquidiocesano de São Paulo.

Dom Odilo recordou que o mês temático convocado pelo Papa Francisco comemora o centenário da Carta Apostólica do Papa Bento XV Maximum Illud (1918), sobre a “grande e sublime missão da Igreja”. Ele destacou que essa Carta Apostólica lança um forte apelo à renovação missionária da Igreja, sobretudo em vista da evangelização “de toda a criatura”, conforme o mandato de Cristo aos apóstolos.

SUGESTÕES DE AÇÕES

A Congregação para a Evangelização dos Povos e as POM indicaram algumas propostas para a vivência do Mês Missionário Extraordinário em todo o mundo.

  1. Organizar uma celebração diocesana ou nacional para a abertura do Extraordinário Mês Missionário de outubro de 2019;
  2. Celebrar a Vigília Missionária com o tema proposto pelo Santo Padre;
  3. Propor uma celebração eucarística a nível diocesano para o domingo do Dia Missionário Mundial;
  4. Propor que pequenos grupos de pessoas ou famílias se reúnam pelas casas para rezar o Santo Rosário com intenções missionárias, inspirados na intuição original da Venerável Pauline Jaricot, fundadora da Pontifícia Obra Missionária da Propagação da Fé;
  5. Promover uma peregrinação mariana ou a um santuário, memória de santos ou mártires da missão;
  6. Promover coleções de ofertas e doações econômicas para apoiar o trabalho apostólico Missio ad gentes e a formação missionária;
  7. Propor aos jovens uma atividade pública de anúncio do Evangelho;
  8. Organizar uma celebração diocesana ou nacional para o Encerramento do Mês Extraordinário Missionário de outubro de 2019.

(Com informações de CNBB)

LEIA TAMBÉM:

Cardeal Scherer: Mês missionário extraordinário

 

Comente

Páginas

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.