Dom Odilo: o foco do Sínodo é a missão da Igreja na Amazônia

Por
11 de outubro de 2019

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, ressaltou que o Sínodo dos Bispos para a Amazônia tem como foco a missão evangelizadora da Igreja na região amazônica.

No programa “Encontro com o Pastor” desta quarta-feira, 9, na rádio 9 de Julho, Dom Odilo enfatizou que os bispos não estão reunidos com o Papa no Vaticano pra tomar decisões políticas ou que cabem aos governos, “mas para fazer uma reflexão sobre aquilo que é a missão da Igreja em relação às questões da Amazônia”.

Em viagem a Roma para a participação do Consistório para criação de 13 novos cardeais, celebrado no sábado, 5, e para a Canonização da Beata Dulce dos Pobres, que acontecerá no próximo domingo, 13, o Cardeal Scherer, também participou da missa de abertura do Sínodo, presidida pelo Papa Francisco no domingo, 6, na Basílica de São Pedro.

POVOS E MEIO AMBIENTE

Dom Odilo explicou aos ouvintes que neste momento acontecem no Sínodo os debates sobres os vários temas que estão relacionados com as questões da Amazônia e a sua região nesse território que compreende, além do Brasil, mais oito países da América do Sul.

Dentre as questões que interessam a Igreja na região Amazônica está a situação dos povos que ali vivem – indígenas, ribeirinhos e caboclos –, seja no interior como nas cidades. “A Igreja tem uma missão em relação ao homem da Amazônia”, afirmou Dom Odilo.

Por outro lado, recordou o Arcebispo, o Sínodo também discute temas relacionados ao meio ambiente e o cuidado necessário para preservar o que o Papa Francisco chama de “casa comum”, tema de sua Encíclica Laudato si’. Tal cuidado da natureza, acrescentou o Cardeal, é importante para os que hoje vivem da natureza, como para que as futuras gerações.

MISSÃO

Dom Odilo salientou, ainda, que o foco do Sínodo é a missão da Igreja, sua presença na Amazônia, carências, e os desafios par aa evangelização nessa região. Ele chamou a atenção, por exemplo, para o avanço dos movimentos neopentecostais nas comunidades amazônicas, apontando que umas das causas seja o fato de a Igreja Católica não estar suficientemente presente.

“Precisamos encontrar modos e meios de nos fazer presentes de maneira mais eficaz na grande Amazônia. Esta é a questão que o Papa Francisco está colocando: a Igreja na Amazônia precisa encontrar novos caminhos para a evangelização”, reforçou o Cardeal.

Novos caminhos, enfatizou Dom Odilo, serão os que partem sempre da fé profunda renovada em Jesus Cristo, no Evangelho, a dedicação missionária, “a caridade ardente” e a vida cristã cultivada pessoalmente, nas famílias e nas comunidades. “É assim que a Igreja consegue cumprir a sua missão e tornar-se presente”, disse.

RENOVAÇÃO INTERIOR

O Cardeal acrescentou que a renovação missionária que se busca na Amazônia não é tanto em relação às estruturas, mas uma renovação do espírito, da maneira de estar presente nessa região.

“Como o Papa Francisco tem dito, é preciso que haja evangelizadores novos, com espírito novo. Só assim a Igreja vai se renovar. Simplesmente trocar estruturas não dá muita certeza de que vão acontecer as mudanças”, afirmou Dom Odilo, recordando que Jesus, no Evangelho, diz que o vinho novo deve ser colocado em odres novos. “Portanto, os vinhos novos que nós devemos ser, deverão produzir novidade, novas formas de estarmos presentes como cristãos”.

OUÇA O PROGRAMA "ENCONTRO COM O PASTOR"

 

LEIA TAMBÉM: 

Sínodo para a Amazônia: reavivar a chama do dom recebido

Cardeal Scherer ressalta que preocupação da Igreja com a Amazônia não é recente

Comente

Dom Odilo Scherer comemora 70 anos de vida

Por
24 de setembro de 2019

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu no domingo, 22, na Catedral da Sé, missa em ação de graças pelo seu 70º aniversário, completado no sábado, 21.

A celebração reuniu padres, fiéis, colaboradores, familiares e autoridades, dentre as quais, o governador do Estado de São Paulo, João Doria, e o prefeito da capital, Bruno Covas.

“Obrigado a todos pela presença... Eu sei que tem muita gente fazendo aniversário por esses dias, em setembro, início da primavera nasceu muita gente. Quero convidar a agradecermos juntos a Deus pelo dom da vida, alegra-nos juntos por estarmos vivos, isso é dom, é graça de Deus, é coisa boa”, afirmou Dom Odilo, no início da missa.

GRATIDÃO

No final da missa, o Cura da Catedral, Padre Luiz Eduardo Baronto, saudou o aniversariante em nome de todo o povo da Arquidiocese. “Deus seja bendito pela sua vida. Em pleno início da primavera o senhor faz aniversário. A primavera é uma estação cheia de significados para toda a criação e mais ainda este ano para o senhor, afinal, chegou aos 70 e renovar-se é preciso”, disse.

“Aos 70 anos, sua vida transformou-se em fruto de amor para a Igreja, especialmente pela Igreja de São Paulo, que desde sua nomeação como Arcebispo tornou-se a sua esposa, uma esposa que o Senhor ama e cuida. Deus o recompense por tudo”, continuou o Cura.

Em seguida, Dom Odilo recebeu como presente uma muda de oliveira, e um quadro que retrata a Catedral da Sé.

BIOGRAFIA

Nascido em 21 de setembro de 1949, em Cerro Largo (RS), ele foi ordenado sacerdote em 7 de dezembro de 1976 na cidade de Quatro Pontes (PR), na Diocese de Toledo. Em 28 de novembro de 2001, São João Paulo II o nomeou Bispo Auxiliar de São Paulo, sendo ordenado em 2 de fevereiro de 2002, pelo então Arcebispo de São Paulo, Cardeal Cláudio Hummes, na Catedral de Toledo.

Em 20 de março 2007, ele foi nomeado 7º Arcebispo de São Paulo, tomando posse em 29 de abril de 2007. Em 24 de novembro 2007, Dom Odilo foi criado Cardeal da Igreja.

(Colaborou: Jenniffer Silva)

Comente

Cardeal Scherer fala sobre encontro do Papa com a presidência do Celam

Por
18 de setembro de 2019

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, conceceu uma entrevista ao Vatican News sobre o encontro do Papa Francisco com a presidência do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam), nesta terça-feira, 12. Desde maio, Dom Odilo é o Primeiro Vice-Presidente da Entidade. 

As novas perspectivas do Celam, sua renovação, o serviço intercontinental às Conferências Episcopais da América Latina e do Caribe, a promoção de iniciativas e subsidiariedade foram alguns dos temas citados por Dom Odilo na entrevista. 

OUÇA A ENTREVISTA COM CARDEAL ODILO PEDRO SCHERER

Comente

Catequistas: ‘Sintam-se sempre no coração da Igreja’

Por
05 de setembro de 2019

Reunidos para celebrar e refletir sobre a catequese no contexto do sínodo arquidiocesano, no sábado, 31 de agosto, a Coordenação Pastoral da Animação Bíblico-Catequética da Arquidiocese de São Paulo promoveu o Encontro Anual de Catequistas, no Colégio Liceu Coração de Jesus, no bairro Campos Elísios.  

O evento contou com a presença do Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano; de Dom José Roberto Fortes Palau, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Episcopal Ipiranga e Referencial da Animação Bíblico-Catequética; do Padre Paulo Gil, Assessor Eclesiástico para a Animação Bíblico-Catequética; e dos padres referenciais nas regiões episcopais. Participaram do encontro aproximadamente 650 catequistas. 

O SÍNODO E A CATEQUESE

Em sua saudação inicial, Dom Odilo destacou que a renovação missionária é o fio condutor do sínodo arquidiocesano, que se encontra em seu segundo ano, e fez uma retomada histórica da importância e motivações para a convocação do caminho sinodal.  

O Arcebispo recordou que o chamado à conversão e à Nova Evangelização é um convite constante da Igreja e que o próprio Concílio Vaticano II, há mais de 50 anos, trouxe essa proposta. Frente a um tempo em que se observa a indiferença religiosa, em que muita gente acaba perdendo a fé ou vive em trânsito religioso, é necessária uma compreensão mais profunda da fé cristã. “Não podemos simplesmente fazer uma evangelização para dentro. Todo mundo é campo de missão e tem direito de conhecer a verdade do Evangelho”, frisou.  

O Cardeal explicou que é na escuta do Espírito Santo e guiadas por Ele que as paróquias, neste momento do sínodo arquidiocesano, poderão discernir sobre sua vida e missão em vista da renovação evangelizadora na cidade. Nesse sentido, a Catequese deve ajudar os cristãos a seguir num caminho de santificação. “Santidade é a vida conforme o Evangelho, isto está ao alcance de todos e também é meta da evangelização”, disse o Arcebispo.  

Aos catequistas, Dom Odilo recomendou a leitura e reflexão da pesquisa de campo sobre a situação religiosa e pastoral da Arquidiocese, bem como o levantamento sobre a realidade da vida paroquial, feito pelos párocos, na perspectiva da renovação missionária. “A Igreja existe para a missão, e, se perdemos isso de vista, perdemos a meta de existência da Igreja. A partir desse princípio, a catequese como processo pedagógico de iniciação, aprofundamento e amadurecimento na vida cristã é absolutamente fundamental.”

LEVANTAMENTO SINODAL 

O Arcebispo apontou, ainda, algumas quespesquisa de campo realizada em 2018 e que dialogam diretamente com a missão do catequista. O dado aferido da pesquisa, de que 70% dos católicos não vão à missa, aliado à resposta de que a maioria indica a Celebração Eucarística como fonte principal de formação cristã, tem consequências muito práticas que requerem uma urgente resposta.  Dom Odilo citou ainda que o levantamento paroquial feito pelos párocos mostrou com fidelidade as mudanças aceleradas e preocupantes que estão em curso – no que se refere à adesão e transmissão da fé católica –, como o decréscimo do número de batizados e casamentos em dez anos, respectivamente, de 20% e 50%.   

Diante desse contexto urbano desafiador, Dom Odilo deixou sua palavra de encorajamento aos educadores da fé e da esperança cristã na comunidade, para que comunguem com a Arquidiocese essa preocupação missionária e colaborem com os momentos sinodais nas 
regiões, partilhando suas experiências, para que “a catequese seja missionária”. 

CATEQUESE RENOVADA

De acordo com o Padre Paulo Gil, o momento vivido é de intensificação do processo de Iniciação à Vida Cristã em todas as regiões, com os catequistas e as equipes regionais. “O foco do nosso trabalho é justamente a formação permanente dos nossos catequistas, para que eles se sintam cada vez mais sujeitos desse processo e estejam nas suas comunidades favorecendo a acolhida e o acompanhamento dos que vão iniciar sua caminhada para a vida cristã.”

Um grande desafio para os dias de hoje, segundo o Padre, é a catequese de adultos. “De fato, tem crescido o número de adultos que buscam os sacramentos. O que nós queremos é que os catequistas ajudem os catequizandos adultos a descobrirem como podem assumir a sua vida cristã e que a Igreja pode oferecer muito mais do que eles vêm pedir. Precisamos fazer uma caminhada que vá além dos sacramentos”, pontuou. 

MISSÃO NA IGREJA E NA SOCIEDADE

Maria Inês de Oliveira Forte atua na catequese de adultos na Paróquia Santa Inês, no Lauzanne Paulista, e diz perceber que, por meio do conhecimento do Evangelho, muitas vidas têm sido transformadas. “As pessoas realmente vêm sentindo sede de Deus e, em meio às dificuldades, buscam ter essa presença de Jesus no dia a dia”, disse Maria Inês.

A catequista afirmou que em um mesmo grupo costuma atender gerações de uma mesma família, pois “um adulto convertido converte toda a família”. 

Já a religiosa peruana, Irmã Milda Fustamante Coronel, da Congregação Filhas do Santíssimo Salvador, no Brasil há quatro anos, contou que, na Paróquia Natividade do Senhor, na Região Santana, vive uma “experiência muito enriquecedora na Catequese de Crisma, pois é uma realidade muito diferente da minha de origem, e com os jovens estou sempre aprendendo”.

Com sorriso no rosto, próprio de um alegre mensageiro, Fábio Fernando Dias, catequista de Primeira Eucaristia e Crisma na Paróquia Nossa Senhora do Retiro, na Região Brasilândia, afirmou que entende seu chamado como “uma experiência muito alegre”. “Eu tenho amor em ser catequista e poder contribuir na evangelização na cidade de São Paulo”, disse. 

Andrea de Oliveira Cruz lida com grupos de Catequese de Perseverança, etapa entre a Primeira Eucaristia e a Crisma, na Paróquia Menino Deus, na Vila Formosa. Inserida na comunidade, com uma presença amiga e acolhedora, a catequista partilha da vida de seus catequizandos, que, ao entrarem na pré-adolescência e na adolescência, trazem as alegrias, mas também os sofrimentos vividos: “Ali eles se deparam com a Palavra de Deus, que existe um Deus que os ama, independentemente de sua história de vida, e nesse processo descobrem a Igreja e, depois disso, a chance de eles irem embora é menor”, relata. 

MISSA 
Após o momento formativo, Dom Odilo presidiu a missa na Igreja Sagrado Coração de Jesus, concelebrada por Dom José Roberto.  

Na homilia, o Arcebispo exortou os catequistas a sempre se sentirem no coração da Igreja como discípulos da Palavra de Deus e, portanto, participantes da sua missão, “de maneira que o patrimônio que recebemos da fé da Igreja, que está em nossas mãos, seja comunicado, que as pessoas o recebam, vivam e se alegrem com ele”. 

Comente

Anunciado os nomes dos presidentes da Comissões Episcopais de Pastoral

Por
23 de agosto de 2019

A Comissão Episcopal Representativa do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) se reuniu, na quinta-feira, 22, na sede da entidade, na Capital Paulista, e anunciou, para o próximo quadriênio (2019-2023), os nomes dos Presidentes das Comissões Episcopais de Pastoral do Regional Sul 1 da CNBB, que são os presidentes das Províncias Eclesiásticas do Estado. Eis os nomes, como segue:

1. Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso: 

Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer (Província de São Paulo: SP I);

2. Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada: 

Dom Moacir Silva (Província de Ribeirão Preto: RP I);

3. Laicato, Vida e Família: 

Dom João Bosco Barbosa de Souza (Província de São Paulo: SP II);

4. Ação Missionária e Cooperação intereclesial: 

Dom José Carlos Chacorowski (Província de Aparecida);

5. Animação Bíblico-catequética:

Dom Milton Kenan Júnior (Província de Ribeirão Preto: RP II);

6. Liturgia: 

Dom Eduardo Malaspina (Província de Campinas);

7. Ação Sociotransformadora: 

Dom Júlio Endi Akamine (Província de Sorocaba);

8. Cultura, Educação, Comunicação Social: 

Dom Benedito Gonçalves dos Santos (Província de Botucatu);

Outros temas

A escolha do tema da Assembleia das Igrejas e a visita do Cardeal Odilo Scherer à Diocese de Pemba, em Moçambique, também foram assunto em destaque em reunião.

Todos os citados estiveram presentes na reunião. Estiveram também o Presidente do Regional Sul 1 da CNBB, Dom Pedro Luiz Stringhini; o Vice-Presidente, Dom Edmilson Amador Caetano; o Secretário Regional, Dom Luiz Carlos Dias; e o Secretário-Executivo, Padre João Carlos Deschamps.

No início da reunião, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, fez um interessante relato apresentando aspectos diversos da sua visita pastoral missionária, na Diocese de Pemba, pelo Projeto do Regional Sul 1 da CNBB.

Segundo Dom Luiz Carlos Dias, na reunião houve um balanço da última Assembleia dos Bispos do Regional Sul 1 da CNBB, em junho passado. Os bispos também sugeriram o tema da próxima Assembleia das Igrejas, que será realizada em outubro, na cidade de Aparecida (SP).

O tema se desenvolverá a partir das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora, enfocando a ideia central do objetivo geral, na expressão Comunidades eclesiais missionárias, e o relacionamento entre cultura urbana e evangelização.

Ficou acertado que a presidência do Regional Sul 1 da CNBB realizará uma reunião nos próximos dias para detalhar a programação da Assembleia das Igrejas.

(Com informações do Regional Sul 1 da CNBB)

 

Comente

Presidência do Celam manifesta preocupação com incêndios na região amazônica

Por
22 de agosto de 2019

Os incêndios que especialmente nos últimos dias têm consumido parte da vegtação natural da Amazônia são causa de preocupação para a Presidência do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam), que emitiu uma nota a respeito nesta quinta-feira, 22.

Com o título “Levantamos nossa voz pela Amazônia”, a nota é assinada pelos membros da Presidência do Celam:  Monsenhor Héctor Miguel Cabrejos Vidarte (Presidente),  Cardeal Odilo Pedro Scherer (Primeiro Vice-Presidente), Cardeal Leopoldo José Brenes (Segundo Vice-Presidente), Monsenhor Rogelio Cabrera López (Presidente do Conselho de Assuntos Econômicos) e Monsenhor Juan Carlos Cárdenas Toro (Secretário Geral).

Reproduzimos a seguir a íntegra da nota, em Português e em Língua Espanhola.

 

LEVANTAMOS NOSSA VOZ PELA AMAZÔNIA

Conscientes dos terríveis incêndios que consomem grandes proporções da flora e fauna do Alasca, Groenlândia, Sibéria, Ilhas Canárias, e, particularmente, na Amazônia, nós, bispos da América Latina e Caribe, queremos expressar nossa preocupação com a gravidade dessa tragédia que não só é de impacto local, nem mesmo regional, mas de proporções planetárias.

A esperança pela proximidade do Sínodo Amazônico, convocado pelo Papa Francisco, está manchada pela dor dessa tragédia natural. Aos irmãos povos indígenas que habitam este amado território, expressamos toda a nossa proximidade  e nos unimos às suas vozes para gritar ao mundo por solidariedade e por atenção imediata para acabar com essa devastação.

O Instrumento de Trabalho do Sínodo já adverte profeticamente: "Na floresta amazônica, de vital importância para o planeta, uma crise profunda foi desencadeada por uma prolongada intervenção humana, onde predomina uma ‘cultura do descarte’ (LS 16) e mentalidade extrativista. A Amazônia é uma região de rica biodiversidade, multiétnica, multicultural e multirreligiosa, espelho de toda a humanidade que, em defesa da vida, exige mudanças estruturais e pessoais de todos os seres humanos, Estados e da Igreja. Essa realidade vai além do campo estritamente eclesiástico da Amazônia, porque se concentra na Igreja universal e também no futuro de todo o planeta” (Instrumentum laboris para o Sínodo da Amazônia, preâmbulo).

É urgente que os governos dos países amazônicos, especialmente Brasil e Bolívia, as Nações Unidas e a Comunidade Internacional adotem medidas sérias para salvar os pulmões do mundo. O que acontece com a Amazônia não é apenas uma questão local, mas de alcance global. Se a Amazônia sofre, o mundo sofre.

Lembrando as palavras do Papa Francisco, gostaríamos de “pedir, por favor, a todos os que ocupam posições de responsabilidade no campo econômico, político e social, todos os homens e mulheres de boa vontade: [que] sejamos guardiões da criação, do desígnio de Deus inscrito na natureza, guardiães do outro, do meio ambiente; não deixemos que. os sinais de destruição e morte acompanhem o caminho deste nosso mundo” (Homilia do início do ministério Petrino, 19 de março de 2013).

Monsenhor Héctor Miguel Cabrejos Vidarte, OFM

Arcebispo de Trujilo, Peru - Presidente do Celam

Cardeal Odilo Pedro Scherer

Arcebispo de São Paulo, Brasil – Primeiro Vice-Presidente do Celam

Cardeal Leopoldo José Brenes

Arcebispo de Managuaá, Nicarágua – Segundo Vice-Presidente do Celam

Monsenhor Rogelio Cabrera López

Arcebispo de Monterrey, México - Presidente do Conselho de Assuntos Econômicos do Celam

Monsenhor Juan Carlos Cárdenas Toro

Bispo Auxiliar de Cali, Colômbia - Secretário Geral do Celam

 

EM LÍNGUA ESPANHOLA

LEVANTAMOS LA VOZ POR EL AMAZONAS

Enterados de los terribles incendios que consumen grandes porciones de la flora y fauna en Alaska, Groenlandia, Siberia, Islas Canarias, y de manera particular de la Amazonía, los Obispos de América Latina y El Caribe queremos manifestar nuestra preocupación por la gravedad de esta tragedia que no solo es de impacto local, ni siquiera regional sino de proporciones planetarias.

La esperanza por la cercanía del sínodo Amazónico, convocado por el Papa Francisco, se ve ahora empañada por el dolor de esta tragedia natural. A los hermanos pueblos indígenas que habitan este amado territorio, les expresamos toda nuestra cercanía y unimos nuestra voz a la suya para gritar ai mundo por la solidaridad y la pronta atención para detener esta devastación.

Ya el Instrumento de trabajo del sínodo advierte proféticamente: “En la selva amazónica, de vital importancia para el planeta, se desencadenó una profunda crisis por causa de una prolongada intervención humana, donde predomina una ‘cultura del descarte’ (LS 16) y una mentalidad extractivista. La Amazonia es una región con una rica biodiversidad, es multiétnica, pluricultural y plurirreligiosa, un espejo de toda la humanidad que, en defensa de la vida, exige cambios estructurales y personales de todos los seres humanos, de los Estados y de la Iglesia. Esta realidad supera el ámbito estrictamente eclesial amazónico, porque se enfoca en la Iglesia universal y también al futuro de todo el planeta” (Instrumentum laboris para el sínodo de la Amazonia, preámbulo).

Urgimos a los gobiernos de los países amazónicos, especialmente de Brasil y Bolivia, a las Naciones Unidas y a la comunidad internacional a tomar serias medidas para salvar ai pulmón del mundo. Lo que le pasa ai Amazonas no es un asunto solo local sino de alcance global. Si el Amazonas sufre, el mundo sufre.

Recordando las palabras del Papa Francisco, quisiéramos “pedir, por favor, a todos los que ocupan puestos de responsabilidad en el ámbito económico, político, social, a todos los hombres y mujeres de Buena voluntad: [que] seamos custodios de la creación, del designio de Dios inscrito en la naturaleza, guardianes del otro, del medio ambiente; no dejemos que los signos de destrucción y de muerte acompaíien el camino de este mundo nuestro” (Homilía del inicio del ministerio Petrino, Marzo 19, 2013).

Comente

Cardeal Odilo Pedro Scherer despede-se de Pemba

Por
19 de agosto de 2019

O Cardeal Odilo Pedro Scherer concluiu a sua visita pastoral à Diocese de Pemba, em Moçambique, com uma Santa Missa celebrada na Catedral daquela diocese, no domingo, 18, na Solenidade da Assunção da Virgem Maria.

No início da celebração, Dom Luís Fernando Lisboa, missionário em Pemba há 17 anos e bispo da diocese há seis, saudou o Arcebispo de São Paulo, agradecendo a sua presença e pelo apoio que a diocese recebe dos bispos do Estado de São Paulo com o envio de missionários.

A missa foi celebrada em Português, idioma oficial de Moçambique. Já os cantos da liturgia foram executados pelo coro de mulheres da Catedral, em idioma nativo Macua, e embalada por belas melodias e coreografias próprias do povo moçambicano.

‘Celebramos a mesma fé’

Em sua homilia, Dom Odilo explicou o significado da solenidade litúrgica celebrada.

“Que bonito é que nós, aqui na África, bem como os católicos na Europa, América, Ásia e Oceania, celebramos todos a mesma fé e neste dia, a assunção de Maria ao céu. Com essa festa, a Igreja nos anuncia a nossa própria salvação e a esperança certa da ressurreição. Segundo a tradição da Igreja ensina, pelos méritos de Cristo, Maria, ao ser gerada ,foi preservada do pecado. Em sua dormência, teve seu corpo preservado da corrupção da carne e foi elevada por Deus à glória do céu em corpo e alma”.

“A festa de hoje nos dá a firme esperança e certeza na ressurreição. Essa certeza é o que nos consola e anima diante de nosso caminhar na terra, por vezes, marcado por muitas dificuldades, sofrimentos e privações”.

Refletindo sobre o texto do Livro do Apocalipse de São João, Dom Odilo explicou que o dragão que aparece na leitura é uma representação do mal. Um dia ele será vencido. A mulher vestida de sol é Maria, mas é também a Igreja e seus filhos, os quais o dragão persegue e quer devorar. Esses filhos somos nós, membros da Igreja; são todos os cristãos perseguidos, de todos os tempos.

‘O bem supremo para nós é Deus’

“Deus um dia fará a justiça plena. Nós cristãos, em nosso peregrinar, devemos lutar por justiça, para a superação da pobreza, da fome, das doenças. Contudo, não esqueçamos que o bem supremo para nós é Deus, é vida eterna”.

Dom Odilo explicou que a Igreja é missionária e realiza missões, porque tem a convicção que Jesus Cristo e o Evangelho é um bem para todos e para todas as culturas e povos. “Deus quer que todos se salvem”, afirmou. “Por essa causa vivem os missionários. Por essa causa, muitos mártires entregaram as suas vidas na certeza de que Deus é a verdadeira Vida”, concluiu.

Ao final da missa, Dom Luís Fernando Lisboa apresentou à comunidade católica de Pemba os missionários provenientes do Estado de São Paulo e, mais uma vez, agradeceu todas a ajuda que a Diocese tem recebido.

Na tarde do domingo, Dom Odilo dirigiu-se para Maputo, capital de Moçambique, onde realizará visita à Missão desenvolvida pela Aliança de Misericórdia em um dos bairros mais carentes da cidade.

(Com informações do Padre Michelino Roberto)

 CLIQUE E VEJA FOTOS DO ÚLTIMO DIA DA MISSÃO EM PEMBA

 

 

Comente

'Vocês certamente alegram o coração de Deus'

Por
17 de agosto de 2019

A comitiva da Regional Sul 1 da CNBB encerrou a visita pastoral na Paróquia do Menino Jesus de Imbhua, com uma missa celebrada na Aldeia de Nanganda, no sábado, 17. 

Na região, vive o povo da etnia Maconde, principal protagonista da revolução que na década de 1970 culminou com a independência de Moçambique, até então colônia de Portugal.

A missa foi presidida pelo Cardeal Scherer, Arcebispo de São Paulo, que foi calorosamente recebido com cantos de boas-vindas. Um coral com cerca de 70 vozes, ao ritmo de uma coreografia solene, piedosa e envolvente, animou a Santa Missa, também essa celebrada à sombra de uma mangueira. Todos os cantos foram em língua nativa Maconde.

Missionários trazem Jesus e a alegria

No inicio da missa, Dom Odilo saudou os líderes da aldeia, os missionários locais e explicou que está fazendo uma visita missionaria a várias missões da Diocese de Pemba. Ele agradeceu à população local a calorosa acolhida que recebeu. Disse que veio para confirmá-los na fé e, também, que a visita é importante para conseguir mais ajudas para as missões.

Foi a primeira vez que a paróquia recebeu a visita de um Cardeal.

Na homilia, Dom Odilo destacou que há muitas gerações, missionários vieram a para a África, de longe, da Europa, e trouxeram para cá Jesus e a semente do Evangelho.

“O Evangelho narra a visita de Maria a sua prima Isabel. Foi uma visita missionária, pois Maria levou consigo Jesus e, com Ele, a alegria. Assim também fizeram os missionários na África, e assim continuam a fazer os nossos missionários brasileiros que hoje estão no vosso meio: trazem Jesus e, com Ele, a alegria”, disse o Cardeal.

“Jesus é a nossa vida. Vida eterna, que nunca acaba. Essa certeza é o que motiva a Igreja a enviar missionários para todo o mundo”, prosseguiu.

“Hoje, a África não apenas recebe missionários, mas também os envia. Se nos tempos passados o continente europeu enviou missionário para todas as partes do mundo, hoje é ela que os recebe, provenientes tanto da África quanto da América. O mundo precisa de missionários africanos”, concluiu.

Expressão de generosidade

No ofertório, os fiéis trouxeram os frutos da terra e do seu trabalho: cocos, mandioca, milho, feijão, aves e legumes. Não foram ofertas simbólicas, mas expressão da generosidade de um povo que, mesmo sendo pobre, expressa, dessa forma, a sua gratidão a Deus e aos missionários. Um povo que não aceita comparecer diante de Deus de mãos vazias.

Ao fim do ofertório, o Cardeal Scherer agradeceu e abençoou os ofertantes: “Obrigado pelas vossas ofertas. Foi um gesto muito bonito! Que Deus abençoe a vossa terra, os vossos campos. Que tenhais boas colheitas para que nunca vos falte o alimento”.

Cerca de 500 pessoas participaram da celebração eucarística, incluindo representantes das comunidades muçulmana e evangélica.

Ao final da missa, Dom Odilo agradeceu à piedade, as belas músicas e danças da missa em honra a Deus. “Vou contar em São Paulo como vocês rezam bem na missa. Vocês certamente alegram o coração de Deus e o coração de Nossa Senhora”.

(Com informações do Padre Michelino Roberto)

Comente

Cardeal Odilo Scherer: ‘Vocês são os templos vivos de Deus’

Por
16 de agosto de 2019

No quarto dia de visita pastoral à Diocese de Pemba, em Moçambique, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, inaugurou duas obras sociais: os projetos Santa Clara e São Francisco de Assis. Também abençoou a construção da futura igreja paroquial, em Nangade, nas proximidades da fronteira com a Tanzânia.

Os projetos estão sendo instalados pelos missionários brasileiros da Fraternidade O Caminho, na Missão São Miguel Arcanjo.

TEMPLOS VIVOS

Em pouco mais de um ano de presença e com a ajuda das dioceses do Regional Sul 1 da CNBB (Estado de São Paulo), os missionários liderados pela Irmã Hadasse, 43, e o Frei Boaventura dos Pobres de Jesus, 35, já criaram uma escola de educação infantil (projeto Santa Clara), um centro de nutrição (Projeto São Francisco), e já ergueram as paredes de uma igreja que será a futura paróquia.

“Estas são as paredes do templo paroquial que vocês estão construindo. Elas são as paredes, vocês são a Igreja de Cristo. Vocês são os templos vivos de Deus”, disse o Cardeal, no momento da bênção da igreja em construção.

Em entrevista ao O SÃO PAULO, Irmã Hadasse contou que a ideia de criar um centro de nutrição veio do desejo de salvar da morte crianças em grave situação de desnutrição. Assim, fizeram um convênio com um posto hospitalar local.

“Muitas das crianças que atendemos são soropositivas, o que agrava muito a situação. A pobreza é grande, mas a esperança deste povo é maior”, afirmou a religiosa.

TESTEMUNHO DA FÉ NAS ADVERSIDADES

Antes de chegar em Nangade, Dom Odilo visitou a Missão de Macumia, local fortemente afetado pelo ciclone que em março fez grandes estragos em Moçambique.

A Igreja local – São João Bosco – que completa 60 anos em 2019, foi parcialmente destruída e completamente destelhada.

Na Missão de Macuia atua um pequeno grupo de religiosas da Congregação das Carmelitas Teresas de São José e  três religiosos da Congregação dos Padres Cavanis. Além da Igreja, há um centro social e uma escola secundária.

A região é também uma das que recentemente sofreram com ataques realizados por grupo terrorista desconhecido, que na semana passada invadiu e queimou todas as casas e celeiros de uma aldeia próxima da missão. Os moradores conseguiram fugir e não houve mortos.

(Com informações do Padre Michelino Roberto)

Comente

Cardeal Scherer faz visita pastoral a missões apoiadas pelo Regional Sul 1

Por
18 de agosto de 2019

No prosseguimento da visita pastoral às missões apoiadas pela Regional Sul 1 da CNBB em Moçambique, no continente africano, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, esteve nesta quinta-feira, 15, na Missão de Mazeze, distante 200km da cidade de Pemba.

No caminho, membros das comunidades católicas das Aldeias de Muamula, Moege e Milapande, todas localizadas no município de Chiuri, esperavam à beira da estrada para dar boas-vindas a Dom Odilo e aos brasileiros que o acompanham nessa visita.

A MISSÃO

A Missão de Mazeze leva o nome do posto administrativo onde está localizada. Foi instalada no bairro de Mirepane, no município de Chiuri, tendo sido iniciada em 2017, quando Dom Luís Fernando Lisboa criou no local a Área Pastoral Nossa Senhora da África.

Ainda não foi construído um templo para reunir fiéis, mas possui uma comunidade católica grande, piedosa e bastante atuante, o que compensa de longe a precariedade física.

ATUAÇÃO PASTORAL

A implantação de pastorais é recente e está acontecendo gradualmente, graças ao trabalho e a oração do Padre Salvador Brito, sacerdote da Diocese de Guarulhos. Ele está há dois anos em missão na Diocese de Pemba.

Enquanto a Igreja não é construída, o Padre celebra a Santa Missa na varanda de uma pequena construção feita de barro, madeira e capim, com o povo reunido e sentado a sombra de uma grande mangueira. E foi lá, sob a sombra da mangueira, que o Cardeal Scherer, emocionado, presidiu a missa da Solenidade de Nossa Senhora da Assunção.

Aproximadamente 300 famílias vivem ao entorno da Missão de Mazeze, metade das quais são muçulmanos. Já a Área Pastoral Nossa Senhora da África engloba outras 25 aldeias.

(Com informações do Padre Michelino Roberto)

Comente

Páginas

Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.