SÃO PAULO

Devoção

Cardeal Scherer preside missa na festa de Santa Paulina

Por Nayá Fernandes
16 de julho de 2018

A comunidade da Capela Sagrada Família e Santa Paulina, localizada no bairro do Ipiranga, reuniu-se para festejar a padroeira.

Luciney Martins/O SÃO PAULO

Às 19h, a Capela Sagrada Família e Santa Paulina, no bairro do Ipiranga, estava lotada para a celebração presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, na memória litúrgica de Santa Paulina, na segunda- -feira, 9. 

Irmãs da Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição de todo o Brasil, leigos da Família Madre Paulina (Famapa) e outras pessoas da comunidade prepararam uma celebração festiva, com encerramento da novena, missas durante todo o dia e barracas do lado externo da igreja onde viveu e morreu Santa Paulina. 

“Este lugar, este bairro e esta cidade foram santificados pela presença de Madre Paulina, que dedicou sua vida aos pobres”, disse Dom Odilo, durante a homilia. “Viemos festejar Santa Paulina e lembrar dela, porque a Igreja a reconheceu e proclamou santa e porque ela viveu santamente, mas também porque estamos à procura daquilo que Santa Paulina irradiou durante a vida”, afirmou o Cardeal. Ele salientou que todos devem agradecer a Deus pela vida e pelo testemunho de Santa Paulina, porque, com o testemunho dos santos, “também nós nos aproximamos de Deus”. 

Pela manhã, enquanto participava da conclusão da Missão de Férias dos Seminaristas da Arquidiocese de São Paulo, Dom Odilo recontou alguns aspectos da história de Santa Paulina e recordou que ela viveu em São Paulo como uma imigrante italiana na virada do século XIX ao XX e na primeira parte deste. 

“No fim do século XIX, vivíamos o início da República e foi decretado o fim da escravidão. Muitos antigos escravos continuaram nas fazendas ou nas casas onde estavam. A maioria, porém, foi para as ruas. Idosos, doentes, crianças, mulheres. Santa Paulina, com suas companheiras, começou a se dedicar a essas pessoas. Assim começou todo o trabalho de caridade. Ela foi uma santa da caridade concreta, das obras de misericórdia concretas”, continuou o Cardeal.

 

UMA GRANDE FAMÍLIA

Em entrevista ao O SÃO PAULO , Irmã Rosacy Soares Costa, Vice-coordenadora geral da Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, disse que o fato de Santa Paulina ser uma das padroeiras do sínodo arquidiocesano é motivo de grande alegria para a Congregação e para toda a Igreja.  

“Santa Paulina é uma mulher simples, mas que doou sua vida em favor dos pobres e necessitados. Aqui nesta cidade ela foi caridade, foi amor em pessoa”, disse Irmã Rosacy. A Congregação está presente em 12 países. 

Priscila e Sidney Delbello são casados e moram em São Paulo há 2 anos. Eles vieram de Juiz de Fora (MG) após Sidney receber uma transferência do trabalho e conseguir uma bolsa de estudos em São Paulo. “Assim que chegamos no bairro do Ipiranga, vimos esta capela e começamos a participar. Logo fomos convidados a fazer parte da Família Madre Paulina (Famapa) e começamos a trabalhar como voluntários”, contou Priscila. 

Os dois estavam desde às 7h trabalhando na barraca de bebidas da festa. “Somos sozinhos em São Paulo, e a Famapa é uma família para nós. Isso sem contar todo o trabalho social realizado”, continuou Priscila, que é psicóloga.
 

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.