INTERNACIONAL

Destaques das Agências Internacionais

Candidato líder nas primárias promete legalizar o aborto

Por Gustavo Catania Ramos
23 de agosto de 2019

A interrupção voluntária da gravidez é crime na Argentina, a não ser em casos de estupro e que ofereçam risco à vida da mãe
 

Alberto Fernández, candidato à Presidência da Argentina, prometeu, em entrevista na televisão no dia 12, que usará de seu poder presidencial para descriminalizar a prática do aborto no País.


Segundo o presidenciável, a questão do aborto seria de “saúde pública” e a melhor forma de resolvê-la seria legalizá-lo. O candidato explicou que levaria a cabo o seu intento em duas etapas: a primeira, seria a despenalização imediata do aborto; a segunda, a criação de políticas públicas a favor das mulheres que desejam abortar. Em nenhum momento, o candidato mencionou o direito à vida dos nascituros ou as consequências físicas e psicológicas do aborto para as mulheres. 


As declarações de Alberto Fernández contrariam a decisão do Senado argentino, que, em agosto do ano passado, rejeitou projeto de lei que legalizaria a morte de bebês no País. A interrupção voluntária da gravidez é crime na Argentina, a não ser em casos de estupro e que ofereçam risco à vida da mãe. 


Alberto Fernández concorre pela chapa Frente de Todos, com Cristina Kirchner como vice, ex-presidente do País. Nas primárias de 11 de agosto, Alberto Fernández obteve 47,3% dos votos, 15 pontos percentuais acima do segundo colocado e atual presidente, Maurício Macri, que ficou com 32,2%. O primeiro turno das eleições ocorrerá em 27 de outubro deste ano. 
 

Tags: 
Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.