Jornal o São Paulo

Cultura

Sermões do Espírito Santo

Do Papa Bento XVI, sobre São João de Ávila:

“Bom conhecedor do seu tempo e com uma formação académica excelente, João de Ávila foi um ilustre teólogo e um humanista verdadeiro. Propôs a criação de um tribunal internacional de arbitragem para evitar as guerras e foi também capaz de inventar e patentear algumas obras de engenharia. No entanto, vivendo na pobreza, centrou a sua atividade em acalentar a vida cristã de quantos comprazidos ouviam os seus sermões e o seguiam aonde quer que fosse. Especialmente preocupado pela educação e a instrução das crianças e dos jovens, sobretudo daqueles que se preparavam para o sacerdócio, fundou vários colégios menores e maiores que, depois de Trento, se transformariam em seminários conciliares. Fundou, outrossim, a Universidade de Baeza (Jaén), importante ponto de referência durante séculos para a formação qualificada de clérigos e seculares. 

Depois de ter percorrido a Andaluzia e outras regiões do Centro e do Oeste da Espanha, pregando e orando, já enfermo, em 1554, retirou-se definitivamente numa casa simples em Montilla (Córdova), onde exerceu o seu apostolado elaborando algumas das suas obras por meio de uma correspondência abundante. O Arcebispo de Granada quis levá-lo como assessor teólogo para as duas últimas sessões do Concílio de Trento; dado que não podia viajar por falta de saúde, redigiu os Memoriales que tiveram grande influência nesta reunião eclesial. 

Acompanhado pelos seus discípulos e amigos e padecendo dores agudíssimas, com um Crucifixo nas mãos, entregou a sua alma ao Senhor na sua casa humilde de Montilla na manhã de 10 de maio de 1569 (...).

A declaração de Doutor da Igreja Universal de um santo pressupõe o reconhecimento de um carisma de sabedoria conferido pelo Espírito Santo para o bem da Igreja e comprovado pela influência benéfica do seu ensinamento sobre o povo de Deus, fatos bem evidentes na pessoa e na obra de João de Ávila. Ele foi interpelado com muita frequência pelos seus contemporâneos como Mestre de Teologia, discernidor de espíritos e diretor espiritual. Acorriam a ele em busca de ajuda e de orientação grandes santos e pecadores declarados, sábios e ignorantes, pobres e ricos, e, à sua fama de conselheiro, uniu-se tanto a sua intervenção concreta em diálogos notáveis como a sua obra diária em vista de melhorar a vida de fé e de compreensão da mensagem cristã de quantos o procuravam solícitos para ouvir os seus ensinamentos. Também os bispos e os religiosos doutos e bem preparados se dirigiam a ele como conselheiro, pregador e teólogo, exercendo uma influência notável sobre quantos entravam em contato em ele e sobre os ambientes que frequentava.” (Trecho da Carta Apostólica na qual São João de Ávila foi proclamado Doutor da Igreja Universal, em 2012).

São João de Ávila foi contemporâneo e amigo ou conselheiro de muitos grandes santos da Igreja, como Santo Inácio de Loyola, São Francisco Borgia, São Pedro de Alcântara, Santa Teresa de Jesus, São João da Cruz, entre outros.

 

Divulgação

FICHA TÉCNICA:

Autor: São João de Ávila
Páginas: 162
Editora: Molokai
 
Para pesquisar, digite abaixo e tecle enter.