INTERNACIONAL

Sri Lanka

Atentados a igrejas e hotéis deixam rastro de destruição e morte

Por José Ferreira Filho
24 de abril de 2019

Instalações da Igreja de São Sebastião, depois de ser atingida por explosões em Negombo, no Sri Lanka, no Domingo de Páscoa, dia 21

Reprodução da internet

Uma série de explosões de bombas em igrejas, hotéis e em um complexo residencial causou uma matança no domingo, 21, no Sri Lanka, ilha do sudeste asiático localizada no Oceano Índico. Pelo menos 321 pessoas morreram (incluindo dezenas de estrangeiros e 45 crianças) e mais de 500 ficaram feridas, segundo o porta-voz da Polícia, Ruwan Gunasekera. “Não podemos confirmar se foram atentados suicidas”, acrescentou.

O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou a autoria dos oito ataques, ainda que sem mostrar provas de que os tenha cometido. Por ora, as autoridades cingalesas atribuem os atentados a um movimento islâmico local, o National Thowheeth Jama’ath (NTJ), embora estejam convencidas de que ações dessa magnitude não são possíveis sem o apoio de uma rede internacional.

 

IGREJAS E HOTÉIS COMO ALVO

As primeiras explosões, no início da manhã, ocorreram em três igrejas (duas católicas – a de Santo Antônio, em Colombo, capital do País; e a de São Sebastião, em Negombo, no oeste da ilha – e uma evangélica, em Batticaloa, no leste da ilha), onde centenas de fiéis celebravam o Domingo de Páscoa, e em três hotéis de luxo localizados em diferentes lugares do País. Mais tarde ocorreram outras duas explosões: uma na área de um hotel vizinho ao zoológico nacional e outra em um complexo residencial no norte de Colombo.

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram fachadas e telhados destroçados, e sangue em bancos próximos ao altar em uma das igrejas atacadas. O ministro das Reformas Econômicas, Harsha de Silva, que estava em uma igreja no momento de um dos ataques, descreveu “cenas horríveis” de corpos destroçados. Em um comunicado, o presidente do País, Maithripala Sirisena, conclamou a população a manter a calma e apoiar as autoridades enquanto continuam as investigações sobre os atentados.

 

‘ATOS DESUMANOS, NÃO JUSTIFICÁVEIS’

Ao expressar “proximidade espiritual e paterna” ao povo do Sri Lanka, o Papa Francisco pediu que todos condenem os atentados terroristas. “Rezo pelas numerosas vítimas e feridos, e peço a todos que não hesitem em oferecer a esta querida nação toda a ajuda necessária. Espero também que todos condenem estes atos terroristas, atos desumanos, não justificáveis”, concluiu.

O Sri Lanka, com quase 21 milhões de habitantes, é um país majoritariamente budista que conta com 1,2 milhão de católicos. Os budistas representam 70% da população, os hindus 12%, os muçulmanos 10% e os cristãos 7%.

Fontes: El País, G1 e Vatican News
 
 

LEIA TAMBÉM: União Europeia lança diretrizes éticas para o uso de inteligência artificial

 
Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.